Pesquisa: Mais de 70% dos EUA tem medo de que robôs tomem conta de nossas vidas

Linkedin
Compartilhe esta história!
image_pdfimage_print

Setenta e cinco por cento do público americano entende que máquinas que substituem humanos aumentarão a desigualdade entre ricos e pobres. Os tecnocratas estão validando seus medos pressionando a Renda Básica Universal por 'desempregados'. Os tecnocratas inventam porque podem, não porque é inteligente fazê-lo. TN Editor

O Vale do Silício celebra a inteligência artificial e a robótica como campos que têm o poder de melhorar a vida das pessoas, através de invenções como carros driverless e cuidadores de robôs para idosos.

Essa mensagem não está chegando ao resto do país, onde mais de 70% dos americanos expressam cautela ou preocupação com um mundo em que as máquinas executam muitas das tarefas realizadas por seres humanos, de acordo com a Pew Research.

Os resultados têm implicações abrangentes para as empresas de tecnologia que trabalham nesses campos e indicam a necessidade de maior participação pública.

"Os americanos comuns são muito cautelosos e preocupados com a tendência crescente da automação e valorizam muito a tomada de decisões em seres humanos", disse Aaron Smith, autor da pesquisa, que pesquisou mais de adultos americanos da 4,000. "Eles não estão incrivelmente empolgados com as máquinas que assumem essas responsabilidades".

A Pew avaliou a percepção pública das tecnologias de automação, apresentando aos entrevistados quatro cenários, incluindo o desenvolvimento de carros driverless; um futuro em que máquinas substituem muitos empregos humanos; a possibilidade de cuidadores de robôs autônomos; e a possibilidade de um programa de computador avaliar e selecionar candidatos a emprego sem supervisão humana.

De acordo com as descobertas, o 72% dos americanos está muito ou um pouco preocupado com um futuro em que robôs e computadores são capazes de realizar muitos trabalhos humanos - mais do que o dobro do 33% de pessoas que estavam entusiasmadas com a perspectiva. Setenta e seis por cento estão preocupados com o fato de a automação de empregos exacerbar a desigualdade econômica e uma parcela semelhante (75%) antecipar que a economia não criará muitos empregos novos e com melhores salários para os trabalhadores humanos que perdem seus empregos em máquinas.

Um dos exemplos mais visíveis de automação que provavelmente atrapalhará a vida cotidiana são os veículos sem motorista. Há um amplo acordo entre os defensores da tecnologia de que carros sem motorista serão mais seguros do que aqueles dirigidos por seres humanos, que geralmente são distraídos, bêbados ou adormecem ao volante.

...

Outra descoberta inesperada foi a oposição veemente aos robôs que tomam decisões de contratação, apesar de essa tecnologia já estar começando a entrar no processo de contratação bem como outras áreas como avaliação de indivíduos para empréstimos or liberdade condicional da prisão. Os defensores dizem que o uso da IA ​​pode tornar essas decisões menos tendenciosas, mas o público não está convencido.

Leia a história completa aqui…

Junte-se à nossa lista de endereços!


avatar
Subscrever
Notificar a