SEC usa requisitos ESG para atingir pequenas fazendas

Wikimedia Commons, Wally
Compartilhe esta história!
Quando o presidente Biden disse que usaria “todo o governo” para impor sua agenda verde suicida, ninguém teria suspeitado que a Comissão de Valores Mobiliários pudesse pegar um gancho na pequena agricultura, e ainda assim eles fizeram. Em última análise, os pequenos agricultores que não rolam e cumprem serão expulsos do negócio por excesso de regulamentação e negação de capital. ⁃ Editor TN

Enquanto as pequenas operações agrícolas e pecuárias lutam para se recuperar da pandemia do COVID-19 e das interrupções na cadeia de suprimentos, o governo federal está se preparando para lançar outro obstáculo em seu caminho.

Em março, a Comissão de Segurança e Câmbio (SEC), órgão governamental pretenso para “promover um ambiente de mercado digno da confiança do público”, propôs uma nova regra Ambiental, Social e de Governança (ESG). Anunciado como o “Aprimoramento e Padronização de Divulgações Relacionadas ao Clima para Investidores”, seria requerer registrantes que fazem negócios com pequenos operadores “para incluir certas divulgações relacionadas ao clima” chamadas Emissões do Escopo 3—emissões indiretas (a montante ou a jusante) que ocorrem na cadeia de valor da empresa relatora.

Agricultores e pecuaristas, no entanto, não são empresas públicas nem “registradores” subordinados à agência. Mas a disposição acima mencionada afetará negativamente suas operações e impor altos custos e responsabilidades.

Primeiro, a nova regra da agência é inexequível, pois não pode regular metas não financeiras como ESG – incluindo metas de emissões de gases de efeito estufa (GEE) do Escopo 3. Por quê? Os objetivos políticos estão fora de seu alcance.

Conforme explicitado na Seção 13(a) do Securities Exchange Act de 1934, a SEC só pode criar regras considerado “necessário ou apropriado para a proteção adequada dos investidores e para assegurar uma negociação justa do título”. Os princípios ESG, conforme entendidos, não tornam os negócios mais seguros, apenas mais vulneráveis ​​à politização.

Funcionários não eleitos da SEC não podem obrigar os registrantes a divulgar informações de seus parceiros de negócios. Apenas o Congresso está autorizado constitucionalmente a elaborar projetos de lei relacionados a regulamentações climáticas e ambientais – não a SEC. O Centro Mercatus notas, “A SEC concluiu, portanto, que geralmente não está autorizada a ordenar divulgações relacionadas a metas ambientais, de sustentabilidade ou outras metas sociais, exceto em resposta a 'um mandato específico do Congresso'”.

Pequenos proprietários e operadores já estão sujeitos a regulamentações onerosas por leis locais, estaduais e federais. Por que colocar mais pressão sobre as empresas em dificuldades que nos alimentam e nutrem? Não seria justo.

Exigir que esses produtores menores adotem regimes de relatórios mais rigorosos dessa maneira também suscitaria grandes preocupações com a privacidade.

Ao contrário das corporações, as pequenas e médias agroindústrias normalmente realizam suas operações a partir de suas residências pessoais. Por exemplo, a divulgação de dados sobre operações individuais e atividades do dia-a-dia – se tornadas públicas – pode atrair ameaças de oponentes da indústria agrícola e torná-los alvo de ambientalistas radicais e ativistas dos direitos dos animais com a intenção de interromper e interromper suas operações completamente.

Infelizmente para a SEC, os tribunais já haviam decidido contra agências governamentais que forçam a divulgação de dados pessoais confidenciais. O Oitavo Circuito de Apelações governado in American Farm Bureau Federation v. EPA (2016) que a Agência de Proteção Ambiental (EPA) divulgando planilhas contendo informações pessoais de agricultores convida “um interesse substancial de privacidade dos proprietários, ao mesmo tempo em que promove pouco interesse público que é reconhecível sob a FOIA” e “constituiria uma invasão claramente injustificada de privacidade pessoal. ”

Se a agência seguir esse caminho, os registrantes que trabalham com pequenas empresas não confiarão neles para lidar com divulgações contendo informações confidenciais daqui para frente. E não deveriam.

Dadas as restrições já impostas aos pequenos agronegócios, a divulgação de dados pessoais colocaria uma enorme pressão financeira sobre eles. Para atender às novas demandas, agricultores e pecuaristas teriam mais tempo dedicado à coleta de dados e menos tempo em seus produtos alimentícios.

O software de gestão agrícola (FMS), por exemplo, não é barato nem muito utilizado pela maioria dos agricultores e pecuaristas. Isso é relatado software custaria a essas pequenas empresas um adicional de US$ 1,200 por ano. Além disso, um 2018 pesquisa de quase 1,500 agricultores descobriram que 69% ainda usam ferramentas não informatizadas para suas operações diárias, em comparação com 16.5% que dependem principalmente de sistemas FMS.

Em última análise, a adoção de um regime rigoroso de relatórios de dados impossibilitaria que essas pequenas empresas se concentrassem em seus resultados finais: alimentar, abastecer e vestir os EUA e além.

Se esta regra continuar, a SEC trair sua missão de “proteger os investidores, facilitar a formação de capital e promover mercados justos, ordenados e eficientes”. Pior ainda, as considerações do Escopo 3 resultariam no fechamento de pequenas empresas e forçariam os registrantes da SEC a buscar produtos alimentícios de empresas fora dos EUA – tornando nossa nação altamente vulnerável à insegurança alimentar.

Em resposta, um grupo bipartidário de 118 membros da Câmara, incluindo os deputados distritais democratas Elaine Luria (D-VA) e Elise Stlokin (D-MI), exigiam a agência descarta a regra completamente antes do prazo final do período de comentários em 17 de junho de 2022. A comissária da SEC indicada por Trump, Hester M. Piece, também expressou sua oposição à proposta porque prejudicaria o regime de divulgação da agência e prejudicaria a economia.

Agricultores e pecuaristas são conservacionistas que estão atentos à sua pegada ambiental. Eles não precisam seguir as diretrizes da SEC para administrar adequadamente suas terras.

Leia a história completa aqui…

Sobre o autor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado
5 Comentários
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários

[…] Leia mais: SEC usa requisitos ESG para atingir pequenas fazendas […]

[…] Leia mais: SEC usa requisitos ESG para atingir pequenas fazendas […]

DawnieR

Isso é RÍSSIMO BS!!!! Esta MESMA coisa se aplica……:”Marco: Suprema Corte dá um golpe maciço na agenda de mudança climática”. Governo…..agora, A ENTIDADE MAIS ODIADA do planeta Terra!!

WW4
Laura McDonough

Precisamos de homens de verdade para resistir a essa agenda. Para se levantar como autônomo e manter gov. fora deste tipo de negócio.