Relatório: FBI espionou 3.3 milhões de americanos sem mandado

J. Edgar Hoover edifício do FBI. Wikimedia Commons
Compartilhe esta história!
O FBI cospe na cara do Congresso ao ignorar intencionalmente e conscientemente a violação de leis claramente documentadas. Além disso, o uso do FBI para realizar tais buscas aumentou em 250% sob a administração Biden. Dizer que o FBI foi armado contra o americano é um eufemismo. ⁃ Editor TN

Os principais republicanos da Câmara estão exigindo respostas do FBI depois que informações ordenadas pelo tribunal vieram à tona mostrando que a agência federal havia coletado as informações de mais de 3 milhões de americanos sem mandado.

Em uma carta de 25 de maio ao diretor do FBI, Christopher Wray, os representantes Jim Jordan (R-Ohio) e Mike Turner (R-Ohio) pediram a Wray para explicar por que sua agência havia grampeado e coletado informações pessoais de mais de 3.3 milhões de americanos sem mandado (pdf).

A autoridade limitada para coletar informações de inteligência estrangeira é concedida pela Lei de Vigilância de Inteligência Estrangeira (FISA).

Especificamente, a seção 702 do projeto de lei diz: “o Procurador-Geral (AG) e o Diretor de Inteligência Nacional (DNI) podem autorizar conjuntamente o direcionamento de (i) pessoas não americanas (ii) que se acredita razoavelmente estarem fora do Estados Unidos (iii) para adquirir informações de inteligência estrangeira”.

No entanto, esse poder pode conceder um círculo crescente de possíveis buscas ao FBI e outras agências de inteligência, que podem usar o mesmo poder contra cidadãos americanos que tiveram qualquer interação com estrangeiros visados.

Historicamente, a percepção de como a FISA foi usada contra cidadãos americanos tem sido limitada e escondida por trás de relatórios confidenciais.

No entanto, uma decisão de novembro de 2020 do Tribunal de Vigilância de Inteligência Estrangeira (FISC) – que atua como um cão de guarda para as agências de inteligência dos EUA – exigiu que o Escritório do Diretor de Inteligência Nacional (ODNI) informasse “o número de consultas de pessoas dos EUA realizadas pelo FBI contra informações adquiridas pela Seção 702.”

De acordo com esses novos requisitos, o recém-lançado Relatório Anual de Transparência Estatística da ODNI incluiu dados sobre a frequência com que o FBI coletou informações sobre cidadãos americanos usando a seção 702 em 2021.

No total, as consultas contra cidadãos dos EUA resultaram em 3,394,053 pesquisas. Em comparação, apenas 1,324,057 dessas consultas foram feitas em 2020, representando um aumento de cerca de 250% durante o primeiro ano do presidente Joe Biden no cargo.

De acordo com o ODNI, mais da metade dessas consultas - aproximadamente 1.9 milhão - faziam parte da investigação mais ampla de supostas tentativas russas de atingir ou enfraquecer a infraestrutura crítica dos EUA.

O relatório do ODNI também admitiu que, em pelo menos quatro ocasiões, o FBI não conseguiu a aprovação do FISC antes de acessar o conteúdo das informações coletadas sob a seção 702.

Esta não é a primeira vez que o FBI é pego em flagrante ultrapassando sua autoridade legal sob a seção 702.

Em novembro de 2020, o FISC anunciou que “o governo … relatou vários incidentes” nos quais o FBI revisou informações coletadas sob a seção 702 sem obter a devida permissão do tribunal.

Leia a história completa aqui…

Sobre o autor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado

5 Comentários
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários
Gregory Alan Johnson

O FBI sem carta (sem carta do Congresso ou disposição constitucional) ainda funciona sob o espírito do falecido John Edgar Hoover, um membro de alto escalão homossexual travesti da Ordem Maçônica. Então, em termos mais claros, o Diabo dirige o FBI e a maioria, se não todos, o resto do DHS também. Ficou grande demais para a população desta terra eliminar?

Kay

Que tal abrirmos uma ação coletiva contra eles?

Emil

Você teria que provar que foi uma das vítimas de escutas telefônicas ilegais e que, portanto, tem legitimidade para processar. Além disso, como o governo e suas agências geralmente são “imunes” a ações judiciais, pode ser mais difícil entrar com uma ação coletiva contra uma agência governamental. Todo o sistema precisa ser reformado, pois um dos principais controles sobre o poder do governo federal encontrado na Constituição dos EUA foi a noção de poderes enumerados. Ou seja, o governo federal só pode exercer os poderes especificamente previstos na Constituição, e qualquer poder... Leia mais »

[…] Leia mais: Relatório: FBI espionou 3.3 milhões de americanos sem mandado […]

[…] Leia mais: Relatório: FBI espionou 3.3 milhões de americanos sem mandado […]