Think Tank: Robôs podem substituir trabalhadores migrantes na Grã-Bretanha

em brancoWikipedia
Compartilhe esta história!
image_pdfimage_print

Nota: O que a Grã-Bretanha precisa: Mais robôs, menos trabalhadores migrantes. Isso contribui para uma reviravolta interessante no uso da migração como meio de implementar o Desenvolvimento Sustentável. Afinal, é o globalista Peter Sutherland quem afirma que um requisito para o Desenvolvimento Sustentável é uma sociedade multicultural - impulsionada pela migração. Ainda assim, é mais fácil gerenciar robôs do que pessoas, então talvez a Tecnocracia encontre um vencedor aqui.

A decisão da Grã-Bretanha de deixar a UE forçará as empresas que dependem do trabalho dos migrantes a repensar seus modelos de negócios, se isso levar a restrições à imigração com baixa qualificação.

Para alguns, os robôs podem ser os substitutos mais prováveis, de acordo com um relatório do think tank da Resolution Foundation.

Quase um terço da força de trabalho na fabricação de alimentos são migrantes da UE. Mais de um quinto do pessoal doméstico é da UE e mais de um em cada oito trabalhadores em setores que vão da agricultura à armazenagem e fabricação de têxteis.

O fim da livre circulação de mão de obra - sendo outras coisas iguais - tornaria mais caro o preenchimento desses empregos. Dadas outras mudanças, como salário digno, inscrição automática em pensões no local de trabalho e taxa de aprendizagem, haverá um forte incentivo para os empregadores investirem em automação.

Isso não precisa ser ruim, argumenta o think tank. A oferta pronta de trabalhadores baratos permitiu que os empregadores do Reino Unido escapassem com níveis relativamente baixos de investimento de capital por muitos anos, uma tendência que se tornou ainda mais evidente desde a crise financeira global.

"O que o Reino Unido precisa - com seu alto emprego, desempenho terrível de produtividade e baixo investimento - é de mais robôs", disse Adam Corlett, analista da Resolution Foundation. O think-tank sugere que as novas tecnologias serão cruciais para a recuperação da produtividade do Reino Unido e o crescimento dos salários.

Há algum precedente para os empregadores que substituem os migrantes por máquinas: nos EUA, a mecanização transformou a indústria de tomate da Califórnia quando o fornecimento de trabalhadores agrícolas mexicanos por meio do programa Bracero terminou.

No entanto, alguns setores - como fabricação de alimentos ou serviços de alimentação - são muito mais suscetíveis à automação rápida do que outros. Em outras áreas, como limpeza ou transporte, há muito menos espaço para inovação. É mais provável que os empregadores olhem novamente para as estruturas de treinamento e carreira e pressionem o governo a permitir a imigração onde houver escassez setorial.

Leia a história completa aqui…

Junte-se à nossa lista de endereços!


avatar
0 Comentar tópicos
0 Respostas do Tópico
0 Seguidores
Comentário Mostv¯ve
Tópico de comentário mais quente
0 Autores de comentários
Autores recentes de comentários
Subscrever
o mais novo mais velho mais votado
Receber por