UNESCO: Negação do clima a ser criminalizada e processada

Centro Internacional de Detenção do Tribunal Penal
Compartilhe esta história!
image_pdfimage_print
O tango do tecnocrata está mudando rapidamente para forçar o mundo a abandonar o capitalismo e a livre empresa e adotar o desenvolvimento sustentável em seu lugar. Os negadores do aquecimento global enfrentariam multas comparáveis ​​aos crimes de guerra.

Quando o alarmista climático Al Gore disse em 2015 que "os negadores merecem ser punidos" todos riram. Bem, não ria mais. Segundo essa proposta, o presidente Trump poderia ser processado por se retirar do Acordo Climático de Paris; líderes de “grupos de reflexão conservadores” e outras organizações ativistas que questionam a ciência climática seriam incluídos; jornalistas de ampla leitura que influenciam o público a questionar a ciência climática falsa seriam processados ​​individualmente - o que incluiria ostensivamente o Technocracy News & Trends e seu editor, Patrick Wood.

Essa proposta é direcionada aos Estados Unidos, mas também posso ver a Austrália e o Brasil na mira. Os tecnocratas sabem que seu plano para a tecnocracia global NÃO FUNCIONARÁ até que os EUA sejam neutralizados, e é por isso que estamos sob um ataque de espectro total por fanáticos do clima.

Esse é um assunto sério e mortal que deve ser imediatamente rejeitado pelos líderes nacionais. Recomenda-se aos leitores que leiam meus livros, Tecnocracia: o caminho difícil para a ordem mundial e O surgimento da tecnocracia: o cavalo de Troia da transformação global.

Observe que o artigo abaixo aparece no site oficial da UNESCO, mas o autor não está escrevendo como funcionário da UNESCO. Um pequeno link de Isenção de responsabilidade no rodapé da página da UNESCO declara: “A UNESCO não garante que as informações, documentos e materiais contidos em seu site estejam completos e corretos e não serão responsáveis ​​de forma alguma por quaisquer danos causados ​​como resultado de seu uso. " ⁃ Editor TN

A negação do clima aumentou o risco de mudanças globais catastróficas. O direito penal internacional deve ser usado contra aqueles que promovem essa tendência perigosa? Líderes econômicos e políticos não podem mais fingir que são negócios como sempre. Se eles induzem ativamente danos ambientais ou apenas ignoram a ameaça existencial contra a sobrevivência da espécie humana, os estados e as empresas devem ser responsabilizados por suas ações ou inação em relação às mudanças climáticas.

Um incêndio começou no teatro, do qual não há saídas. Desmarcado, o incêndio matará e ferirá muitos no teatro, começando pelos que estão nos assentos mais baratos. Muitas pessoas podem sentir o cheiro da fumaça, mas outras ainda não a perceberam. Algumas pessoas estão tentando avisar a todos para que o fogo possa ser contido antes que ele se espalhe fora de controle. Outro grupo - sentado principalmente nos assentos mais caros - está tentando gritar alto que não há fogo, ou que não é sério, ou que resta muito tempo para apagá-lo. Este grupo usa linguagem emotiva e insiste que o outro grupo não é confiável.

Muitas pessoas no teatro ficam confusas com essas mensagens conflitantes ou convencidas pelos negadores do fogo. Existem pessoas suficientes neste conjunto combinado para desacelerar significativamente os esforços daqueles que ouvem os avisos precisos, daqueles que estão tentando apagar o fogo. Nesse cenário, aqueles gritando "Sem fogo!" deve ser silenciado, porque há um incêndio que requer ação urgente e imediata para impedir que ele se espalhe e se torne incontrolável. Mas o fogo não está sendo combatido adequadamente, porque muitas pessoas no teatro não sabem em quem acreditar.

Podemos comparar aqueles que negam a realidade das mudanças climáticas ao grupo que ocupa os melhores lugares no teatro? A resposta parece óbvia: sim.

Acelerando a extinção da humanidade

As sanções penais são as ferramentas mais potentes que temos para marcar condutas que estão além de todos os limites de tolerância. A conduta criminal viola os direitos básicos e destrói a segurança humana. Reservamos o tratamento duro da punição por conduta que prejudique as coisas que consideramos mais valiosas. A mudança climática está causando precisamente esse dano.

Nos últimos 250 anos, queimamos combustíveis fósseis por energia barata, destruímos sumidouros de carbono, aumentamos a população global e não conseguimos deter a influência maligna dos interesses corporativos nas ações políticas que poderiam tornar a mitigação administrável. Agora, temos uma janela de apenas dez anos ou menos para evitar o uso do orçamento de carbono para 1.5 ℃(Link externo), De acordo com a Relatório Especial 2018(Link externo) do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC). Se continuarmos em nossa trajetória atual de emissões sem mitigação agressiva, poderemos ver um aquecimento na faixa de 4-6.1 ℃ acima das médias pré-industriais até 2100. Mesmo que todos os países cumpram suas metas de mitigação atuais sob o Acordo de Paris 2015(Link externo) (COP21), é provável que haja aquecimento de pelo menos 2.6 ℃ até 2100(Link externo).

Um aumento de temperatura de 4-6.1 ℃ até 2100 seria catastrófico. Grandes áreas da terra se tornariam inabitáveis ​​à medida que o nível do mar subir e a temperatura subir. Eventos climáticos severos, fracasso de safra e conflito em face da migração em massa nunca antes vista na história humana, pressionariam intensamente os locais habitáveis ​​restantes. Nessas condições frágeis e febris, o feedback positivo do aquecimento poderia colocar a humanidade em risco de extinção(Link externo), de acordo com a revista, futuros, Setembro de 2018. Esse feedback ocorre quando os pontos de inflexão são passados ​​no sistema climático, causando a liberação de processos que exacerbam o aquecimento. Por exemplo, a transformação da floresta amazônica do maior sumidouro de carbono do mundo em uma fonte de carbono; ou, a retirada maciça de gelo polar, que reduz a refletividade do planeta, levando-o a quente a uma velocidade maior(Link externo). Esses pontos de inflexão são descritos no Quinto Relatório de Avaliação (AR5) do IPCC como um limite crítico no qual o clima global ou regional muda de um estado estável para outro estado estável.

Aumentos de temperatura de 4-6.1 ℃ não são prováveis, mas também não são ficção científica. A cada ano que passa sem mitigação agressiva para atingir zero emissões líquidas até 2050, essa ameaça existencial é mais real. Mesmo que o Acordo de Paris incentive agressivamente a ambição de mitigação para diminuir o déficit de emissões até 2030, continua sendo o caso que já atingimos 1 ° C de aquecimento. Dado o intervalo de tempo entre as emissões e os aquecimento induzem(Link externo) - devido à longa vida útil das moléculas de carbono na atmosfera - são esperados novos aumentos.

Entre comportamento irresponsável…

Devemos usar o direito penal para combater as mudanças climáticas? A atual geração de pessoas vivas no Antropoceno é capaz de danificar e degradar o meio ambiente de maneiras que poderiam tornar a humanidade extinta. O postericida é uma resposta moralmente necessária às circunstâncias alteradas da humanidade no Antropoceno. O escopo do direito penal internacional o torna o local certo para lidar com as ameaças existenciais criadas pelas mudanças climáticas. O direito penal internacional visa proteger toda a comunidade humana, independentemente das fronteiras nacionais, agora e no futuro. O direito penal internacional expressa os valores que unem a comunidade humana ao longo do tempo. Ele afirma a condenação de "atrocidades inimagináveis ​​que chocam profundamente a consciência da humanidade(Link externo)”- conforme estipulado no Estatuto de Roma(Link externo) do Tribunal Penal Internacional (ICC(Link externo)) de 17 de julho de 1998, que define, inter alia, os crimes internacionais sobre os quais o TPI tem jurisdição.

Para que haja um crime, deve haver um criminoso. A morte e o sofrimento causados ​​pelos impactos climáticos são profundamente chocantes, mas isso não é suficiente para iniciar uma ação judicial sob o direito penal internacional. A morte e o sofrimento são causados ​​por erupções vulcânicas, mas não há agentes culpáveis ​​nesses casos.

A atual crise climática foi causada pela atividade humana nos últimos dois séculos e meio, levando ao acúmulo de gases de efeito estufa na atmosfera. A crise é em grande parte uma conseqüência não intencional da ação ao longo da história que levou à destruição de sumidouros de carbono, aumento dos fluxos de carbono e concentrados estoques de carbono. A maior parte dessa conduta está além do alcance legítimo do direito penal internacional, principalmente porque as pessoas relevantes estão mortas. A maioria, mas não todas.

… E postericida

Propus que o direito penal internacional fosse expandido para incluir um novo crime que chamo de postericida (Link externo). É cometido por conduta intencional ou imprudente, adequada para provocar a extinção da humanidade. O postericídio é cometido quando a humanidade é posta em risco de extinção por conduta realizada com a intenção de extinção da humanidade ou com o conhecimento de que a conduta é adequada para ter esse efeito. Quando uma pessoa sabe que sua conduta impõe um risco inadmissível a outra e age de qualquer maneira, ela é imprudente. É no domínio da conduta imprudente, piorando as mudanças climáticas, que devemos procurar conduta postericida.

As emissões de ninguém estão aptas a provocar a extinção humana como resultado dos impactos climáticos - no entanto, os muitos jatos particulares e poços de petróleo que eles possuem podem fazê-lo. Porém, pessoas individuais em seus papéis como líderes políticos e corporativos podem exercer amplo controle sobre o quanto as mudanças climáticas pioram como resultado de sua ação executiva. O presidente de um país pode retirar um estado inteiro de um acordo global sobre mitigação; um CEO pode autorizar a retenção de informações sobre o progresso e os impactos das mudanças climáticas, porque isso ameaça os resultados da empresa.

Os indivíduos geralmente têm controle sobre a conduta que não realizam - por exemplo, dando ordens diretas aos subordinados, ou em virtude do relacionamento especial em que mantêm outras pessoas cuja conduta causa danos. Isso significa que podemos atribuir responsabilidade indireta a indivíduos de poder, autoridade e influência dentro de grupos que, como coletivos, pioram as mudanças climáticas de maneiras adequadas para tornar a humanidade extinta. Assim como o direito penal internacional determina que os líderes militares prestem contas do genocídio cometido por suas tropas, ele também deve responsabilizar os líderes políticos e econômicos por responsabilizar o postericídio cometido sob sua autoridade. Esses líderes devem ir a julgamento no TPI e responsabilizar-se pelos valores compartilhados fundamentais da comunidade humana.

Quem deve ser processado por postericídio? Poderíamos começar examinando a rede internacional estabelecida de organizações bem financiadas, dedicadas a negação organizada do clima (Link externo) (Para mais informações sobre esse assunto, leia “Mineração de texto dos sinais de dúvida sobre mudanças climáticas”, na revista Mudanças Ambientais Globais, Volume 36, janeiro de 2016). O epicentro dessa atividade é nos Estados Unidos. Um conjunto de grupos de reflexão conservadores enganou deliberadamente o público e os formuladores de políticas sobre as realidades das mudanças climáticas. Sua negação climática, dirigida ideologicamente, foi fortemente financiada pela indústria de combustíveis fósseis; que incluem, por exemplo, Koch Industries e ExxonMobil. Essa negação do clima teve um impacto significativo na opinião pública e impediu a legislação de combater as mudanças climáticas.

Responsabilidade criminal indireta

Rex Tillerson [ex-CEO da ExxonMobil, que também atuou como Secretário de Estado dos EUA de fevereiro de 2017 a março de 2018] Charles Koch e David Koch [os proprietários das indústrias Koch] devem ser julgados pelo crime de postericida no TPI? Sua responsabilidade criminal indireta seria gerada pela autorização de múltiplos atos de negação do clima por outros, sem os quais seria mais provável uma ação política agressiva precoce sobre as mudanças climáticas.

A negação do clima impediu seriamente os esforços agressivos de mitigação que poderiam ter evitado nossa atual emergência climática. Aumentou o risco de a humanidade se prender a mudanças climáticas catastróficas globais. As pessoas em posições de autoridade nos estados, ou grupos industriais cujas mentiras colocaram a nós e nossos descendentes em perigo, devem ser responsabilizados. Os danos que os negadores do clima causam são hediondos e não têm desculpas. Chegou a hora de processá-los por postericídio.

Leia a história completa aqui…

Junte-se à nossa lista de endereços!


avatar
15 Comentar tópicos
2 Respostas do Tópico
0 Seguidores
Comentário Mostv¯ve
Tópico de comentário mais quente
8 Autores de comentários
ElleEWMRocky BenschJohn SteliosWill Brown Autores recentes de comentários
Subscrever
o mais novo mais velho mais votado
Notificar a
trackback

[…] Catriona McKinnon | Notícias e tendências da tecnocracia via […]

N Kennedy
Convidado

Espere uma guerra se isso acontecer

Gordon
Convidado
Gordon

A linguagem nessa mesa é bastante assustadora, para seu alvo, as massas crédulas e para mim e qualquer pessoa que tenha uma idéia sobre a dinâmica climática.
Parece uma declaração de guerra contra qualquer pessoa que discorde deles e total demonização de todos que discordam da narrativa do "aquecimento global".
Eu chamaria isso de eco-terrorismo.

T. Jensen
Convidado
T. Jensen

É melhor as pessoas acordarem. Esses lunáticos são sérios. Al Gore é ex-CEO Goldman Sachs. O que o Goldman Sachs faz para viver? Manipulação de mercado, fraudes, logaritmo de lucro, contabilidade criativa e uma longa fila de multas gigantescas e processos judiciais por seus esquemas de manipulação. Além disso, Obama fez o esboço legal da troca mundial de CO2 e assinou uma lei que isenta o Pentágono e a Otan, aviões e iates de primeira classe, animais, permafrost, etc. Assim, os alvos só podem ser da classe média e comum. transporte de cidadãos, aquecimento, produção de alimentos e seus empregos. Conclusão para ser o oposto de... Leia mais "

Will Brown
Convidado
Will Brown

"Postericídio"! Isso soa e parece um excelente exemplo de um "neologismo", que, de acordo com Merriam-Webster, é definido como "Uma nova palavra que é cunhada especialmente por uma pessoa afetada pela esquizofrenia, não tem sentido, exceto para o criador, e é tipicamente uma combinação de duas palavras existentes ou um encurtamento ou distorção de uma palavra existente ".

Elle
Convidado
Elle

Eu amo isso! Neologismo está certo.

John Stelios
Convidado
John Stelios

Esta é a maior quantidade de bs que eu já ouvi ... você, filho da puta, quer guerra? Você acha que o mundo vai se sentar e deixar você levá-lo? Hahaha f ** k você! Nem nesta vida, nem na próxima!

trackback

[…] A pergunta que a ciência climática falsa seria processada individualmente - ostensivamente incluiria o Technocracy News & Trends e seu editor, Patrick […]

trackback

[…] A pergunta que a ciência climática falsa seria processada individualmente - ostensivamente incluiria o Technocracy News & Trends e seu editor, Patrick […]

Rocky Bensch
Convidado
Rocky Bensch

Propaganda Globalista Pura.

EWM
Convidado
EWM

O golpe do aquecimento global https://www.bitchute.com/video/6ovUfioWRoAx/

Elle
Convidado
Elle

Propaganda interessante, bem escrita para persuadir as massas de deliberadamente ignorantes ou simplesmente desavisados ​​com uma estranha lógica distorcida em seu âmago. Quanto isso soa como a Alemanha de Hitler, o sistema de crédito social da China e toda tirania histórica estudada? EXATAMENTE O MESMO. O que é mais interessante é isso. Nos anos 70 e 80, a ganância e a responsabilidade corporativa eram alvo de um público preocupado. A poluição corporativa do planeta Terra estava no centro e com razão. Na década de 90, as empresas foram ofensivas com enormes investimentos de lobby dentro do governo para comprar funcionários e mudar a legislação em seu benefício.... Leia mais "

trackback

[…] História # 2: A UNESCO alega que a negação do clima seja criminalizada e processada […]

trackback

[…] História # 2: A UNESCO alega que a negação do clima seja criminalizada e processada […]

trackback

[…] História # 2: A UNESCO alega que a negação do clima seja criminalizada e processada […]