Tecnocratas dos EUA dão designs revolucionários de baterias para tecnocratas da China

Um funcionário observa uma bateria de fluxo de vanádio no Laboratório de Confiabilidade de Baterias do Pacific Northwest National Laboratory em 2021. Andrea Starr/Pacific Northwest National Laboratory
Compartilhe esta história!
O professor Antony Sutton era famoso por seu trabalho sobre a transferência de tecnologia do Ocidente para o Oriente nas décadas de 1960 e 1970. Nada mudou. Aves tecnocratas de uma pena, fiquem juntos. Não há dilema ético ou moral para tecnocratas dando nossas melhores invenções para a China porque já é uma tecnocracia. ⁃ Editor TN

Quando um grupo de engenheiros e pesquisadores se reuniu em um armazém em Mukilteo, Washington, há 10 anos, eles sabiam que estavam em algo grande. Eles arranjaram mesas e cadeiras, abriram espaço no estacionamento para experimentos e começaram a trabalhar.

Eles estavam construindo uma bateria – uma bateria de fluxo redox de vanádio – com base em um projeto criado por duas dúzias de cientistas americanos em um laboratório do governo. As baterias eram do tamanho de uma geladeira, continham energia suficiente para abastecer uma casa e podiam ser usadas por décadas. Os engenheiros imaginaram pessoas colocando-os ao lado de seus condicionadores de ar, anexando painéis solares a eles, e todos vivendo felizes para sempre fora da rede.

“Foi além da promessa”, disse Chris Howard, um dos engenheiros que trabalhou lá para uma empresa americana chamada UniEnergy. “Estávamos vendo-o funcionando como projetado, conforme o esperado.”

Mas não foi isso que aconteceu. Em vez de as baterias se tornarem a próxima grande história de sucesso americana, o armazém agora está fechado e vazio. Todos os funcionários que trabalhavam lá foram demitidos. E a mais de 5,200 milhas de distância, uma empresa chinesa está trabalhando duro para fabricar as baterias em Dalian, na China.

A empresa chinesa não roubou essa tecnologia. Foi dado a eles – pelo Departamento de Energia dos EUA. Primeiro em 2017, como parte de uma sublicença, e depois, em 2021, como parte de uma transferência de licença. Uma investigação da NPR e da Northwest News Network descobriu que a agência federal permitiu que a tecnologia e os empregos fossem para o exterior, violando suas próprias regras de licenciamento e deixando de intervir em nome dos trabalhadores dos EUA em várias instâncias.

Agora, a China avançou, investindo milhões na tecnologia verde de ponta que deveria ajudar a manter os EUA e sua economia na frente.

Funcionários do Departamento de Energia recusaram o pedido da NPR para uma entrevista para explicar como a tecnologia que custou milhões de dólares aos contribuintes dos EUA acabou na China. Depois que a NPR enviou aos funcionários do departamento perguntas escritas descrevendo o cronograma dos eventos, a agência federal rescindiu a licença com a empresa chinesa Dalian Rongke Power Co. Ltd.

“O DOE leva as obrigações de fabricação da América dentro de seus contratos extremamente a sério”, disse o departamento em um comunicado por escrito. “Se o DOE determinar que um contratado que possui uma patente financiada pelo DOE ou licenciado downstream está violando suas obrigações de fabricação nos EUA, o DOE explorará todas as soluções legais”.

Várias empresas americanas tentaram obter uma licença para fabricar as baterias

O departamento está agora realizando uma revisão interna do licenciamento da tecnologia de bateria de vanádio e se essa licença – e outras – violaram os requisitos de fabricação dos EUA, disse o comunicado.

A Forever Energy, uma empresa com sede em Bellevue, Washington, é uma das várias empresas americanas que estão tentando obter uma licença do Departamento de Energia para fabricar as baterias. Joanne Skievaski, diretora financeira da Forever Energy, tenta obter uma licença há mais de um ano e chamou a decisão do departamento de permitir a fabricação estrangeira de “incompreensível”.

“Esta é uma tecnologia feita com o dinheiro dos contribuintes”, disse Skievaski. “Foi inventado em um laboratório nacional. (Agora) está implantado na China e é realizado na China. Dizer que é frustrante é um eufemismo.”

A ideia para esta bateria redox de vanádio começou no porão de um laboratório do governo, três horas a sudeste de Seattle, chamado Pacific Northwest National Laboratory. Era 2006, e mais de duas dúzias de cientistas começaram a suspeitar que uma mistura especial de ácido e eletrólito poderia conter quantidades incomuns de energia sem se degradar. Deram certo.

Foram necessários seis anos e mais de 15 milhões de dólares dos contribuintes para os cientistas descobrirem o que acreditavam ser a receita perfeita da bateria de vanádio. Outros fizeram baterias semelhantes com vanádio, mas essa mistura era duas vezes mais potente e não parecia degradar da mesma forma que as baterias de celular ou mesmo as de carro. Os pesquisadores descobriram que as baterias são capazes de carregar e recarregar por até 30 anos.

Gary Yang, o principal cientista do projeto, disse que estava animado para ver se poderia fazer as baterias fora do laboratório. O laboratório incentiva os cientistas a fazer exatamente isso, em um esforço para trazer novas tecnologias críticas para o mercado. O laboratório e o governo dos EUA ainda detêm as patentes, porque os contribuintes americanos pagaram pela pesquisa.

Em 2012, Yang solicitou ao Departamento de Energia uma licença para fabricar e vender as baterias.

A agência emitiu a licença e Yang lançou a UniEnergy Technologies. Ele contratou engenheiros e pesquisadores. Mas logo ele teve problemas. Ele disse que não conseguia convencer nenhum investidor americano a embarcar.

“Falei com quase todos os grandes bancos de investimento; nenhum deles (queria) investir em baterias”, disse Yang em entrevista, acrescentando que os bancos queriam um retorno de seus investimentos mais rápido do que as baterias dariam lucro.

Ele disse que um colega cientista o conectou com um empresário chinês chamado Yanhui Liu e uma empresa chamada Dalian Rongke Power Co. Ltd., junto com sua empresa-mãe, e ele aproveitou a chance de tê-los investindo e até ajudando a fabricar as baterias.

No início, a UniEnergy Technologies fez a maior parte da montagem da bateria no armazém. Mas ao longo dos próximos anos, mais e mais da fabricação e montagem começaram a mudar para a Rongke Power, disse Chris Howard. Em 2017, Yang formalizou o relacionamento e concedeu à Dalian Rongke Power Co. Ltd. uma sublicença oficial, permitindo que a empresa fabricasse as baterias na China.

Qualquer empresa pode optar por fabricar na China. Mas neste caso, as regras são bastante claras. A licença original de Yang exige que ele venda um certo número de baterias nos EUA e diz que essas baterias devem ser “substancialmente fabricadas” aqui.

Em uma entrevista, Yang reconheceu que não fez isso. A UniEnergy Technologies vendeu algumas baterias nos EUA, mas não o suficiente para atender às suas necessidades. Os que vendeu, inclusive em uma instância para a Marinha dos EUA, foram feitos na China. Mas Yang disse que em todos esses anos, nem o laboratório nem o departamento o questionaram ou levantaram problemas.

Leia a história completa aqui…

Sobre o autor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado

6 Comentários
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários
Elle

Típica. Ele é parente de Madeleine Albright? Ela deu tecnologia americana para a China na década seguinte. Aqueles que sabiam o que ela estava fazendo trouxeram suas ações ao público, mas já estava feito. Basicamente, ela nos vendeu.

Última edição há 1 mês por Elle
Timothy

Se esse tipo de bateria realmente funciona em escala, essa evidência não faz de Elon Musk um propagandista? Um criador de diversões?

Harry Skip Robinson

Para mim, os contribuintes ainda têm um interesse monetário e de propriedade nas patentes e na tecnologia. Acredito que a lei que permite que as invenções criadas por funcionários do governo usando dinheiro dos contribuintes seja uma violação não apenas de um padrão ético, mas de um princípio de longa ajuda de que os funcionários não têm nenhum direito de propriedade a menos que o empregador, neste caso os contribuintes, os conceda consentimento. Não é direito do Congresso dar o dinheiro devido aos contribuintes que pagaram pela pesquisa e desenvolvimento para o benefício da maioria. Se o Congresso quiser usar seus... Leia mais »

Daryl

Este conceito de “regras”, “leis”, etc. é de fato nebuloso. Pense por um segundo, para que haja um jogo chamado basquete, que reconhecemos como basquete, as pessoas precisam de uma bola do tipo usada no jogo, gols e o que mais? Regras, certo? Isso é basquete. Mas tire as regras e digamos que alguém pegue a bola e apenas corra com ela e não dribla. O árbitro chama isso de caminhada/viagem. E se TODOS os jogadores fizessem a mesma coisa, sem dribles? Isso ainda é basquete? Você pode dizer “não”. Mas é, se eles escolherem... Leia mais »

[…] Leia mais: Tecnocratas dos EUA dão designs revolucionários de bateria aos tecnocratas da China […]

K Lee

O Acordo de Lima (Destruição da Indústria e Agricultura nos Países Ocidentais) A Declaração de Lima Os cidadãos dos países desenvolvidos ocidentais que estão se perguntando por que estão perdendo ou perderam sua indústria não precisam ir além do Acordo de Lima, onde tudo começou. Desindustrialização do mundo ocidental e ganhar dinheiro para a elite global, ou seja. banqueiros, controladores da mídia, Conselho de Relações Exteriores (CFR), Fabianos etc., são as mesmas pessoas que estão por trás da globalização, da imigração do terceiro mundo e da destruição dos países europeus. O título completo do tratado de Lima é “Declaração de Lima e plano de ação sobre o desenvolvimento industrial... Leia mais »

Última edição feita 1 mês atrás por K Lee