Metaverso: utopia virtual ou pesadelo tecnocrático?

Compartilhe esta história!
Os Pied Pipers da Big Tech estão seduzindo o mundo em uma realidade virtual imersiva. Ele cria uma mistura de Matrix, Ready Player One e anarquia do oeste selvagem sem lei, onde vale tudo. Pior ainda, vai borrar as distinções entre realidade e fantasia, reconectando o cérebro e mudando a maneira como a mente responde às situações. ⁃ Editor TN

O mundo da tecnologia foi superado pela ideia sedutora de uma utopia virtual, mas o que está em oferta parece mais um pesadelo tecnocrático do capitalismo tardio

passei grande parte da minha vida em mundos virtuais. Eu jogo videogame desde os seis anos; como millennial, vivo online desde a adolescência; e tenho relatado sobre jogos e cultura de jogos por 16 anos. Estive na Islândia para um encontro anual dos jogadores do EVE Online, um jogo online de naves espaciais cuja política virtual, amizades e rivalidades são tão reais quanto qualquer coisa que exista fora de seu universo digital. Eu vi empresas ganharem milhões, depois bilhões, vendendo roupas e itens virtuais para jogadores ansiosos para decorar suas identidades virtuais. Encontrei pessoas que se conheceram em mundos digitais e se casaram no mundo real, que formaram alguns de seus relacionamentos mais significativos e tiveram experiências de vida significativas em, bem... metaverso”.

Pergunte a 50 pessoas o que significa o metaverso, agora mesmo, e você terá 50 respostas diferentes. Se um metaverso é onde os mundos real e virtual colidem, o Instagram é um metaverso: você cria um avatar, seleciona sua imagem e a usa para interagir com outras pessoas. O que todos parecem concordar, no entanto, é que vale a pena dinheiro. A Epic Games e o recentemente renomeado Facebook estão investindo bilhões por ano nessa ideia. Quando a Microsoft comprou a editora de videogames Activision por US$ 70 bilhões na semana passada, foi descrito como “uma aposta no metaverso”.

O mundo da tecnologia parece estar se inclinando para algum tipo de concepção do início dos anos 00 de usar um fone de ouvido VR e traje háptico e dirigir um carro voador em direção à sua mansão perfeita em uma realidade alternativa calmamente higienizada, onde você pode ter o que quiser, contanto que pode pagar por isso. Veja a agora infame apresentação de Mark Zuckerberg sobre o futuro de sua empresa, com seus avatares sem graça e ambientes vazios e agradáveis. É o futuro como imaginado por alguém com pouca imaginação.

Não nego que algumas pessoas queiram essa visão. Ready Player One foi um grande sucesso. Mas o metaverso como imaginado pelas pessoas que atualmente investem nele – por bilionários da tecnologia como Zuckerberg e o CEO da Activision, Bobby Kotick, por vendedores ambulantes de tecnologia NFTs de arte generativa incrivelmente feios e usando palavras como “criptoverso” – só pode ser descrito como espiritualmente destituído. Não tem interesse para mim.

Os mundos virtuais podem ser incrivelmente libertadores. A promessa do ciberespaço, desde o início, foi que nos torna todos iguais, permitindo que sejamos julgados não por nossa apresentação física ou limitações, mas pelo que está dentro de nossas cabeças, por como queremos ser vistos. O sonho é de um lugar virtual onde as hierarquias e limitações do mundo real desapareçam, onde o nerd possa ser o herói, onde os pobres e entediados possam fugir de sua realidade e viver em algum lugar mais excitante, mais recompensador.

Qualquer um que seja marginalizado no mundo real, porém, sabe que não é assim que as coisas acontecem. Os mundos virtuais não são inerentemente melhores do que o real. A exploração do trabalhador existe neles – veja o World of Warcraft, no qual os venezuelanos cultivam moeda para vender a jogadores do primeiro mundo, ou o Roblox, no qual jovens desenvolvedores de jogos investiram longas horas em projetos não regulamentados por pouca recompensa. Misoginia e homofobia também existem neles – pergunte a qualquer um que já teve a infelicidade de soar feminino no bate-papo por voz enquanto joga um jogo de tiro multijogador ou não se conforme com o gênero no Twitch. Quanto ao racismo, bem – está vivo e bem, e aparentemente encorajado, no mundo digital.

A ideia de que um metaverso resolverá magicamente qualquer um desses problemas é uma fantasia total. Tudo o que eles realmente fazem é refletir as pessoas que os fazem e passam tempo com eles. Infelizmente, nada do que vivi em qualquer mundo virtual me faz sentir bem com a ideia do metaverso – porque ele está sendo construído por pessoas para quem os problemas do mundo real são em sua maioria invisíveis. A menos que as empresas façam imensos esforços para desmantelar preconceitos e preconceitos inconscientes, eles são replicados impensadamente em tudo o que criam. Ninguém ainda encontrou uma maneira de moderar efetivamente em qualquer lugar online para mantê-lo livre de abuso, toxicidade e manipulação por maus atores. Dado o que aconteceu com o Facebook, você confia meta com esta responsabilidade? Você confia na Microsoft com isso?

Leia a história completa aqui…

Sobre o Editor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado

2 Comentários
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários
coronistão.blogspot.com

Eu o vejo como uma cópia virtual de cada ciborgue – ser humano “rebaixado” via “vacinas” – com a possibilidade de controlar e manipular cada ciborgue como um computador cem por cento pelos operadores. Uma cópia virtual de todo o mundo físico, incluindo a mente humana.

É perigoso e assustador, e quase ninguém entende.

Anne

Sem dúvida aqui que o diabo está nos detalhes com todas as coisas do metaverso. Vou passar. Há engano, escravização e tirania suficientes no mundo físico para perdurar. Não estou me inscrevendo para uma versão aprimorada de mais do mesmo. Os mesmos jogadores estarão no topo da pirâmide dando todas as ordens, como fazem no mundo físico. Sem dúvida, em minha mente, os mesmos tipos de indivíduos iludidos cairão nesse esquema como caem em outros, resultando em sua destruição e condenação.