Wired Magazine: 2018 dará início à revolução verde das criptomoedas

em branco
Compartilhe esta história!
image_pdfimage_print
Finalmente, a Economia Verde global (também conhecida como Desenvolvimento Sustentável ou Tecnocracia) está diretamente ligada ao desenvolvimento de criptomoedas 'verdes' baseadas em blockchain. Do ponto de vista pró-tecnocracia, isso faz todo o sentido. Até agora, o financiamento da transformação do sistema econômico global tem sido um mistério não declarado. A TN prevê que os 'ativos' verdes do mundo (zonas de patrimônio, conservação da natureza etc.) serão monetizados por criptomoedas verdes. ⁃ Editor TN

As manchetes que soam o sinal de morte dos combustíveis fósseis e o motor de combustão interna não são exatamente o nascimento de uma economia verde global. Para isso, precisamos de dinheiro verde tanto quanto de tecnologias limpas.

Com demasiada frequência, comprar verde ainda significa pagando mais. Políticas e subsídios ajudaram a diminuir os prêmios dos consumidores por tecnologias renováveis ​​na última década, mas o apetite político por usar o dinheiro dos contribuintes para reduzir o custo de produtos e serviços ecológicos está diminuindo. Enquanto isso, as empresas não apenas precisam pagar as contas de atualização e pagar pela certificação, mas também correm o risco de perder participação de mercado se ficarem muito à frente da concorrência.

As criptomoedas verdes aumentarão no 2018 - e com elas, uma nova forma de financiamento que é tão transformadora quanto as emissões de ações comuns de seus dias. Isso virá de um casamento de tecnologias como blockchain e contratos inteligentes com melhores dados ambientais e interesses corporativos crescentes em aumentar o financiamento para investimentos em fronteiras verdes. Por sua vez, essas criptomoedas incentivarão a inovação e a liderança, recompensarão compras mais limpas e ajudarão a resolver algumas das questões políticas mais espinhosas.

Com blockchains, as informações da cadeia de suprimentos de diferentes setores econômicos podem ser agrupadas em um conjunto de dados confiável e global que é totalmente interoperável. Esse nível de especificidade (e transparência) tornará possível quantificar benefícios ambientais específicos - sejam combustíveis de jato limpos, proteínas verdes ou energia renovável - e transformá-los em mercadorias do mercado.

Esses dados serão incluídos nos “contratos inteligentes” já suportados pela Ethereum, por exemplo, que fornece um mecanismo de troca, não apenas de pagamentos, mas também as implicações do ciclo de vida dos processos de produção. O fato de a Enterprise Ethereum Alliance, uma aliança de blockchain de código aberto, ter atraído empresas como BP, Microsoft e UBS, também sinaliza sua prontidão para adoção generalizada.

As grandes empresas já estão usando blockchains para otimizar suas complexas cadeias de suprimentos. A mesma tecnologia também pode rastrear e gerenciar desempenhos ambientais e incorporar as informações - seja carbono evitado ou água economizada - em transações financeiras e outras. No outro extremo da cadeia de suprimentos, isso dará aos consumidores maior confiança na compra ecológica.

Os locais de trabalho se tornarão mais parecidos com a natureza. Nova sede da Amazon em Seattle, haverá biosferas com temperatura e umidade controladas, repletas de plantas raras e espaços de trabalho flexíveis para os funcionários.

Leia a história completa aqui…

Junte-se à nossa lista de endereços!


avatar
Subscrever
Receber por