'Acordo Verde' europeu é tão ruim quanto possível

Negócio VerdeSessão plenária extraordinária - O Acordo Verde Europeu - Reinício da sessão e ordem dos trabalhos - Declaração da Comissão - O Acordo Verde Europeu. Fotógrafo: Jean-Christophe VERHAEGEN; © União Europeia 2019 - Fonte: EP
Compartilhe esta história!
image_pdfimage_print
A Europa está criando e ingerindo sua própria pílula de veneno que desviará investimentos maciços por um buraco econômico. As consequências sociais nunca estarão ligadas à causa raiz de seu desaparecimento: maus investimentos vinculados a políticas infundadas e anti-humanas. ⁃ Editor TN

A Comissão Européia divulgou seu “Acordo Verde Europeu”, após receber sugestões de denominação de seu colega americano, o “Novo Acordo Verde”. Embora a legislação introduzida no Congresso dos EUA continue sendo ficção sob um executivo e Senado republicanos, a iniciativa de Bruxelas será tornar-se lei a menos que haja uma oposição considerável dos estados membros da UE.

Em maio, tive o prazer de ser convidado em um evento do Austrian Economic Center em Viena, no qual discutido as perspectivas políticas antes das eleições europeias. Minha previsão naquela época: mais greens, mais políticas ecstatic verdes por vir. A recém-eleita Presidente da Comissão, Ursula von der Leyen, tentou apaziguar as forças verdes no Parlamento Europeu, dedicando-se à agenda ambientalista e, como resultado, agora está perseguindo objetivos políticos ambiciosos que ela expôs em seu discurso de candidatura em Estrasburgo.

O New Green Deal contém grandes implicações para a indústria e os consumidores, incluindo maior tributação de energia, taxas mais altas sobre transporte marítimo e aviação, taxas mais altas de emissões rodoviárias, forçando as empresas a repensar a reciclagem e a reparação de eletrônicos e buscando acordos de livre comércio mais difíceis de concluir. Todas essas medidas merecem críticas próprias, mas, pelo bem dessa, vamos reduzi-la.

Três sugestões são importantes no pacote proposto de medidas executivas e legislativas:

  1. A Comissão quer introduzir um imposto sobre as fronteiras do carbono
  2. A Comissão atualiza os objetivos de emissões para 2030
  3. A Comissão gasta mais dinheiro em um esforço para "reinvestir" (ou comprar os Estados membros)

O imposto sobre as fronteiras do carbono

O principal objetivo desse "ajuste de fronteira" é impedir a realocação de produção intensiva de carbono para países não pertencentes à UE, um problema conhecido como "vazamento de carbono". Quando as empresas terceirizam a produção para evitar custos de carbono, elas mudam suas emissões para o exterior. Isso, afirma a UE, reduz a eficácia dos objetivos da política climática da UE. Isso é uma preocupação excepcional para Bruxelas, pois países fora da UE, como os dos Balcãs, além da Moldávia, Bielorrússia e Ucrânia, podem vir a rivalizar com os produtores da UE. A lógica é muito européia: primeiro restringimos a eficiência de nossos próprios negócios por meio de regulamentação, depois chamamos outros países de concorrentes injustos.

Esta não é a primeira vez que líderes europeus restringem o comércio devido a preocupações ambientais. Foi a razão mais notável pela qual o acordo de livre comércio da era Obama, a Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP), foi colocado no gelo, ou o motivo pelo qual o bloco ainda não tem um relacionamento de livre comércio com a China. Presidente francês Emmanuel Macron está até ameaçando bloquear um acordo comercial com países da América do Sul (chamado Mercosul), caso o Brasil saia do Acordo Climático de Paris de 2015.

Pior do que politizar seus acordos comerciais, von der Leyen agora estenderá sua política climática a países não pertencentes à UE, intimidando efetivamente todo o continente em metas de emissões zelosas. Especialmente para países da Europa Oriental, como a Ucrânia, este é um verdadeiro pesadelo.

Como esperado, os jornalistas da Europa estão aderindo à retórica da Comissão, chamando-a de imposto de fronteira de carbono. Eu próprio o chamo de protecionismo europeu politizado.

Atualização de destino

Bruxelas está analisando uma lei climática que estabeleça uma meta para atingir as emissões líquidas de zero até 2050, e um plano para aumentar a meta de 2030 do bloco para cortes de emissões de uma redução de pelo menos 40% para 50 a 55% em comparação aos níveis de 1990. A Comissão planeja apresentá-lo até março de 2020. A atualização prevista é apenas um argumento para legitimar medidas legislativas mais severas. Depois de aprovado, você ouvirá no Parlamento Europeu que restrições de emissões novas e caras estão "alinhadas com as metas climáticas da UE".

A boa notícia para a Comissão é que sua lei climática não exigirá votação por unanimidade no Conselho Europeu, mas apenas a maioria qualificada. Dito isto, a Polônia, a Hungria e a República Tcheca estão atualmente retendo seu consentimento.

Aumentar a ambição para um corte de 55% provavelmente encontrará uma maioria no Parlamento, e no Conselho oito países disseram que apóiam essa meta. A questão é se os oponentes podem reunir uma oposição viável.

Isso nos leva ao cerne da questão.

The Climate Cash Grab

O presidente da Comissão, Von der Leyen, já propôs um pacote financeiro chamado Just Transition Fund, que apoiará as regiões em sua transição para longe dos combustíveis fósseis. No entanto, as atuais metas climáticas já exigem 260 bilhões de euros de investimento anual adicional, o que significa que as metas atualizadas precisarão de ainda mais recursos. Atualmente, há rumores de que o Fundo Just Transition seja incluído no orçamento da UE para 2021-2027 e levante investimentos de 100 bilhões de euros. Continua sendo um mistério que exatamente investirá em particular (por sua conta e risco) em moinhos de vento ineficientes e painéis solares.

Uma coisa é certa: uma quantia em dinheiro desse tamanho certamente pode atrair os interesses das nações da Europa Central que atualmente hesitam em participar. Dito isso, a Alemanha e a Holanda estão favorecendo ambições orçamentárias limitadas.

É a melhor combinação de ideologia climática e extravagância de gastos. Como Bruxelas tem a tendência de sempre errar a resposta, estou confiante de que obteremos o pior de ambos.

Leia a história completa aqui…

Junte-se à nossa lista de endereços!


avatar
2 Comentar tópicos
0 Respostas do Tópico
0 Seguidores
Comentário Mostv¯ve
Tópico de comentário mais quente
1 Autores de comentários
Val Valerian Autores recentes de comentários
Subscrever
o mais novo mais velho mais votado
Notificar a
Val Valerian
Convidado
Val Valerian

Mais uma vez, vemos que o analfabetismo científico é abundante. A UE e a multidão da "crise climática" são completamente ignorantes.