O objetivo da censura COVID-19: não permita 'os dois lados do argumento'

Centro de Inovação em Aprendizado da Edge Hill University. Por Edge Hill University - https://www.flickr.com/photos/edgehilluniversity/6955277595/, CC BY-SA 2.0
Compartilhe esta história!
Os acadêmicos têm articulado claramente o modus operandi para a censura em massa de visões opostas: quando “a ciência nos diz que há apenas um lado”, então “evite apresentar 'ambos os lados do argumento'”. Este é o auge do Cientismo e da Tecnocracia, e explica completamente por que os críticos do COVID-19 estão sendo 'cancelados'.

Isso também explica quem está no controle de toda a narrativa do COVID-19, a saber, os tecnocratas. Também demonstra que a Mudança Climática e o 'Grande Pânico de 2020' estão sendo administrados pela mesma multidão. O tumulto marxista nas ruas das grandes cidades é apenas uma cortina de fumaça para afastar o foco desses malucos que estão adorando no altar da pseudociência. A América deve rejeitar essa ideologia maligna e destrutiva antes que o dano à sociedade se torne permanente. ⁃ Editor TN

As mudanças climáticas e o COVID-19 são as duas crises mais significativas enfrentadas pelo mundo moderno - e as mudanças generalizadas de comportamento são essenciais para lidar com ambos. Isso significa que as mensagens oficiais do governo e de outras autoridades são críticas. Para ter sucesso, os líderes precisam comunicar eficazmente a ameaça grave e obter altos níveis de conformidade pública, sem causar pânico indevido.

Mas a extensão em que as pessoas obedecem depende de seus filtros psicológicos ao receber as mensagens - como a pandemia de coronavírus demonstrou.

Com o COVID-19, as primeiras mensagens tentaram circunscrever a natureza da ameaça. Em março, o OMS anunciou que: “O COVID-19 afeta os idosos e aqueles com condições de saúde pré-existentes mais severamente.” Declarações semelhantes foram feitas pelo governo do Reino Unido.

E para evitar o viés do otimismo, também precisamos evitar apresentar “os dois lados do argumento” na mensagem - a ciência nos diz que existe apenas um lado.

Uma interpretação razoável disso seria que o vírus não "afeta" os jovens. Porém, à medida que novos dados clínicos chegaram, essa mensagem foi alterada para enfatizar que o vírus poderia afetar pessoas de todas as idades e não discrimina.

Mas os seres humanos não são necessariamente inteiramente racionais em termos de processamento de informações. A psicologia experimental descobriu muitas situações em que nosso raciocínio é, de fato, limitado ou tendencioso.

Por exemplo, um processo mental chamado "heurística do afetado" nos permite tomar decisões e resolver problemas de maneira rápida e (com freqüência) eficiente, mas com base em nossos sentimentos, e não na lógica. O viés demonstrou influenciar ambos julgamentos de risco e comportamento. Para o COVID-19, as mensagens oficiais teriam estabelecido uma reação menos negativa nos jovens em comparação aos idosos. Isso os tornaria mais propensos a correr mais riscos - mesmo quando novos dados oficiais sobre os riscos reais chegassem. Os pesquisadores chamam isso de "entorpecimento psicofísico".

Outro obstáculo mental é viés de confirmação. Isso nos torna cegos aos dados que discordam de nossas crenças, tornando-nos excessivamente atentos às mensagens que concordam com elas. Ela influencia (entre outras coisas) a atenção visual automática para certos aspectos das mensagens. Em outras palavras, se você é jovem, pode, sem qualquer consciência, prestar pouca atenção visual às notícias de que o vírus é grave para pessoas de todas as idades.

A mensagem positiva inicial para os jovens também criou um “viés de otimismo”. Esse viés é muito poderoso - conhecemos vários mecanismos cerebrais que podem garantir que um humor positivo persista. Um estudo descobriu que as pessoas tendem a ter uma nível reduzido de codificação neural de informações mais negativas do que antecipadas (em comparação com informações mais positivas do que antecipadas) em uma região crítica do córtex pré-frontal, envolvida na tomada de decisões. Isso significa que tendemos a perder as más notícias recebidas e, mesmo se não o fizermos, dificilmente as processamos.

Todos esses preconceitos afetam nosso comportamento, e há evidências claras de que os jovens provavelmente não cumprirão as diretrizes do governo sobre o COVID-19. Uma pesquisa realizada em 30 de março pela empresa de pesquisas Ipsos MORI descobriu que quase o dobro As crianças de 16 a 24 anos apresentaram baixa ou limitada preocupação com o COVID-19 em comparação com adultos com 55 anos ou mais. O grupo mais jovem também teve quatro vezes mais chances de ignorar os conselhos do governo que os idosos.

Lições para mudanças climáticas

Nossa própria pesquisa mostrou que preconceitos cognitivos significativos também funcionam com mensagens sobre mudanças climáticas. Um é o viés de confirmação - aqueles que não acreditam que a mudança climática é uma ameaça real simplesmente não recebem mensagens dizendo que é.

Além disso, diferentemente das mensagens de coronavírus, a maioria das mensagens de mudança climática acentua inadvertidamente o que chamamos de preconceitos "temporais" e "espaciais". A campanha do governo do Reino Unido "Agir sobre o CO2”Usaram imagens de adultos lendo histórias de ninar para crianças, o que implicava que a real ameaça das mudanças climáticas se apresentar no futuro - um viés temporal.

Outras campanhas usaram o urso polar perene nas imagens associadas, o que fortalece o viés espacial - os ursos polares estão em uma localização geográfica diferente (para a maioria de nós). Portanto, essas mensagens permitem um alto grau de viés de otimismo - com as pessoas pensando que as mudanças climáticas não afetarão elas e suas próprias vidas.

Pesquisa usando eye-tracking para analisar como eles processam as mensagens sobre mudanças climáticas demonstra os efeitos de tais preconceitos. Por exemplo, pessoas otimistas tendem a fixar o olhar nos aspectos mais "positivos" das mensagens sobre mudanças climáticas (especialmente quaisquer menções a disputas sobre a ciência subjacente - há menos com o que se preocupar se a ciência não for definitiva).

Essas fixações de olhar também podem afetar o que você lembra dessas mensagens e o quão vulneráveis ​​elas fazem você se sentir. Se você não acha que a mudança climática o afetará pessoalmente, a heurística do efeito não o guiará diretamente para a ação corretiva apropriada.

Para tornar as mensagens sobre mudanças climáticas mais eficazes, precisamos direcionar esses vieses cognitivos. Para evitar vieses temporais e espaciais, por exemplo, precisamos de uma mensagem clara sobre por que as mudanças climáticas são ruins para os indivíduos em suas próprias vidas no aqui e agora (estabelecendo uma heurística de afetação apropriada).

E para evitar o viés do otimismo, também precisamos evitar apresentar “os dois lados do argumento” na mensagem - a ciência nos diz que existe apenas um lado. Também é preciso haver um argumento claro sobre por que os comportamentos sustentáveis ​​e recomendados funcionarão (estabelecendo um tipo diferente de viés de confirmação).

Também precisamos que todos entendam a mensagem, não apenas alguns grupos - essa é uma lição importante do COVID-19. Não pode haver exceções (aparentes) no que diz respeito às mudanças climáticas.

Leia a história completa aqui…

Sobre o autor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado

4 Comentários
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários
apenas dizendo

“A ciência diz que há apenas um lado” prova também que o darwinismo também é unilateral. Se não tivéssemos sido criados por um Deus infinito e poderoso, onisciente, que nos ama, mas evoluíssemos, então, seria a sobrevivência do mais apto e não haveria pecado e não haveria julgamento por nossas ações. Eles são tão estúpidos? Eu digo muito estúpido. Embora agora pareça que eles estão ganhando, eles não estão. Eles não sabem que foram entregues a uma mente degradada pelo próprio Deus, e que estão sendo manipulados pelo mestre de marionetes... Leia mais »

Prego

Qualquer pessoa que leia este artigo também deve ler a seção de comentários no site de origem.

Julian Padmore

O argumento dos tecnocratas nem presta atenção à busca da verdade. Combater o viés de confirmação mostrando apenas um lado do argumento é extrema hipocrisia

eddie

você pode explicar um pouco melhor o que você quer dizer com isso, por favor