Tratado da OMS busca controle total sobre a saúde global

Compartilhe esta história!
A Organização Mundial da Saúde, um representante mal disfarçado da Big Pharma e dos interesses corporativos que pressionam pela tecnocracia, está apostando em todos os mármores: criando um tratado global que cederia todo o poder à ONU / OMS para exigir injeções, passaportes de vacinas e vigilância total . ⁃ Editor TN

RESUMO DA HISTÓRIA

  • A cabala globalista quer monopolizar os sistemas de saúde em todo o mundo, e um ataque furtivo já está em andamento na forma de um tratado internacional de pandemia, proposto pela Organização Mundial da Saúde
  • O tratado é uma ameaça direta à soberania de uma nação para tomar decisões por si mesma e por seus cidadãos, e corroeria a democracia em todos os lugares. O tratado não apenas capacitaria a OMS a ordenar globalmente vacinas contra COVID e passaportes de vacinas, mas também poderia expandir o poder da OMS de ditar todas as políticas de saúde em todo o mundo.
  • O tratado também daria à OMS o poder de censurar informações de saúde em todo o mundo. Isso seria desastroso, pois a OMS tem um longo histórico de corrupção e falhas nas políticas de saúde que estão intrinsecamente ligadas a conflitos de interesse
  • Quando as pessoas são prejudicadas pelas políticas de saúde da OMS, não há responsabilização porque a OMS tem imunidade diplomática
  • Bill Gates, o segundo maior financiador da OMS, também tem financiado exercícios pandêmicos, incluindo o Evento 201 e o exercício da Iniciativa Ameaça Nuclear sobre resposta internacional a eventos biológicos deliberados. Esse cenário envolveu a liberação deliberada de uma arma biológica geneticamente modificada – uma praga pneumônica – para a qual não há tratamento disponível. Ambos os exercícios foram realizados em 2019

A cabala globalista quer monopolizar os sistemas de saúde em todo o mundo, e um ataque furtivo já está em andamento na forma de um tratado internacional de pandemia.1 As negociações para este tratado começaram em 3 de março de 2022.2 Conforme relatado pelo The Pulse (vídeo acima):

“Vindo da pandemia de COVID-19, a Organização Mundial da Saúde está propondo um novo tratado de pandemia que espera que seja aceito por países membros suficientes para se tornar realidade até 2024.”

De acordo com o diretor-geral Tedros Adhanom Ghebreyesus, “eu primeiro” aborda “impede a solidariedade global necessária” para enfrentar as ameaças globais. A solução dele? Dê à OMS todo o poder.

Nos últimos dois anos, em nome de manter todos “seguros” de infecções, os globalistas justificaram ataques sem precedentes à democracia, liberdades civis e liberdades pessoais, incluindo o direito de escolher seu próprio tratamento médico. Agora, a OMS quer tornar permanente sua liderança pandêmica e estendê-la aos sistemas de saúde de todas as nações.

Tratado ameaça a soberania nacional

Conforme observado pelo The Pulse, “há várias coisas no tratado que as pessoas do mundo precisam considerar antes de seguir esse caminho”. No vídeo em destaque, Joe Martino, do The Pulse, entrevista Shabnam Palesa Mohamed, membro do comitê diretor do Conselho Mundial de Saúde, que aponta que o tratado dá à OMS:

“… uma quantidade excessiva de poder para tomar decisões em países soberanos sobre como as pessoas vivem e como lidam com pandemias, de bloqueios a mandatos sobre tratamento.”

Em suma, criaria uma abordagem única para todas as doenças, sem levar em conta todas as diferentes situações encontradas em cada país, e isso é algo que já sabemos que não funciona. O tratado é uma ameaça direta à soberania de uma nação para tomar decisões por si mesma e por seus cidadãos, e corroeria a democracia em todos os lugares.

Ao mesmo tempo, custaria a cada país membro milhões de dólares para participar desse processo. Conforme explicado por Mohamed, o tratado precisará passar por um processo de votação na Assembleia Mundial da Saúde em 2023. Eles precisam da maioria para que seja aprovado e, se aprovado, todos os países membros estarão vinculados a ele.

O Tratado é 'Inválido e Ilegal'

Outra preocupação levantada por Mohamed é que muitos países ainda nem sabem sobre esse tratado, e é possível que a OMS tente pressionar por uma implementação anterior a 2024 – tudo sem participação ou contribuição pública. “É antidemocrático, é inconstitucional e, portanto, torna o tratado inválido e ilegal”, diz ela.

Ela também destaca o histórico de corrupção da OMS e muitas falhas nas políticas de saúde, que estão “intrinsecamente ligadas a conflitos de interesse”. Em uma carta aberta sobre o tratado de pandemia da OMS, o Conselho Mundial de Saúde escreve, em parte:3

“O acordo proposto pela OMS é desnecessário e é uma ameaça à soberania e aos direitos inalienáveis. Aumenta o poder sufocante da OMS de declarar pandemias injustificadas, impor bloqueios desumanizantes e aplicar tratamentos caros, inseguros e ineficazes contra a vontade do povo.

O WCH [Conselho Mundial para a Saúde] acredita que as pessoas têm o direito de participar de qualquer acordo que afete suas vidas, meios de subsistência e bem-estar.

No entanto, a OMS não se engajou em um processo de participação pública, o que evidencia que sua prioridade é conquistar mais poder para si e seus cúmplices corporativos, do que servir aos interesses do povo. Sem um processo democrático imparcial, qualquer acordo da OMS, agindo por meio das Nações Unidas, será ilegal, ilegítimo e inválido.

Historicamente, a liderança da OMS falhou com o povo. Entre muitos exemplos, aprovou a vacina prejudicial H1N1 (gripe suína) para uma pandemia declarada de forma controversa.

Da mesma forma, a OMS falhou durante o capítulo COVID-19, pois encorajou bloqueios, suprimiu tratamentos preventivos precoces e recomendou intervenções de produtos que provaram ser nem seguras nem eficazes.

A OMS não pode controlar a agenda mundial de saúde, nem impor a biovigilância. Embora receba financiamento de fontes públicas pertencentes ao povo, está preso em um conflito de interesses perpétuo porque também recebe financiamento substancial de interesses privados que usam suas contribuições para influenciar e lucrar com as decisões e mandatos da OMS.

Por exemplo, a Fundação Gates e a aliança de promoção de vacinas GAVI, financiada por Gates, contribuem com mais de US$ 1 bilhão por ano”.

Outra preocupação é o fato de que quando as pessoas são prejudicadas pelas políticas de saúde da OMS, não há responsabilização porque a OMS tem imunidade diplomática. De acordo com Mohamed, “a OMS não deveria tomar NENHUMA decisão sobre a saúde mundial no futuro”.

O poder supremo

Conforme observado por Martino, embora o tratado afirme estar focado no planejamento e nas respostas à pandemia, há uma séria preocupação de que ele possa ser expandido para cobrir também outras áreas da saúde. Mohamed concorda, dizendo que poderia ser expandido, usando a constituição da OMS como base para essa expansão. O artigo 2º da constituição da OMS afirma:

“Para atingir seu objetivo, as funções da Organização serão: a) atuar como autoridade diretora e coordenadora do trabalho internacional de saúde... …

s) estabelecer e revisar conforme necessário nomenclaturas internacionais de doenças, de causas de morte e de práticas de saúde pública... v) em geral tomar todas as medidas necessárias para atingir o objetivo da Organização.”

Seu poder já é muito significativo, e o objetivo de transformar a OMS em uma ditadura da saúde global está praticamente escrito em sua constituição. Além disso, lembre-se de que a OMS removeu a especificidade de vítimas em massa da definição de pandemia, então agora uma pandemia pode ser praticamente qualquer doença que ocorra em vários países. Mesmo a obesidade poderia teoricamente se qualificar. Assim, a OMS poderia reivindicar poder sobre os sistemas de saúde de várias maneiras, se tivesse oportunidade.

Tratado concederia poderes à OMS para ordenar passaportes de vacinas

Enquanto a maior parte do mundo está mais do que pronta para seguir em frente, a OMS parece não querer desistir. Um funcionário da OMS disse recentemente ao Ottawa Citizen que a pandemia de COVID ainda está “longe de terminar”.4

A razão para essa relutância em declarar o fim da pandemia é provavelmente porque a OMS espera ganhar o poder de exigir passaportes de vacinas e vacinas COVID em todo o mundo. Já está trabalhando na criação de um programa global de passaporte/identidade digital para vacinas. Conforme relatado por WEBLYF:5

“Sob o disfarce de uma 'rede de confiança', outra iniciativa chamada Vaccination Credential Initiative (VCI) também está ganhando força.

Em parceria com grandes empresas de tecnologia, grandes corporações e grandes universidades, a VCI se descreve como 'uma coalizão voluntária de organizações públicas e privadas comprometidas em capacitar indivíduos com acesso a informações clínicas verificáveis, incluindo uma cópia confiável e verificável de seus registros de vacinação em papel ou digital formulário usando padrões abertos e interoperáveis.'

Os SMART Health Cards da VCI, conforme relatado pela Off-Guardian, já são implementados por '25 estados da América, além de Porto Rico e DC, e se tornaram o passaporte nacional de fato dos EUA'. Conforme explicado no artigo:

“O governo dos EUA, ao contrário de muitos países europeus, não emitiu seu próprio passaporte oficial de vacina, sabendo que tal medida irritaria o público norte-americano mais libertário, para não mencionar se envolver na questão da lei estadual versus federal.

Os cartões SMART permitem contornar esse problema. Eles são tecnicamente implementados apenas por cada estado individualmente por meio de convênios com a VCI, que é tecnicamente uma entidade privada. No entanto, como os cartões SMART são financiados indiretamente pelo governo dos EUA, sua implementação em todos os estados os torna um padrão nacional em tudo, menos no nome.'”

Tribos Unidas da Nova Zelândia denunciam o Tratado da OMS

Conforme observado pelo NZDSOS,6 “É assim que queremos viver nossas vidas? Constantemente a mando de indivíduos e corporações obscuras que monitoram todos os nossos movimentos e determinam o que podemos e não podemos fazer, até comprar comida?”

Em uma carta formal de notificação à OMS e ao Conselho Executivo da Assembleia Mundial da Saúde, o governo de Aotearoa Nu Tireni, na Nova Zelândia, denunciou fortemente este e qualquer outro tratado que desafie a soberania nacional:7

“… você é formalmente notificado de que o governo Wakaminenga Māori de Aotearoa Nu Tireni/Nova Zelândia não consente de forma alguma com nenhum tipo de tratado internacional de pandemia sob a OMS ou sua assembleia. Qualquer construção será anulada ab initio.

Nós, como tribos unidas e chefes hereditários, representamos o único governo legítimo atual na Nova Zelândia. O atual governo da Nova Zelândia representado por Jacinda Ardern é um governo ilegítimo porque é uma corporação (SEC CIK #0000216105) listada na Comissão de Segurança e Câmbio dos EUA como Sua Majestade a Rainha em Direito da Nova Zelândia.8,9

De acordo com a Clearfield Trust Doctrine, uma corporação não tem nenhum direito implícito de governar um povo soberano. Por meio deste, registramos nosso voto de desconfiança nas ações ou autoridade da corporação que se apresenta ilegalmente como governo em nosso território.

Este governo ilegal de Ardern e seus ministros são acusados ​​pela Sociedade Jurídica Nga Tikanga Māori e pelo Governo Wakaminenga Maori de Nu Tireni de genocídio, crimes de guerra e crimes contra a humanidade relacionados ao seu desrespeito intencional pelo sofrimento e perda de vidas resultantes de sua ilegalidade resposta à arma biológica projetada conhecida como COVID-19 e à administração forçada ilegal de um veneno ao nosso povo e à experimentação médica forçada.

Também acusados ​​de crimes graves relacionados a uma resposta pandêmica, a OMS e o Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus não têm legitimidade ou autoridade para formar qualquer acordo vinculativo relacionado a uma resposta pandêmica, em qualquer jurisdição e ordenamos que essas tentativas cessem e desistam imediatamente pendentes o resultado dessas acusações de acordo com os estatutos de Roma 6, 7 e 8, arquivados no Tribunal Penal Internacional em 6 de dezembro de 2021 …

Você é orientado a cessar e desistir de discussões ou negociações com o ilegal Arden Government, uma NZ Corporation, conhecida como Sua Majestade Rainha em Direito da Nova Zelândia. O Governo Wakaminenga Maori de Aotearoa Nu Tireni reserva-se o direito de discutir/negociar com qualquer parceiro internacional de sua escolha, incluindo o Conselho Mundial de Saúde (WCH).”

Tratado criaria censura global de informações de saúde

O tratado também daria à OMS o poder de censurar informações de saúde em todo o mundo. Na página do Conselho Europeu que discute o tratado de pandemia, sob o título “Restaurando a confiança no sistema internacional de saúde”, afirma:10

“O acordo… estabelecerá as bases para uma melhor comunicação e informação aos cidadãos. A desinformação ameaça a confiança do público e corre o risco de minar as respostas de saúde pública. Para resgatar a confiança dos cidadãos, medidas concretas devem ser previstas para melhorar o fluxo de informações confiáveis ​​e precisas, bem como para combater a desinformação globalmente.”

Em outras palavras, sob este tratado, podemos esperar uma censura ainda maior do que experimentamos até agora. As empresas de tecnologia já provaram onde está sua lealdade, e não com o público.

Google, Facebook, Twitter, Instagram e outros desplataram quase todos que publicam informações de saúde que contrariam o que a OMS está dizendo, dados do mundo real e fatos verificáveis ​​que se danem. As plataformas financeiras também baniram pessoas pelo mesmo motivo. Agora imagine que existe uma lei internacional vinculante que torna toda essa censura obrigatória.

Seu manual foi revelado em 2019

Oficialmente, a Fundação Bill & Melinda Gates é o segundo maior financiador da OMS, perdendo apenas para o governo dos EUA,11 mas as contribuições combinadas da Fundação Gates e da GAVI fizeram de Gates o principal patrocinador não oficial da OMS a partir de 2018.12

Gates também tem financiado exercícios de pandemia, incluindo o Evento 201,13 realizada em 18 de outubro de 2019, que ganhou notoriedade por suas “previsões” extraordinárias e precisas da pandemia de COVID poucos meses antes de ser declarada. Outros co-patrocinadores incluíram o Fórum Econômico Mundial e a Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg.

No entanto, no início daquele ano, 14 de fevereiro de 2019, Gates também financiou o exercício pandêmico da Nuclear Threat Initiative (NTI) para líderes globais seniores sobre resposta internacional a eventos biológicos deliberados, que ocorreram em Munique, na Alemanha.14,15

O NTI foi fundado para avaliar e reduzir as ameaças associadas à proliferação de armas nucleares,16 mas desde então eles se expandiram para incluir ameaças biológicas.17 Gates também concedeu subsídios ao NTI para o desenvolvimento de vacinas em relação a ameaças biológicas.18

Enquanto o Evento 201 apresentou um surto fictício de coronavírus, o exercício do NTI envolveu resposta a “eventos biológicos deliberados e de alta consequência”. Em outras palavras, uma liberação deliberada de uma arma biológica geneticamente modificada – neste caso, uma peste pneumônica – para a qual não há tratamento disponível. Este cenário de exercício foi o primeiro de seu tipo. O vídeo acima apresenta um resumo do exercício de quatro fases.

Curiosamente, em meados de novembro de 2019, The Guardian, The New York Times,19 O Washington Post20 e outros relataram que duas pessoas na China foram de fato diagnosticadas com peste pneumônica.21

Além da Fundação Bill & Melinda Gates, o evento NTI foi patrocinado pelo Wellcome Trust, o “braço filantrópico” da GlaxoSmithKline e investidor na Vaccitech, que detém as patentes do jab COVID da AstraZeneca.22 Tanto Gates quanto Wellcome fazem parte da rede globalista tecnocrática que está impulsionando o The Great Reset.

Outro patrocinador foi a Universidade de Georgetown,23 que também organizou a biblioteca de tratamentos COVID-19 do Fórum Econômico Mundial (principalmente focada em antivirais e injeções de transferência de genes COVID).24

A curadoria foi feita por três professores da Universidade de Georgetown e Rebecca Katz, diretora do Centro de Georgetown para Ciência e Segurança da Saúde Global.25 Katz também está listado como autor no artigo do NTI,26 “A Spreading Plague: Lessons and Recommendations for Responding to a Deliberate Biological Event”, publicado em junho de 2019, no qual analisam as conclusões alcançadas a partir desse exercício de fevereiro de 2019.

'Uma praga se espalhando'

Juntos, esses dois exercícios pandêmicos – ambos patrocinados por Gates – formam um manual de como configurar um ataque biológico e depois esconder a verdade do mundo para que você possa não apenas lucrar com isso no curto prazo, mas também centralizar poder, transferir permanentemente a riqueza e mudar a ordem social e financeira ao seu próprio gosto no processo.

Não surpreendentemente, vários participantes do Evento 201 também participaram do exercício do NTI,27 e ocupar cargos em instituições tecnocráticas como Wellcome, a OMS e o Fórum Econômico Mundial.

O evento 201, em particular, se concentrou não em encontrar remédios e salvar vidas, mas em como controlar a “desinformação”. A grande maioria desse exercício centrou-se na criação de propaganda e censura eficazes. Da mesma forma, “A Spreading Plague” também inclui a recomendação de alistar empresas privadas como “ativos” para realizar as licitações globalistas:28

“Em 2019 e 2020, organizações internacionais, incluindo a OMS, UNODA [Escritório das Nações Unidas para Assuntos de Desarmamento] e o Fórum Econômico Mundial, devem convocar empresas do setor privado para identificar lacunas e próximos passos concretos para fortalecer a capacidade das empresas de fornecer ativos para ajudar na resposta internacional a ataques biológicos deliberados e outros eventos biológicos de alta consequência”.

No cenário do NTI - no qual um país fictício chamado Carta é encontrado por ter projetado e lançado uma arma biológica no país vizinho de Vestia - também vemos paralelos curiosos com as acusações atuais da Rússia, que afirma que a pesquisa de armas biológicas estava sendo conduzida na Ucrânia, necessitando de ação defensiva.

Em suma, o exercício de mesa do NTI apenas aumenta a pilha de evidências que sugere que a pandemia de COVID foi premeditada e pré-planejada para fins financeiros e geopolíticos. Foi uma tomada de poder.

O tratado de pandemia com a OMS é exatamente o que o Fórum Econômico Mundial e seus aliados precisam agora, pois colocará a cabala tecnocrática firmemente no comando da biossegurança de todo o mundo e os capacitará a implementar o restante da agenda do Grande Reinicialização.

Você pode saber mais sobre The Great Reset no site do Fórum Econômico Mundial29,30 e no livro de Klaus Schwab, “COVID-19: The Great Reset”31 (mas você pode querer revisar os comentários extremamente negativos na Amazon primeiro).

Conforme observado em um artigo do Fórum Econômico Mundial de 21 de julho de 2020,32 a devastação econômica causada pelas paralisações da pandemia de COVID-19 “tem o potencial de prejudicar a prosperidade global para as próximas gerações”. A resposta, de acordo com o Fórum Econômico Mundial, é que os países garantam que o sistema econômico seja “reconstruído melhor”.

Não se engane, este slogan cativante é parte integrante do plano Great Reset e não pode ser separado dele, não importa o quão altruísta possa parecer. Parte da “reconstrução melhor” é mudar o sistema financeiro para um sistema monetário totalmente digital controlado centralmente, vinculado a um passaporte de vacina e/ou sistema de identidade digital.

Juntos, eles formarão um sistema generalizado de controle social, pois os comportamentos desejados podem ser incentivados e os indesejados desencorajados pela perda de vários “privilégios”, incluindo o acesso às suas próprias finanças. A moeda digital pode até ser programada pelo emissor para que possa ser usada apenas para determinados tipos de compras ou despesas.

Embora seja muito difícil parar esse trem descontrolado que é o The Great Reset, parte de nossa defesa é se opor e impedir que o tratado de pandemia da OMS se torne realidade, pois perderemos nossa soberania nacional se isso acontecer.

Fontes e Referências

1 Reuters, 26 ° de novembro de 2021

2, 10 Conselho Europeu, Tratado sobre Prevenção e Preparação para Pandemias

3 Carta Aberta do Conselho Mundial de Saúde março de 2022

4 Cidadão de Ottawa 18 de março de 2022

5 Weblyf março de 2022

6, 7 NZDSOS 18 de março de 2022

8 Comissão de Segurança e Câmbio dos EUA como Sua Majestade a Rainha em Direito da Nova Zelândia

9 SEC CIK #0000216105

11 Informações Suíças 10 de maio de 2021

12 O Defensor 7 de setembro de 2021

13 Evento 201 do Centro de Segurança da Saúde

14 NTI 14 de fevereiro de 2019

15 NTI 13 de junho de 2019

16 Ameaças Nucleares do NTI

17 Ameaças Biológicas do NTI

18 Iniciativa Nacional de Ameaças da Fundação Gates

19 New York Times 13 de novembro de 2019

20 Washington Post, 13 de novembro de 2019

21 The Guardian 13 de novembro de 2019

22 O Relatório Corbett 24 de fevereiro de 2021

23 Exercício de mesa da Universidade de Georgetown sobre resposta internacional a eventos biológicos deliberados

24, 25 Tratamentos do WEF COVID-19 com curadoria da Universidade de Georgetown

26 Uma praga se espalhando: lições e recomendações para responder a um evento biológico deliberado junho de 2019

27 Uma praga se espalhando: lições e recomendações para responder a um evento biológico deliberado Junho de 2019, Lista de participantes Página 8

28 Uma praga se espalhando: lições e recomendações para responder a um evento biológico deliberado Junho de 2019, página 17

29 WEF A Grande Reinicialização

30 Destaques do WEF The Great Reset

31 COVID-19: A Grande Reinicialização (PDF)

32 Fórum Econômico Mundial 21 de julho de 2020

Sobre o autor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado

9 Comentários
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários

[…] Leia o artigo original […]

Dag

A OMS também proibirá armas pessoais, pois afetam negativamente a “saúde”.

James Reinhart

A certificação do programa de identificação de vacinação que é todo feito em silicone e adere às mentiras da teoria do germe, há muito refutada, deve remover todos os membros e eliminar a OMS de uma vez.

Ren

Boa. Você se livrar da Organização Mundial da Saúde.

Anne

Com base no histórico da OMS até agora. Não consigo visualizá-los oferecendo nada além de mais do mesmo com esteróides. Duvido que qualquer indivíduo teria a opção de optar por sair. Suspeito que “medicamentos e tratamentos” seriam forçados a pessoas saudáveis ​​ou não. A medicina da espingarda descreveria esse sistema. Nos últimos meses. Ouvi falar de pessoas que precisaram de transplantes de rim, fígado e coração que foram negados porque não concordaram em tomar uma vacina de covid. Assim, com base na atual política de regras da máfia, sistemas financeiros e de saúde já em vigor. Apenas... Leia mais »

John Coster

A OMS tem sido um veículo para corrupção, má ciência e um ataque à soberania nacional. Um de seus principais impulsionadores e financiadores, Bill Gates, exemplifica o perigo que esta organização representa para todos nós. Ele tem pouca compreensão da ciência evolutiva em seu nível mais básico e arrogantemente promove a medicina autoritária baseada no lucro, ignorando as complexidades e inúmeras incógnitas no coração da biologia. Ele conseguiu comprar influência com seu dinheiro, mas não conseguiu comprar sabedoria ou compreensão de por que a ética é uma adaptação crítica sem a qual a humanidade... Leia mais »

[…] decidiu estabelecer um corpo de negociação intergovernamental para redigir e negociar o Acordo de Preparação para Pandemia da OMS. De acordo com a Health Policy Watch, o acordo terá como objetivo remediar “[...]

[...] http://www.technocracy.news/who-treaty-seeks-total-control-over-global-health/), Digi 24 atacă la comandă, această formaţiune, considerată, ce-i drept, ca un cui în […]