Militares procuram IA para substituir a tomada de decisões no campo de batalha

Crédito da foto: Exército dos EUA
Compartilhe esta história!
Se não for controlada, a Inteligência Artificial acabará por incluir todas as áreas da vida na Terra, incluindo saúde, gestão populacional e guerra. À medida que os feridos são retirados dos campos de batalha, a IA agora é procurada para realizar triagem para decidir quais soldados tratar primeiro, que são considerados “salváveis”, potencialmente deixando outros para morrer. ⁃ Editor TN

Quando um homem-bomba atacou o Aeroporto Internacional de Cabul em agosto do ano passado, a morte e a destruição foram esmagadoras: a violência deixou 183 pessoas mortas, incluindo 13 soldados americanos.

Esse tipo de evento com vítimas em massa pode ser particularmente assustador para os trabalhadores de campo. Centenas de pessoas precisam de atendimento, os hospitais próximos têm vagas limitadas e as decisões sobre quem recebe atendimento primeiro e quem pode esperar precisam ser tomadas rapidamente. Muitas vezes, a resposta não é clara e as pessoas discordam.

A Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA) – o braço de inovação das forças armadas dos EUA – pretende responder a essas perguntas espinhosas terceirizando o processo de tomada de decisão para a inteligência artificial. Por meio de um novo programa, chamado In the Moment, quer desenvolver tecnologia que tome decisões rápidas em situações estressantes usando algoritmos e dados, argumentando que remover preconceitos humanos pode salvar vidas, de acordo com detalhes do lançamento do programa este mês.

Embora o programa esteja em sua infância, ele surge quando outros países tentam atualizar um sistema centenário de triagem médica e à medida que os militares dos EUA se apoiam cada vez mais na tecnologia para limitar o erro humano na guerra. Mas a solução levanta bandeiras vermelhas entre alguns especialistas e especialistas em ética que se perguntam se a IA deve estar envolvida quando vidas estão em jogo.

“A IA é ótima em contar coisas”, disse Sally A. Applin, pesquisadora e consultora que estuda a interseção entre pessoas, algoritmos e ética, em referência ao programa DARPA. “Mas acho que poderia abrir um precedente pelo qual a decisão pela vida de alguém é colocada nas mãos de uma máquina.”

Fundada em 1958 pelo presidente Dwight D. Eisenhower, a DARPA está entre as organizações mais influentes em pesquisa de tecnologia, gerando projetos que desempenharam um papel em inúmeras inovações, incluindo Internet, GPS, satélites meteorológicos e, mais recentemente, a vacina contra o coronavírus da Moderna.

Mas sua história com a IA refletiu os altos e baixos do campo. Na década de 1960, a agência fez avanços no processamento de linguagem natural e fez com que os computadores jogassem jogos como xadrez. Durante as décadas de 1970 e 1980, o progresso estagnou, principalmente devido aos limites do poder de computação.

Desde os anos 2000, à medida que as placas gráficas melhoraram, o poder de computação tornou-se mais barato e a computação em nuvem cresceu, a agência viu um ressurgimento do uso de inteligência artificial para aplicações militares. Em 2018, dedicou US$ 2 bilhões, por meio de um programa chamado AI Next, para incorporar a IA em mais de 60 projetos de defesa, significando o quão central a ciência poderia ser para futuros caças.

“A DARPA prevê um futuro em que as máquinas são mais do que apenas ferramentas”, disse a agência ao anunciar o programa AI Next. “As máquinas que a DARPA prevê funcionarão mais como colegas do que como ferramentas.”

Para esse fim, o programa In the Moment da DARPA criará e avaliará algoritmos que auxiliam os tomadores de decisão militares em duas situações: ferimentos em pequenas unidades, como os enfrentados por unidades de Operações Especiais sob fogo, e eventos com vítimas em massa, como o bombardeio do aeroporto de Cabul. Mais tarde, eles podem desenvolver algoritmos para ajudar em situações de desastres, como terremotos, disseram funcionários da agência.

O programa, que levará cerca de 3.5 anos para ser concluído, está solicitando empresas privadas para ajudar em seus objetivos, uma parte da pesquisa DARPA em estágio inicial. Funcionários da agência não disseram quais empresas estão interessadas, ou quanto dinheiro será destinado ao programa.

Matt Turek, gerente de programa da DARPA encarregado de conduzir o programa, disse que as sugestões dos algoritmos modelariam “humanos altamente confiáveis” que têm experiência em triagem. Mas eles poderão acessar informações para tomar decisões perspicazes em situações em que até mesmo especialistas experientes ficariam perplexos.

Por exemplo, ele disse, a IA pode ajudar a identificar todos os recursos que um hospital próximo possui – como disponibilidade de medicamentos, suprimento de sangue e disponibilidade de equipe médica – para auxiliar na tomada de decisões.

“Isso não caberia no cérebro de um único tomador de decisão humano”, acrescentou Turek. “Algoritmos de computador podem encontrar soluções que os humanos não conseguem.”

Leia a história completa aqui…

Sobre o autor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado

4 Comentários
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários

[...] Fonte de Notícias e Tendências de Tecnocracia [...]

[...] Fonte de Notícias e Tendências de Tecnocracia [...]

[…] Leia o artigo original […]

Freeland_Dave

Projeto Forbin ou Wargames. Faça sua escolha. Dr' Strangelove talvez? Apenas lembre-se pessoal, o “A” em “AI” significa ARTIFICIAL, o que significa que não é real. Então, “IA” significa essencialmente “INTELIGÊNCIA NÃO REAL. “