Shadowdragon: Deep Social Media Dragnet para vigilância total

Ilustração: The Intercept
Compartilhe esta história!
Grupos de privacidade da esquerda e da direita estão justamente preocupados com a ascensão meteórica de sistemas de vigilância e monitoramento onipresentes como os produzidos em Shadowdragon. Com o clique de um botão, mais de 120 plataformas online são vasculhadas em busca de dados pessoais, apresentando suas redes pessoais, localizações, atividades, perfis psicológicos, etc. Os departamentos de polícia são os principais alvos de vendas e estão se espalhando como um incêndio. ⁃ Editor TN

Um contrato da Polícia do Estado de Michigan obtido pela The Intercept lança uma nova luz sobre o uso crescente de software de vigilância pouco conhecido que ajuda as agências de aplicação da lei e corporações a monitorar as mídias sociais e outras atividades de sites.

O software, lançado por uma empresa de Wyoming chamada ShadowDragon, permite que a polícia sugira dados de mídias sociais e outras fontes da internet, incluindo Amazon, aplicativos de namoro e a dark web, para que possam identificar pessoas de interesse e mapear suas redes durante investigações. Ao fornecer pesquisas poderosas em mais de 120 plataformas online diferentes e arquivos de uma década, a empresa afirma acelerar o trabalho de criação de perfil de meses para minutos. ShadowDragon ainda afirma que seu software pode ajustar automaticamente seu monitoramento e ajudar a prever a violência e agitação. A polícia de Michigan adquiriu o software por meio de um contrato com outra obscura empresa de policiamento online chamada Kaseware para um “MSP Enterprise Criminal Intelligence System”.

O funcionamento interno do produto geralmente não é conhecido do público. O contrato e os materiais publicados pelas empresas online permitem uma explicação mais aprofundada de como funciona esta vigilância, apresentada a seguir.

ShadowDragon manteve um perfil discreto, mas tem clientes da aplicação da lei muito além de Michigan. Foi comprado duas vezes pela agência de imigração e alfândega dos Estados Unidos nos últimos dois anos, mostram os documentos, e foi alegadamente adquiridos pela Polícia Estadual de Massachusetts e outros departamentos de polícia dentro do estado.

Funcionários de Michigan parecem estar mantendo seu contrato e as identidades de ShadowDragon e Microsoft longe do público. O site Michigan.gov não disponibiliza o contrato; em vez disso ofertas um endereço de e-mail para solicitar o documento “devido à natureza sensível deste contrato”. E o contrato que ela finalmente fornece foi fortemente redigido: a cópia dada a David Goldberg, um professor da Wayne State University em Detroit tinha todas as menções ao software ShadowDragon e ao Microsoft Azure apagadas. Além do mais, Goldberg teve que registrar uma solicitação da Lei de Liberdade de Informação para obter o contrato. Quando o site do estado ofereceu o contrato, ele não foi editado e eu baixou antes de ser retirado.

No ano passado, The Intercept publicado vários bens detalhando como uma empresa de análise de mídia social chamada Dataminr transmitiu tweets sobre os protestos de George Floyd e Black Lives Matter para a polícia. No mesmo ano, detalhei no The Intercept como a Microsoft, parceira da Kaseware ajuda a polícia a vigiar e patrulhar as comunidades através de ofertas próprias e uma rede de parcerias.

Esta nova revelação sobre o contrato de Michigan levanta questões sobre quais capacidades de vigilância digital outros departamentos de polícia e agências de aplicação da lei nos EUA podem estar adquirindo discretamente. E isso chega em um momento em que a vigilância de mídia social do governo anteriormente conhecida é sob fogo de defensores dos direitos e liberdades civis, como MediaJustice e American Civil Liberties Union. Também levanta o espectro de novos abusos em Michigan, onde o FBI esteve perfilando comunidades muçulmanas e os chamados Extremistas de identidade negra. Em 2015, foi revelado que, durante anos, a polícia estadual utilizou simuladores de site de celular para espionar telefones celulares sem divulgar ao público.

Leia a história completa aqui…

Sobre o autor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado
6 Comentários
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários

[...] Fonte de Notícias e Tendências de Tecnocracia [...]

apenas dizendo

Sombra: 'Uma Figura Escura'. Dragão: um monstro, 'Satan'.

[...] Fonte de Notícias e Tendências de Tecnocracia [...]

Rodjam

Então, como as pessoas vão se comunicar se não estiver sob vigilância? talvez um retorno aos velhos tempos de NÃO mais comunicações eletrônicas?
Voltar ao passado é uma evolução do futuro?

[…] Leia mais - Shadowdragon: Deep Social Media Dragnet para vigilância total […]

trackback

[…] Shadowdragon: Deep Social Media Dragnet para vigilância total […]