London School Of Economics (LSE) lança curso sobre 'Tecnocracia 1914-1945'

London School of Economics
Compartilhe esta história!
A LSE é uma importante impulsionadora acadêmica da globalização e programou um curso sobre Tecnocracia histórica para o período de 1914-1945. Esses foram os anos de formação que levaram à moderna Tecnocracia. Não surpreendentemente, O surgimento da tecnocracia: o cavalo de Troia da transformação global e Tecnocracia: o caminho difícil para a ordem mundial não aparecem na lista de leitura. ⁃ Editor TN

Professor responsável

Professor Alexander Nützenadel

Disponibilidade

Este curso está disponível no MA em História Internacional e Asiática (LSE e NUS), MA em História Moderna, MSc em Impérios, Colonialismo e Globalização, MSc em História das Relações Internacionais, MSc em Relações Internacionais (LSE e Universidade de Pequim), MSc em História Internacional e Asiática, MSc em História Internacional e Mundial (LSE & Columbia) e MSc em Teoria e História das Relações Internacionais. Este curso está disponível com permissão como uma opção externa para alunos de outros programas onde os regulamentos permitirem.

CONTEÚDO DO CURSO

Este curso explora a relação entre tecnocracia, engenharia social e política no período das duas guerras mundiais. A guerra industrial, os conflitos sociais e a instabilidade econômica fizeram com que cientistas e especialistas técnicos ganhassem uma forte influência política. O surgimento da tecnocracia, entretanto, significou mais do que encontrar soluções "técnicas" para problemas sociais e econômicos. Estava ligada à crise fundamental da democracia parlamentar e ao surgimento de movimentos autoritários. Tanto o regime fascista quanto o socialista adotaram conceitos tecnocráticos para melhorar a eficiência econômica e controlar os conflitos sociais. No entanto, durante a Grande Depressão, os movimentos tecnocráticos também ganharam espaço nas sociedades democráticas, em particular nos Estados Unidos durante o 'New Deal'. Este curso combina métodos de história comparativa e transnacional. Embora a tecnocracia estivesse ligada ao Estado-nação e freqüentemente andasse de mãos dadas com conceitos de autarquia econômica, havia fortes tendências transnacionais e também transferências internacionais. Além disso, veremos este tópico através das perspectivas de várias subdisciplinas históricas (incluindo história política, história econômica e social, história da ciência e tecnologia). O seminário também discutirá os legados da tecnocracia e seu renascimento nos debates e práticas políticas recentes.

Ensino

20 horas de seminários no MT.

Haverá uma semana de leitura na semana 6 do período de Michaelmas.

A Escola tem como objetivo realizar seminários presenciais, dependendo das circunstâncias, com alguma oferta online quando necessário.

Curso formativo

Um ensaio (2000-2500 palavras) no Termo Michaelmas.

Leitura indicativa

  • William E. Akin, Technocracy and the American Dream: The Technocrat Movement, 1900–1941, Berkeley: University of California Press, 1977
  • Patricia Clavin, Securing the world economy: the reinvention of the League of Nations 1920–1946, Chicago e Londres: University of Chicago Press, 2013.
  • Sabine Clarke, “A Technocratic Imperial State? The Colonial Office and Scientific Research, 1940-1960 ”, em Twentieth Century British History, vol. 18, não. 4, Oxford: Oxford University Press, 2007, pp. 453-80.
  • Antonio Costa Pinto, “Fascismo, Corporativismo e a Criação de Instituições Autoritárias nas Ditaduras Européias entre as Guerras”, em Rethinking Fascism and Dictatorship in Europe, Londres: Palgrave Macmillan, 2014, pp. 87-119.
  • John Guse, Nazi Technical Thought Revisited, in History and Technology, vol. 26, 2010, pp. 3-38
  • Jeffrey Herf, “The Engineer as Ideologue: Reactionary Modernists in Weimar and Nazi Germany”, no Journal of Contemporary History, vol. 19, não. 4, 1984, pp. 631-648
  • Janis Mimura, Planning for Empire: Reform Bureaucrats and the Japanese Wartime State, Ithaka, NY: Cornell University Press, 2016
  • Kiran Patel, The New Deal: A Global History, Princeton, NJ: Princeton University Press, 2016
  • Don K. Rowney, Transição para a tecnocracia. As origens estruturais do estado administrativo soviético, Ithaca, NY: Cornell University Press, 1989

Leia a história completa aqui…

Sobre o autor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado
2 Comentários
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários
Bruce

Suspeito que este seja o início de uma grande campanha de propaganda para normalizar a Tecnocracia nas mentes da população em geral. Espero mais propaganda do tipo 'Tecnocracia é incrível' com o tempo, porque é assim que eles fazem isso. A ignorância é de longe a maior ameaça à humanidade porque é ela que está sendo explorada ao máximo pelo nosso inimigo ...

Elle

Precisamente.

A universidade, e eu uso esse termo vagamente por muitas razões, quer uma conversa unilateral com autores conhecidos do FakeSM que apóiam a Narrativa em ambos os lados. A lista de leitura nem sequer toca nos fatos. É simples doutrinação, a razão pela qual a escola pública é inútil, na maior parte - a maior perda do meu tempo.