Robôs e pessoas se aproximando através de romance e relacionamentos

Compartilhe esta história!
Existe uma afinidade natural para dar nomes a objetos inanimados e depois relacionar-se com eles em uma base emocional. Na década de 1980, eu tinha uma amiga que sempre batizava seus carros e depois falava carinhosamente com eles pelo nome. Quando era hora de trocar de carro, era como um funeral para aposentar o velho e empossar o novo. Não há dois carros com o mesmo nome. ⁃ Editor TN

À medida que robôs e humanos se aproximam cada vez mais, estamos começando a formar todos os tipos de relacionamentos com máquinas.

Você e seu telefone são platônicos ou estão se transformando em uma máquina?

Quase 84% da população global possui um smartphone e eles estão se tornando algo que não podemos viver sem.

“Já somos um ciborgue”, Elon Musk disse Kara Swisher. “Você tem uma versão digital de si mesmo, uma versão parcial de si mesmo online na forma de seus e-mails, suas mídias sociais e todas as coisas que você faz.”

A declaração de Musk acompanha o que os roboticistas descobriram em estudos sobre conexões humano-robô.

Robôs como extensão da humanidade

Os robôs estão por toda parte – em apenas uma manhã, uma pessoa pode usar uma cafeteira, escova de dentes elétrica e iPhone antes de sair de casa.

Dependendo de sua função, aparência e experiência com o robô, as pessoas valorizam os robôs com intensidade variável.

Em um artigo do estudo de militares e robôs avançados, a doutora Julie Carpenter descobriu que os soldados “frequentemente descreviam o robô como 'minhas mãos' ou como uma extensão física de si mesmos”.

Robôs se tornam mais do que ferramentas para os soldados com os quais “servem” – os bots recebem nomes característicos, e os que são destruídos em combate recebem os enterros de um soldado, completos com saudações de 21 tiros e elogios.

Esse conceito de projetar atributos humanos em um objeto é chamado de antropomorfização – e é visível com robôs e humanos que passaram por menos traumas juntos do que robôs militares e soldados humanos.

Em um episódio do Lex Fridman Podcast, a roboticista Kate Darling observou que as pessoas formam um relacionamento significativo com o popular aspirador de pó robô, o Roomba.

As pessoas vão conversar com o Roomba, expressar empatia pelo Roomba quando ele ficar preso nos cantos ou até perceber que o Roomba tem um personalidade.

Em contraste, as crianças eram tão amplamente desrespeitoso para Alexa que a Amazon teve que adicionar um recurso “Magic Word” para tentar impedir os comentários negativos.

“Nós os tratamos como se estivessem vivos, embora saibamos perfeitamente que são máquinas”, disse Darling, falando sobre robôs úteis no Aspen Ideas Festival 2017.

Podemos ver o tratamento positivo e negativo de robôs que não tentam parecer humanos no Roomba e no Alexa.

Os humanos abusarão ou respeitarão os robôs, pois eles parecem mais reais?

Leia a história completa aqui…

Sobre o autor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado
7 Comentários
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários

[…] CONSULTE MAIS INFORMAÇÃO […]

Elle

Robôs são MÁQUINAS. São FERRAMENTAS. Eles não estão vivos de nenhuma maneira, não importa o que o artigo retrata. E daí se um humano chama uma máquina, Mildred, Madge ou George. Chamamos nosso auto vac de animalzinho e, exceto pela energia que percorre o chassi, ele não está vivo, não temos sentimentos por ele e certamente não o enterraríamos se morresse. Os humanos nomeiam muitos objetos inanimados simplesmente para ter um rótulo familiar – Alexa é um bom exemplo, já tendo sido facilmente rotulado para humanos. Este artigo é um grande exagero apoiado pelo habitual... Leia mais »

Última edição há 3 meses por Elle
vitória

Precisamos examinar cuidadosamente o que a elite diz que somos – incluindo (talvez até especialmente), seu garoto-propaganda, Elon Musk. E precisamos ter cuidado para não construir artigos como este em torno de tais declarações, pois isso dá o verniz de verdade quando muitas vezes está longe disso. A mentira se torna a verdade. Nós definitivamente não somos ciborgues! E desde quando uma cafeteira é um robô? 🤖 Quando isso aconteceu?? Eu pensei que uma cafeteira era um eletrodoméstico. Se você adicionar Bluetooth, ele se tornará um eletrodoméstico “inteligente”. As pessoas antropomorfizam muitos... Leia mais »

Última edição feita 2 meses atrás por Vitória

[…] Leia mais: Robôs e pessoas se aproximando através de romance e relacionamentos […]

[…] Leia mais: Robôs e pessoas se aproximando através de romance e relacionamentos […]

Erik Nielsen

Obrigado por todo o seu trabalho fantástico Patrick. Muito alto intelectual, maneira honesta e aberta de apresentar nossos tempos e perigos. Eu vi o vídeo do Grand Jury Day 6 ;-). Trabalho incrível!

Mesônico

Biomecanóide

Gerador de RH