Robôs microscópicos e injetáveis ​​em breve poderão correr em suas veias

Compartilhe esta história!
“O que devo fazer, doutor? Pegue dois microrrobôs e me ligue de manhã. ” O transumanismo é a fusão definitiva da tecnologia com o humano, e o impulso para fazer isso é implacável. Seu objetivo é a extensão da vida e depois a imortalidade, com uma dose de onisciência ao longo do caminho. ⁃ Editor TN

Os cientistas criaram um exército de robôs microscópicos de quatro patas, pequenos demais para serem vistos a olho nu, que andam quando estimulados por um laser e podem ser injetados no corpo por meio de agulhas hipodérmicas, informou um estudo na quarta-feira.

A robótica microscópica é vista como tendo uma variedade de usos potenciais, particularmente na medicina, e pesquisadores dos EUA disseram que os novos robôs oferecem “o potencial para explorar ambientes biológicos”.

Um dos principais desafios no desenvolvimento desses robôs do tamanho de células tem sido combinar circuitos de controle e peças móveis em uma estrutura tão pequena.

Os robôs descritos na revista Nature têm menos de 0.1 milímetro de largura - quase a largura de um cabelo humano - e têm quatro pernas que são alimentadas por células solares a bordo.

Ao disparar luz laser nessas células solares, os pesquisadores foram capazes de fazer com que as pernas se movessem, fazendo com que o robô andasse.

O co-autor do estudo, Marc Miskin, da Universidade da Pensilvânia, disse à AFP que uma inovação fundamental da pesquisa foi que as pernas - seus atuadores - poderiam ser controladas por meio de componentes eletrônicos de silício.

“Cinquenta anos de encolhimento da eletrônica levaram a algumas tecnologias extremamente pequenas: você pode construir sensores, computadores, memória, tudo em espaços muito pequenos”, disse ele. “Mas, se você quer um robô, você precisa de atuadores, peças que se movem.”

Os pesquisadores reconheceram que suas criações são atualmente mais lentas do que outros microbots que “nadam”, menos fáceis de controlar do que aqueles guiados por ímãs e não sentem seu ambiente.

Os robôs são protótipos que demonstram a possibilidade de integrar a eletrônica com as peças que ajudam o dispositivo a se mover, disse Miskin, acrescentando que eles esperam que a tecnologia se desenvolva rapidamente.

“A próxima etapa é construir circuitos sofisticados: podemos construir robôs que percebam seu ambiente e reajam? Que tal pequenas máquinas programáveis? Podemos torná-los capazes de funcionar sem intervenção humana? ”

Miskin disse que prevê usos biomédicos para os robôs, ou aplicações na ciência dos materiais, como reparar materiais em microescala.

“Mas esta é uma ideia muito nova e ainda estamos tentando descobrir o que é possível”, acrescentou.

Leia a história completa aqui…

Sobre o autor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado

3 Comentários
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários
Sapere Audete

Ninguém precisa deste $ hit

CAWS

Onde está Sarah Conner quando você precisa dela? NÃO serei assimilado!

entalhe

É o suficiente para levar você ao penico nanobotty!