Metaverso: tecnocratas desequilibrados que acreditam que já estamos vivendo em uma simulação

Compartilhe esta história!
Para os tecnocratas que já vivem em uma bolha intelectual desvinculada da realidade e acreditam que o universo já é uma gigantesca simulação, o Metaverso é o veículo perfeito e natural para criar uma nova realidade. Se tudo é virtual de qualquer maneira, eles pensam, qual é o problema em criar o seu próprio? Um é apenas uma extensão do outro. ⁃ Editor TN

Imagine que quando seus bisavós eram adolescentes, eles colocaram as mãos em um novo gadget inovador, o primeiro sistema de entretenimento de realidade virtual totalmente imersivo do mundo. Estes não eram aqueles óculos bobos que você vê em todos os lugares agora. Este dispositivo era mais Matrix-y - uma elegante faixa de cabeça cheia de eletrodos que de alguma forma se conectavam diretamente ao sistema perceptivo do cérebro humano, substituindo tudo o que o usuário via, ouvia, sentia, cheirava e até provava com novas sensações despertadas por uma máquina.

O dispositivo foi um sucesso de bilheteria; bandanas mágicas logo se tornaram um fato inevitável da vida diária das pessoas. Seus bisavós, na verdade, se conheceram em Headbandland, e seus filhos, seus avós, raramente encontraram o mundo fora dela. As gerações posteriores — seus pais, você — nunca o fizeram.

Tudo o que você já conheceu, todo o universo que você chama de realidade, foi alimentado por uma máquina.

Este, de qualquer maneira, é o tipo de cenário em que continuo pensando enquanto pondero sobre o hipótese de simulação — a ideia, ultimamente muito discutida entre tecnólogos e filósofos, de que o mundo ao nosso redor poderia ser uma invenção digital, algo como o mundo simulado de um videogame.

A ideia não é nova. Explorar a natureza subjacente da realidade tem sido uma obsessão dos filósofos desde a época de Sócrates e Platão. Desde “Matrix”, tais noções tornaram-se um marco cultura pop, também. Mas até recentemente a hipótese da simulação era assunto para acadêmicos. Por que devemos considerar que a tecnologia pode criar simulações indistinguíveis da realidade? E mesmo que tal coisa fosse possível, que diferença o conhecimento da simulação faria para qualquer um de nós preso no aqui e agora, onde a realidade parece tragicamente real?

Por essas razões, fiquei de fora de muitos debates sobre a hipótese de simulação que borbulhavam nas comunidades de tecnologia desde o início dos anos 2000, quando Nick Bostrom, um filósofo de Oxford, apresentou a ideia em um ensaio amplamente citado.

Mas um novo livro alucinante do filósofo David Chalmers – “Reality+: Virtual Worlds and the Problems of Philosophy” – me transformou em um simulacionista ferrenho.

Depois de ler e conversar com Chalmers, passei a acreditar que o vindouro mundo da realidade virtual pode um dia ser considerado tão real quanto a realidade real. Se isso acontecer, nossa realidade atual será instantaneamente colocada em dúvida; afinal, se pudéssemos inventar mundos virtuais significativos, não é plausível que alguma outra civilização em algum outro lugar do universo também o tenha feito? No entanto, se isso for possível, como podemos saber que ainda não estamos em sua simulação?

A conclusão parece inevitável: talvez não possamos provar que estamos em uma simulação, mas, no mínimo, será uma possibilidade que não podemos descartar. Mas pode ser mais do que isso. Chalmers argumenta que se estivermos em uma simulação, não haveria razão para pensar que é a única simulação; da mesma forma que muitos computadores diferentes hoje estão executando o Microsoft Excel, muitas máquinas diferentes podem estar executando uma instância da simulação. Se esse fosse o caso, os mundos simulados superariam em muito os mundos não-sim – o que significa que, apenas por uma questão de estatística, seria não apenas possível que nosso mundo seja uma das muitas simulações, mas também provável. Como diz Chalmers, “provavelmente somos sims”.

Chalmers é professor de filosofia na Universidade de Nova York e passou grande parte de sua carreira pensando no mistério da consciência. Ele é mais conhecido por cunhar a frase “o difícil problema da consciência”, que, grosso modo, é uma descrição a dificuldade de explicar por que uma certa experiência parece aquela experiência para o ser que a vivencia. (Não se preocupe se isso machuca sua cabeça; não é chamado de problema difícil à toa.)

Chalmers diz que começou a pensar profundamente sobre a natureza da realidade simulada depois de usar fones de ouvido VR como Oculus Quest 2 e perceber que a tecnologia é já é bom o suficiente para criar situações que parecem visceralmente reais.

A realidade virtual agora está avançando tão rapidamente que parece bastante razoável adivinhar que o mundo dentro da VR pode um dia ser indistinguível do mundo fora dela. Chalmers diz que isso pode acontecer dentro de um século; Eu não ficaria surpreso se passássemos essa marca dentro de algumas décadas.

Sempre que isso acontecer, o desenvolvimento de VR realista será impressionante, por razões práticas e profundas. Os práticos são óbvios: se as pessoas podem facilmente alternar entre o mundo físico e os virtuais que se parecem exatamente com o mundo físico, qual deles devemos considerar como real?

Leia a história completa aqui…

Sobre o autor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado
4 Comentários
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários
Lutero

O que os tecnocratas estão querendo criar é uma “simulação controlada” da qual o 'metaverso ou nuvem' seria sempre a fonte. Isso significa que um fator megalomaníaco está em ação baseado na IA (veja “The Matrix” 1999), que os militares dos EUA pretendem implementar com (DARPA e agências de inteligência como a NSA) o FBI e a CIA. O que (mais) poderia dar errado com esses defensores do 'big brother' no comando?

Paul B.

Esta é apenas mais uma perversão do cristianismo. Deus criou o universo e tudo nele, e o mantém em existência; “Nele vivemos, nos movemos e existimos”. Isso não é uma espécie de simulação? E no final dos tempos Ele disse que criaria um novo Céu e uma nova Terra. Isso não é Deus essencialmente criando uma nova simulação, por assim dizer?

Martin

Acho que você está certo, Paulo. Certa vez ouvi um professor da Bíblia dizer que o termo anticristo pode ser interpretado como em vez de cristo. Eu nunca esqueci isso porque soa verdadeiro para mim. O diabo está sempre apresentando algum tipo de substituto para a verdade. E às vezes, esse substituto é muito convincente. Não estou dizendo que essa tecnologia é do diabo. Mas direi que se alguém acredita que o que estamos vivendo atualmente é uma experiência de RV, essa pessoa acreditou em uma mentira (do diabo). Se estamos vivendo em um mundo de realidade virtual agora,... Leia mais »