Hackers penetraram com sucesso em 21 produtores de GNL dos EUA pouco antes da invasão da Ucrânia

Compartilhe esta história!
Blitz de duas semanas. Vinte e uma grandes empresas de energia. Hackers patrocinados pelo Estado. “Pré-posicionamento”. Este é claramente um tiro de alerta para dizer aos EUA “Nós sabemos onde você mora e temos a chave da sua casa”. Espere que o próximo grande evento seja um ataque cibernético maciço para paralisar a infraestrutura americana. ⁃ Editor TN

Em meados de fevereiro, hackers obtiveram acesso a computadores pertencentes a funcionários atuais e antigos de quase duas dúzias de grandes fornecedores e exportadores de gás natural, incluindo Chevron Corp.Cheniere Energy Inc. e  Kinder Morgan Inc., de acordo com pesquisa compartilhada exclusivamente com a Bloomberg News.

Os ataques tiveram como alvo empresas envolvidas com a produção de gás natural liquefeito, ou GNL, e foram o primeiro estágio de um esforço para se infiltrar em um setor cada vez mais crítico da indústria de energia, de acordo com Gene Yoo, CEO da empresa de Los Angeles. Ressegurança Inc., que descobriu a operação. Eles ocorreram às vésperas da invasão da Ucrânia pela Rússia, quando os mercados de energia já estavam agitados por suprimentos apertados.

A investigação da Resecurity começou no mês passado, quando os pesquisadores da empresa identificaram um pequeno número de hackers, incluindo um ligado a uma onda de ataques em 2018 contra organizações europeias que Microsoft Corp atribuído ao Strontium, o apelido da empresa para um grupo de hackers associado ao serviço de inteligência militar GRU da Rússia.

Os hackers queriam pagar muito dinheiro na dark web pelo acesso a computadores pessoais pertencentes a trabalhadores de grandes empresas de gás natural nos EUA, que eram usados ​​como backdoor nas redes da empresa, disse Yoo. Os pesquisadores localizaram os servidores dos hackers e encontraram uma vulnerabilidade no software, que lhes permitiu obter arquivos das máquinas e ver o que os invasores já haviam feito, disse Yoo.

Alguns desses arquivos foram compartilhados com a Bloomberg, fornecendo uma visão rara de uma operação de hackers ao vivo. Eles mostram que em uma blitz de duas semanas em fevereiro, os invasores obtiveram acesso a mais de 100 computadores pertencentes a atuais e ex-funcionários de 21 grandes empresas de energia. Em alguns casos, os hackers comprometeram as próprias máquinas-alvo e, em outros, compraram acesso a computadores específicos que já estavam infectados por outros, oferecendo até US$ 15,000 por cada um, disse Yoo.

O motivo da operação não é conhecido, mas o momento coincide com mudanças mais amplas no setor de energia que foram aceleradas pela guerra da Rússia. Yoo disse acreditar que o ataque foi realizado por hackers patrocinados pelo Estado, mas se recusou a especular mais.

Yoo descreveu as ações dos hackers como “pré-posicionamento”, ou usando as máquinas hackeadas como um trampolim para redes corporativas protegidas. Para esse tipo de operação, os computadores de ex-funcionários podem ser tão valiosos quanto os usados ​​pelos atuais, porque muitas empresas são lentas ou não cortam o acesso remoto quando alguém sai, disse ele.

O GNL é uma forma de combustível super-refrigerado que pode ser enviado para praticamente qualquer lugar do mundo por navio-tanque. A demanda disparou nos últimos meses, em meio à escassez de suprimentos de combustível no inverno e ao acúmulo da invasão russa da Ucrânia em 24 de fevereiro, que agitou o mercado de energia e fez com que a Alemanha e outros países europeus, que dependem do gás russo, buscar alternativas. Nos meses que antecederam a invasão, os EUA tornaram-se o maior principal fornecedor de GNL, e quase duas em cada três cargas que navegavam de suas costas estavam indo para a Europa faminta de gás natural.

A Alemanha, que é o maior mercado de gás natural da Europa, disse em resposta à invasão da Rússia que está acelerando a construção de dois terminais de importação de GNL. Esta é uma grande mudança, pois representa a primeira vez que a Alemanha importará GNL. Alemanha também interrompeu o processo de certificação do gasoduto Nord Stream 2, um sistema de gasodutos de gás natural da Rússia que está concluído, mas ainda não operacional.

Leia mais: Alemanha se move para comprar US$ 1.7 bilhão em GNL à medida que a guerra ameaça o fornecimento

Não está claro se os ataques estão diretamente relacionados à invasão da Ucrânia, mas a Resecurity disse que os hacks começaram cerca de duas semanas antes da invasão, depois que autoridades dos EUA instou os operadores de infraestruturas críticas para “adotar um estado de maior conscientização” para ataques patrocinados pelo Estado russo.

Leia a história completa aqui…

Sobre o autor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado
20 Comentários
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários
Kelli

Embora eu certamente aprecie você, Sr. Wood, e seu site, eu confio muito pouco vindo da mídia ocidental.

Suzanne

bom

DawnieR

Apenas MAIS FALSAS BANDEIRAS…..para culpar a Rússia, para começar a XNUMXª Guerra Mundial!

Anne

Suponho que nossos líderes cegos esperam que a China fique do lado dos EUA contra a Rússia. Eu não acho que isso vai acontecer.

Anne

Eu nunca consegui ver a lógica por que qualquer empresa e muito menos qualquer governo colocaria seus servidores on-line que continham informações confidenciais ou segredos comerciais. Vou me certificar de manter meu computador principal desconectado da internet. O computador de backup não conterá nada que me importe quando tiver o serviço de internet doméstico.

[…] QUELLE: HACKERS PENETRAM COM SUCESSO 21 PRODUTORES DE GNL DOS EUA ANTES DA INVASÃO DA UCRÂNIA […]

[…] (Natural News) Em meados de fevereiro, poucas horas antes de a Rússia invadir a Ucrânia, quase duas dúzias de grandes fornecedores e exportadores de gás natural foram hackeados. […]

[…] (Natural News) Em meados de fevereiro, poucas horas antes de a Rússia invadir a Ucrânia, quase duas dúzias de grandes fornecedores e exportadores de gás natural foram hackeados. […]

[…] Em meados de fevereiro, poucas horas antes de a Rússia invadir a Ucrânia, quase duas dúzias de grandes fornecedores e exportadores de gás natural foram hackeados. […]

[…] Em meados de fevereiro, poucas horas antes de a Rússia invadir a Ucrânia, quase duas dúzias de grandes fornecedores e exportadores de gás natural foram hackeados. […]

[…] Em meados de fevereiro, poucas horas antes de a Rússia invadir a Ucrânia, quase duas dúzias de grandes fornecedores e exportadores de gás natural foram hackeados. […]

[…] Em meados de fevereiro, hackers obtiveram acesso a computadores pertencentes a atuais e ex-funcionários da nea… […]

[…] (Natural News) Em meados de fevereiro, poucas horas antes de a Rússia invadir a Ucrânia, quase duas dúzias de grandes fornecedores e exportadores de gás natural foram hackeados. […]

[…] Em meados de fevereiro, poucas horas antes de a Rússia invadir a Ucrânia, quase duas dúzias de grandes fornecedores e exportadores de gás natural foram hackeados. […]

Suzanne

NICE

[…] Hackers penetraram com sucesso em 21 produtores de GNL dos EUA pouco antes da invasão da Ucrânia […]

[…] Hackers penetraram com sucesso em 21 produtores de GNL dos EUA pouco antes da invasão da Ucrânia […]