Cidades inteligentes prometem eficiência, mas promovem o capitalismo da vigilância

Compartilhe esta história!
image_pdfimage_print
Quanto mais dados coletados pela tecnologia Smart City, maior o risco de tudo acabar nas mãos dos hackers. A falta de segurança é uma ameaça existencial para os habitantes da cidade, mas apenas um ligeiro incômodo para a Big Tech. ⁃ Editor TN

Mais de um milhão de nova-iorquinos poderiam em breve concordar em transportar um dispositivo de rastreamento emitido pelo governo, independentemente de perceberem ou não.

Essa é a proposta O prefeito Bill de Blasio, que recentemente voltou da campanha pontilhada de milharal em Iowa, está pensando em transformar a cidade de Nova York em algo extraído de um romance distópico de ficção científica. Mas alguns críticos são pedindo cautela sobre a mudança.

A confusão é sobre um pequeno chip RFID que o prefeito quer incorporar em todos os cartões de identificação municipais dos residentes de Nova York como parte do programa "IDNYC".

A proposta mais recente pode parecer modesta, mas a realidade é que ela potencialmente coloca centenas de milhares de pessoas em maior risco de roubo de identidade, perseguição e (para os nova-iorquinos sem documentos) deportação. E, infelizmente, isso faz parte da tendência global em direção às chamadas “cidades inteligentes” - uma série de empreendimentos de alta tecnologia que afirmam melhorar a eficiência municipal a um preço modesto, tirando nossa privacidade e autonomia.

Seria uma troca duvidosa se a tecnologia fosse entregue, mas cada vez mais vemos que esses sistemas levam mais do que temíamos e entregam muito menos do que prometemos.

Os defensores das cidades inteligentes afirmam que, ao integrar a Internet das coisas, a inteligência artificial e as redes de sensores, podemos tornar nossos filhos mais inteligentes, nossos deslocamentos mais rápidos e até Salvar vidas. As alegações estranhas não param por aí. Cidades inteligentes são anunciadas como a solução para tudo, desde a crise opióide para segregação escolar de fato. Talvez a afirmação mais estranha até agora seja a de que o RoboCops imitador prevenir crimes antes mesmo que eles aconteçam.

O movimento está apenas começando, mas os programas de cidades inteligentes já incluem todos os serviços municipais de escolas, Para hospitais, Para saneamento, Para aplicação da lei. E aqueles fora das grandes cidades também não estão isentos. Cada vez mais, cidades grandes e pequenas estão sendo atraídos pela promessa de uma sociedade baseada em dados.

MAIS DADOS, MAIS PROBLEMAS

O risco de privacidade é difícil de exagerar. As agências governamentais terão quantidades crescentes de dados extremamente sensíveis sobre nossa saúde, desempenho escolar de nossos filhos e onde passamos nosso tempo livre. Ir ao bar? A cidade inteligente sabe. Ir a um protesto? Provavelmente também sabe disso. E o mesmo acontece com quem invadir.

Hacking não é um risco teórico, já aconteceu. Já no 2014, pesquisadores de segurança começando a disparar o alarme sistemas críticos da cidade não foram criptografados e completamente vulneráveis ​​a ataques. Nesse mesmo ano, o Departamento de Segurança Interna admitiu que os hackers tinham quebrado em um utilitário público simplesmente adivinhando a senha.

Mais recentemente, vimos cidades inteiras reféns de hackers. Ambos Baltimore e Atlanta Vimos grandes trechos de seus governos pararem quando os atacantes usavam ransomware para criptografar os sistemas de computadores do governo, exigindo um grande pagamento em troca da chave. Os moradores perderam acesso a tudo, desde pagamentos de contas on-line, transferências de escrituras e até agendamento judicial. No caso de Baltimore, a cidade não só ficou fora de ação por semanas pelo ataque, mas também dados cruciais permanentemente perdido.

Perturbadoramente para aqueles cujos dados financeiros e de saúde são mantidos nesses sistemas, os hackers podem facilmente publicar o que encontram em público. Como O Wall Street Journal observou recentemente: “Quanto mais conectada é uma cidade, mais vulnerável é o ataque cibernético.” Mesmo com as melhores proteções de segurança, as cidades não podem eliminar a ameaça - desde que continuemos a coletar os dados.

Infelizmente, para muitos projetos de cidades inteligentes, a proteção da privacidade não é apenas uma despesa indesejada, mas uma ameaça existencial. Afinal, apesar de esses sistemas serem vendidos com a promessa de promover a eficiência do governo, o verdadeiro produto geralmente é o próprio público e todos os nossos dados. Empreendimentos como Vaga-lume e LinkNYC use dados de localização pública para fazer o que muitos empreendimentos de tecnologia fizeram: segmentar melhor seus anúncios. As cidades inteligentes criam um público cativo e altamente segmentado, pronto para receber o que eles precisam comprar.

Leia a história completa aqui…

Junte-se à nossa lista de endereços!


avatar
Subscrever
Notificar a