Organização geoespacial da ONU alinha-se com a agenda 2030 para forçar o desenvolvimento sustentável

ONU GGIMFoto: Nações Unidas GGIM
Compartilhe esta história!
image_pdfimage_print

A inteligência geoespacial é o rastreamento de qualquer coisa em movimento em uma sociedade, incluindo pessoas e a Internet de Tudo. O fato de o UN-GGIM estar se unindo para fazer cumprir a Agenda 2030 foi projetado para criar tecnocracia, e em breve. Observe a citação do artigo: "A China acrescentou que todos os governos devem tornar as informações geoespaciais a principal fonte de dados para o desenvolvimento social e econômico". TN Editor

O Comitê de Peritos da ONU em Gerenciamento Global de Informações Geoespaciais (UN-GGIM) discutiu a implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) durante sua sétima sessão. Altos funcionários e executivos de informações geoespaciais nacionais e autoridades estatísticas dos Estados Membros e especialistas geoespaciais internacionais de todo o mundo saudaram o alinhamento do Quadro Estratégico do GGIM com a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e discutiram maneiras de apoiar o alinhamento.

Em comentários de abertura à sétima sessão do GGIM, Liu Zhenmin, subsecretário-geral de Assuntos Econômicos e Sociais da ONU, observou que a agenda do Comitê inclui itens que estão “estreitamente alinhados” às necessidades da Agenda 2030 e dos ODS 17. Ele observou que a natureza ampla e integrada da Agenda 2030 requer maneiras inovadoras de enfrentar os desafios do desenvolvimento, e destacou que as maneiras pelas quais os países coletam, processam e gerenciam dados precisam passar por uma revolução semelhante, para garantir o monitoramento e as evidências. tomada de decisão para os ODS.

Zhenmin explicou que isso requer esforços coordenados em nível global, regional e nacional para fortalecer o gerenciamento de informações geoespaciais dos países e garantir a coerência dos países com estatísticas, informações geoespaciais, observação da terra, meio ambiente e big data. Ele acrescentou que, através do desenvolvimento de normas, padrões, guias e capacitação para gerenciamento geoespacial, o GGIM pode contribuir para a criação de um novo ecossistema de dados para o desenvolvimento sustentável, uma vez que os sistemas de informação integrados garantirão que todos os países possam medir e monitorar o estado das pessoas e do planeta, ao mesmo tempo em que informa as decisões de cidadãos e governos com dados oportunos.

O México manifestou preocupação com a mobilização de recursos orçamentários e extra-orçamentários para a implementação do Quadro Estratégico GGIM proposto e possível expansão relacionada à Agenda 2030. A Bélgica sugeriu o uso de associações e estruturas organizacionais existentes para implementar o Quadro.

O GGIM Europe congratulou-se com o Quadro proposto e observou que está explorando maneiras pelas quais pode colaborar com a Comissão Econômica da Europa para a Europa (UNECE) para sua implementação. O Japão e a Espanha recomendaram a colaboração entre os comitês regionais do GGIM e as comissões regionais das Nações Unidas na capacitação dos países em desenvolvimento para implementar o Quadro. A Comissão Econômica da ONU para África (UNECA) e a Comissão Econômica da ONU para a América Latina e o Caribe (CEPAL) também convidaram colaborações com os comitês regionais do GGIM.

China, Japão e Cingapura enfatizaram a necessidade de priorizar o desenvolvimento de capacidade em informações geoespaciais para os países em desenvolvimento no trabalho do Comitê. A China acrescentou que todos os governos devem tornar as informações geoespaciais a principal fonte de dados para o desenvolvimento social e econômico.

Leia a história completa aqui…

Junte-se à nossa lista de endereços!


avatar
Subscrever
Notificar a