Os transumanos não conseguem tirar o sonho da vida eterna da cabeça

Compartilhe esta história!
Desde que a comunidade Transumana se aqueceu nos últimos 30 anos, graças ao avanço da tecnologia, não houve um único avanço científico que os tenha levado um centímetro mais perto de alcançar a imortalidade. Sem se deixar abater, eles continuam em busca do grande 'avanço' que os salvará da morte. ⁃ Editor TN

Implantes cerebrais, vidas mais longas, humanos geneticamente modificados: para os profetas do transumanismo - a evolução cientificamente assistida dos humanos além de nossas limitações atuais - é apenas uma questão de tempo.

Mas muitos cientistas insistem que alguns problemas não são tão facilmente resolvidos.

Mais cedo ou mais tarde, eles argumentam, o movimento que se cristalizou na cultura do poder da 1980 na Califórnia atingirá a parede de tijolos do cientificamente impossível.

A polêmica mais recente foi em novembro, quando o cientista chinês He Jianjui afirmou ter criado os primeiros bebês geneticamente modificados do mundo, que ele disse serem resistentes ao HIV.

A reação da comunidade científica levou à suspensão de seu trabalho, pois foram levantadas questões não apenas sobre a qualidade da ciência, mas também a ética da pesquisa.

Mas o sonho transhumanista não é novidade, diz Marc Roux, presidente da Associação Transumanista Francesa (AFT).

“Surgiu quando percebemos que poderíamos fazer escolhas ponderadas para usar técnicas para intervir em nossa evolução biológica”, disse ele.

Alguns dos gigantes da tecnologia de hoje parecem ter uma visão semelhante.

O Google recrutou o cientista da computação Ray Kurzweil, uma das principais luzes do movimento transhumanista. E está apoiando a Calico, uma empresa de pesquisa dedicada ao uso da tecnologia para ajudar as pessoas a viver vidas mais longas e saudáveis.

E Elon Musk, o bilionário fundador da Tesla, montou a Neuralink em San Francisco para desenvolver “interfaces implantáveis ​​cérebro-máquina para conectar humanos a computadores”.

Blay Whitby, que estuda as implicações éticas da pesquisa transhumanista na Universidade de Sussex, Inglaterra, é cético.

“Alguns transumanistas assinam seus e-mails para mim com slogans como 'A morte agora é opcional' ou 'A primeira pessoa a viver até 500 anos já nasceu'”, comenta.

“Eles são claramente mais otimistas do que eu.”

Os céticos apontam para as montanhas que a ciência ainda precisa escalar.

Até agora, toda uma série de testes clínicos não conseguiu encontrar uma cura para a doença neurodegenerativa de Alzheimer, que destrói os anos finais de muitas pessoas.

A expectativa de vida caiu de fato em alguns países, como os Estados Unidos.

E vários estudos concluíram que há um limite para a idade que os humanos podem realisticamente esperar poder viver.

E há limites, diz Nathanael Jarrasse, do Instituto de Sistemas Inteligentes e Robótica (ISIR) em Paris.

“Nós apenas falamos sobre tempo e dinheiro, negando a possibilidade de nunca conseguirmos entender certas coisas - negando o cientificamente impossível.”

Roux, no campo transhumanista, lamenta que o movimento seja muitas vezes reduzido às opiniões de seus defensores mais extremos.

“Já hoje, muitas coisas são possíveis”, argumenta.

Ele reconhece as questões éticas levantadas pelo avanço da tecnologia. Mas a posição transhumanista é que modificar as gerações futuras para impactar a hereditariedade não é em si abominável.

“Por que isso seria necessariamente uma coisa ruim?” ele pergunta. “Não há mais debate sobre essas questões. Somos condenados por princípio, mas as pessoas se esqueceram por quê. ”

Os transhumanistas não vêem razão para que eles não possam experimentar coisas que já são tecnicamente possíveis: implantes de retina para que você possa ver no espectro infravermelho; implantes cocleares para que você possa captar sons ultrassônicos.

Isso não se coaduna com Edouard Kleinpeter, engenheiro de pesquisa do Centro Nacional de Pesquisa Científica (CNRS) da França.

“As teorias transumanistas se baseiam em conceitos muito materialistas do corpo, da consciência ...”, diz ele. “Para eles, não há diferença entre um cérebro e um microprocessador.”

Leia a história completa aqui…

Subscrever
Receber por
convidado
1 Comentário
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários
Anne

Se minha única esperança de vida eterna dependesse do transumanismo ou de qualquer tipo de ajuda do homem caído. Eu não teria nenhum desejo e nenhum interesse na vida eterna. Vendo como as coisas funcionaram até agora com psicopatas no controle. A pessoa “média” viveria em um estado de inferno eterno se a cabala criminosa internacional tivesse algo a ver com qualquer outra pessoa fora de seu clube experimentando a vida eterna. Longa história curta. Alguém poderia simplesmente escolher rejeitar e desobedecer a Deus para viver eternamente no lago de fogo com os globalistas. Ninguém precisa deles ou... Leia mais »