A energia solar pode administrar o mundo compensando o déficit de energia?

Compartilhe esta história!
image_pdfimage_print

Nota: Qualquer um que acredite que a energia solar possa compensar o déficit de energia depois de matar propositalmente fontes de energia baseadas em carbono está mentindo descaradamente ou acreditando ingenuamente em uma mentira. Não há verdade a ser encontrada em nenhum lugar dessa afirmação. Este artigo aponta alguns fatos relevantes sobre as falhas fatais da energia solar.

Para muitos ambientalistas, a energia solar se tornou o padrão de salvação ambiental.

Desde o 1880, as temperaturas globais médias aumentaram cerca de 1.4 ˚ F. As emissões de gases de efeito estufa causadas pelo homem na forma de dióxido de carbono e, em menor grau, o metano e outros gases menores, contribuíram para esse aumento, embora seu significado final nas alterações de temperatura seja debatido.

Os ambientalistas prevêem o aquecimento global catastrófico como conseqüência da dependência humana de combustíveis de hidrocarbonetos, como carvão, petróleo e gás natural, exortam a rápida transição para fontes de energia 'verdes' alternativas, como vento, geotérmica e biocombustível. A energia solar, no entanto, permanece na vanguarda da revolução da energia verde como o arauto para um futuro sustentável.

Então, qual é a verdade sobre a viabilidade da energia solar para a sociedade moderna?

Uma análise mais detalhada da indústria solar revela vários fatores evitados da discussão principal sobre energia verde. Uma consideração séria é o uso da água de usinas de energia solar, especialmente dada a localização comum de campos solares em climas áridos e desérticos, ideais para a exposição ao sol. A planta solar média requer milhões de galões de água para processos de resfriamento, preferidos a opções de resfriamento a seco mais caras e menos eficientes.

Millenium Solar, uma empresa solar alemã que planeja a instalação de duas usinas em Nevada, exigirá 1.3 bilhões de galões de água anualmente, ou 20% do suprimento de água da região. É necessária água adicional para limpar os painéis pelo menos duas vezes por ano de poeira acumulada. A demanda pelo abastecimento de água é especialmente prejudicial aos estados ocidentais que já enfrentam secas severas e restrições de água.

A energia solar também custará inúmeros empregos no setor de energia. Um estudo encomendado pela Universidade de Juan Carlos e pelo Instituto Juan de Mariana revelou que, na promoção de recursos renováveis, Espanha gastou o equivalente a US $ 633,000 por trabalho em energia verde desde o 2000. Somente 10% dos “empregos verdes” são permanentes, deixando as reivindicações dos ambientalistas por emprego amplamente transparentes. Ainda mais importante, na Espanha, cada trabalho verde eliminou os empregos 2.2 em outros setores de energia, como a indústria de gás natural.

Os déficits de emprego, instigados pelo setor de energia verde, não estão isolados na Espanha. A Alemanha, líder na revolução energética, estabeleceu “expedição prioritária”Para fontes de eletricidade renováveis, priorizando a distribuição de energia de fontes verdes antes de fontes convencionais. Essa priorização exclui inerentemente as usinas movidas a carvão e gás natural, impedindo operações lucrativas, eliminando empregos e diminuindo a produção cumulativa de energia à medida que as usinas convencionais são expulsas do mercado.

Ironicamente, devido à irregularidade inerente à produção de energia renovável (o sol não brilha ou o vento não sopra), o governo alemão foi forçado a emitir 'pagamentos de capacidade' para garantir que usinas não verdes suficientes permaneçam operacionais suprir déficits de energia e fornecer fontes de energia de reserva, o que equivale a um duplo subsídio. Além disso, as usinas solares padrão incluem sistemas de geração movidos a gás natural para complementar a rede elétrica quando a produção é insuficiente devido ao clima.

O Instituto Fraunhofer para sistemas de energia solar O ISE conduziu um estudo da produção alemã de energia solar e eólica na 2012, o que reforça a irregularidade da energia verde em comparação com as fontes convencionais. A produção solar mensal (p. 13) demonstra que a produção de energia fotovoltaica varia muito ao longo de um ano, produzindo até 4 terawatt-hora durante os meses de verão, mas tão baixa quanto 0.44 TWh no inverno.

As fontes de energia convencionais, por outro lado, têm em média uma produção constante de 30 TWh anualmente (p. 15). Quando comparado à produção de energia de fonte convencional, a energia solar e eólica formam menos de 15% do potencial total de energia produzida anualmente (p. 17).

Em outras palavras, mesmo se uma rede de energia verde pudesse ser desenvolvida para toda a nação, permaneceríamos dependentes de carvão e gás natural para apoiar a economia de energia.

O que está claro é que, sem enormes subsídios e incentivos governamentais, a indústria verde como a solar simplesmente não é viável o suficiente para ser competitiva na indústria de energia.

Leia a história completa aqui…

Junte-se à nossa lista de endereços!


avatar
Subscrever
Notificar a