Regionalismo: Iniciativas de regiões inteligentes anulam conselhos municipais

em brancoImagem: Regiões inteligentes
Compartilhe esta história!
image_pdfimage_print
As empresas de serviços públicos estão entrando na governança regional para facilitar a instalação e implementação da tecnologia de cidades inteligentes em toda a região. Observe que o artigo indica "co-liderança", o que significa que eles não são o principal fator de regionalização. ⁃ Editor TN

Graças à sua escala e infraestrutura, as concessionárias de energia elétrica podem desempenhar um papel central na criação de regiões inteligentes e colher os benefícios.

O surgimento de tecnologias de última geração, como Internet das Coisas (IoT), inteligência artificial (AI), 5G e ciência de dados, está pronto para transformar as cidades de hoje em cidades inteligentes avançadas. As empresas de serviços públicos, com sua infraestrutura crítica e serviços essenciais, estão bem posicionadas para co-liderar essa transformação.

Enquanto cidades inteligentes representam uma grande oportunidade de negócios para empresas de serviços públicos, “regiões inteligentes” são uma oportunidade mais significativa.

As cidades inteligentes empregam tecnologias digitais avançadas e ciência de dados para resolver problemas e criar novos resultados para seus residentes, empresas e visitantes. No entanto, alguns desafios são muito complexos e estão além do escopo e da capacidade de qualquer cidade e município de resolver. Isso inclui tráfego e mobilidade, gerenciamento da qualidade do ar e resiliência a riscos naturais e provocados pelo homem. Uma abordagem regional, combinada com tecnologias digitais inovadoras e ciência de dados, criará impactos em larga escala que antes não eram possíveis.

Os utilitários são construtores ideais de regiões inteligentes. Eles operam e atendem a grandes regiões geográficas que abrangem vários condados e centenas de cidades. Eles têm um profundo conhecimento do cliente e estabelecem relações com todas as cidades e municípios da região. Eles possuem infraestrutura, pessoal e instalações em toda a região. Mais importante, parte dessa infraestrutura existente, como postes de distribuição, iluminação pública e redes AMI, são plataformas ideais para criar novos serviços inteligentes de maneira rápida e econômica.

Enquanto cidades e municípios pensam em termos de suas próprias necessidades, as empresas de serviços públicos já trazem um foco mais regional e capacidade de execução. Suas organizações, processos operacionais, políticas e sistemas são construídos para apoiar as diversas necessidades das menores cidades e das maiores áreas metropolitanas.

À medida que a definição de região inteligente evolui, começam a surgir oportunidades de negócios para empresas de serviços públicos. Uma oportunidade de ponto de entrada é que as empresas de serviços públicos sejam um "provedor de serviços inteligentes" regional e ofereçam serviços de cidades inteligentes para cidades pequenas e médias. Essas cidades menores correm o risco de serem deixadas para trás porque carecem de conhecimentos, recursos, habilidades e fundos para transformar.

Essa oportunidade exige que a empresa de serviços públicos coloque sensores e controladores de IoT em seus postes, postes e torres e ofereça-os às cidades como um serviço de cidade inteligente gerenciado. Um exemplo é colocar controladores de iluminação pública (e dimmers) em postes de LED existentes e, em seguida, oferecê-lo à cidade como "iluminação de rua como serviço". Outros dispositivos urbanos inteligentes, como monitores de qualidade do ar, contadores / rastreadores de pedestres e veículos, câmeras, carregamento EV e sinalização digital, podem ser oferecidos como um serviço no futuro.

Nesta função, a empresa de serviços públicos aproveita sua escala regional, ativos de infraestrutura e capacidade de operação para preencher uma lacuna no mercado e se torna um ponto central para os serviços de cidades inteligentes.

Leia a história completa aqui…

Junte-se à nossa lista de endereços!


avatar
Subscrever
Receber por