Gro Brundtland, membro da Comissão Trilateral, esforça-se bastante pelo desenvolvimento sustentável

Youtube
Compartilhe esta história!
image_pdfimage_print
Gro Harlem Brundtland é a mãe do Desenvolvimento Sustentável, tendo criado as políticas que levaram à criação da Agenda 21 no 1992. Ela também é membro da Comissão Trilateral e apoiadora fanática da ONU e Desenvolvimento Sustentável, também conhecida como Tecnocracia. ⁃ Editor TN

O dramaturgo norueguês Henrik Ibsen escreveu uma vez: “Uma comunidade é como um navio; todos devem estar preparados para assumir o comando. ”Com o nosso navio global sendo jogado pelas águas tempestuosas e perigosas das mudanças climáticas, cada um de nós deve estar pronto para exibir uma liderança apropriada e realista.

O falecido Kofi Annan uma vez dito que a mudança climática é a “questão existencial do nosso tempo”. Uma onda de eventos climáticos extremos no verão passado - de incêndios na Califórnia e na Suécia a inundações na Índia e secas na Austrália - mostra como ele estava certo. E, como Annan também entendeu, enfrentar essa crise não significa apenas proteger a economia ou mesmo o meio ambiente; significa também defender a justiça, preservar os direitos humanos e comprometer-se com a solidariedade social.

Por mais de quatro décadas, esses valores motivaram meu trabalho a promover o desenvolvimento sustentável nos níveis nacional e internacional. Nos 1980s, enquanto servia como primeiro ministro da Noruega, presidi a Comissão Mundial de Meio Ambiente e Desenvolvimento, a convite do então secretário-geral das Nações Unidas Javier Pérez de Cuéllar. O 1987 da Comissão Denunciar, "Nosso futuro comum", tornou-se um documento de referência que trouxe o desenvolvimento sustentável à atenção dos presidentes, primeiros-ministros e ministros das Finanças do mundo todo. Ele estimulou a Conferência 1992 sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento no Rio de Janeiro e continua a influenciar as discussões globais.

Hoje, escrevo como membro do The Elders, um grupo de líderes independentes fundados por Nelson Mandela para trabalhar pela paz, justiça e direitos humanos. A ação climática é essencial para o progresso em todas essas áreas.

Sabemos o que precisa ser feito. As emissões de dióxido de carbono devem ser tributadas e reduzidas. As indústrias de combustíveis fósseis devem ter seus subsídios cortados. E o apoio financeiro deve ser fornecido aos países menos desenvolvidos que são mais vulneráveis ​​aos efeitos das mudanças climáticas, apesar de terem contribuído quase nada para o problema.

Por que essas etapas não estão sendo tomadas? Com algumas exceções lamentáveis ​​e conspícuas, os líderes mundiais reconhecem a realidade das mudanças climáticas. Eles vêem o dano que eventos climáticos extremos podem infligir a residências, infraestrutura e meios de subsistência, e ouvem os avisos dos cientistas climáticos de que as condições só se deteriorarão.

Mas uma estratégia climática suficientemente ousada exige coragem e comprometimento político dos líderes. Além disso, essas estratégias devem ser atualizadas continuamente para refletir mudanças nas realidades socioeconômicas - da globalização e da inteligência artificial à maior conscientização sobre discriminação de gênero e raça - para garantir o apoio dos cidadãos, especialmente dos mais jovens.

É claro que os cidadãos comuns - novamente, principalmente os jovens - também têm a responsabilidade de ajudar a promover uma ação climática eficaz. Os desafios que o mundo enfrenta podem parecer esmagadores, mas o trabalho de seus cidadãos é simples: envolver-se. Isso significa mudar seus próprios comportamentos, inclusive votando, exigindo mais ação dos líderes e até se esforçando para liderar a si mesmos.

Em seu extenso estudo sobre coragem e covardia humana, "Um inimigo do povo", escreveu o dramaturgo norueguês Henrik Ibsen: "Uma comunidade é como um navio; todos devem estar preparados para assumir o comando. ”Com o nosso navio global sendo jogado por águas tempestuosas e perigosas, cada um de nós deve estar pronto para mostrar liderança de maneira apropriada e realista, seja na comunidade local ou nacional ou internacional. nível.

Já temos gráficos que podem nos guiar em direção à segurança. Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da 17, acordados por todos os estados membros da 193 na 2015, abrangem todos os elementos interconectados da vida e desenvolvimento humano, da saúde, educação e meio ambiente à paz, justiça, segurança e igualdade.

Leia a história completa aqui…

Junte-se à nossa lista de endereços!


avatar
Subscrever
Notificar a