Privatização leva trabalhadores gregos a sair

Nota: A Grécia foi forçada a privatizar (vender) os principais ativos nacionais como condições para receber financiamento de resgate da UE. Os trabalhadores são veementemente contra o acordo, porque perderão o controle sobre a operação portuária.

Os trabalhadores portuários gregos saíram na quinta-feira em protesto contra as privatizações planejadas dos dois maiores portos do país, uma condição de um resgate de bilhões de euros de credores internacionais.

A definição de uma data para a apresentação de propostas vinculativas para os portos de Pireu e Salônica é uma das ações necessárias para Atenas concluir sua primeira revisão de resgate e liberar mais fundos para o resgate de um bilhão de euros da 86.

Funcionários do Ministério da Navegação disseram que a ação industrial não parecia atrapalhar o tráfego nos portos.

Uma declaração do sindicato dos trabalhadores das docas prometeu evitar privatizações e acusou o governo de tentar vender para “monopólios de propriedade estrangeira”.

"Os portos devem ser desenvolvidos utilizando capital próprio, através de linhas de crédito e aproveitando os fundos da União Européia", afirmou. Os chefes de missão dos credores estão em Atenas para avaliar o cumprimento dos termos do resgate.

O Cosco Group da China, a operadora dinamarquesa de terminais de contêineres APM Terminals e a International Container Terminal Services, com sede nas Filipinas, que foram pré-selecionados em um processo de manifestação de interesse, têm até outubro de 30 para apresentar propostas vinculativas para uma participação de porcentagem da 51 na OLP.

Leia a história completa aqui…