Catastrófica: Guerra Tecnocrata Contra a Energia Americana

Compartilhe esta história!
Durante a campanha eleitoral de Biden, ele disse: “Chega de perfurações, inclusive offshore. Nenhuma capacidade para a indústria de petróleo continuar a perfurar, ponto final. Acaba.” Agora, ele está implorando à Arábia Saudita para nos vender petróleo por US$ 120/barril quando poderíamos ter produzido o mesmo barril por menos de US$ 50/barril. É assim que o plano da Tecnocracia para controlar toda a energia se parece. ⁃ Editor TN

O conflito na Ucrânia evoca uma estratégia da Segunda Guerra Mundial que todos esperávamos ter acabado para sempre: a vitimização e a morte de civis propositais para enfraquecer e desmoralizar a oposição. Infelizmente, os ativistas climáticos que parecem exercer controle excessivo sobre as políticas do governo dos EUA estão cobrando um preço similarmente alto do público americano em busca de seus objetivos ideológicos. Eles estão conduzindo o que chamamos de Guerra à Energia Americana, ou WOAE (pronuncia-se “WHOA!”)

As estratégias do WOAE incluem ações diretas, bem como funções de apoio e logística “atrás das linhas” menos óbvias. O mais destrutivo é o ataque ao abastecimento de combustível do país. Os funcionários da administração de Biden rescindiram as permissões para oleodutos existentes, como o Keystone XL; cancelou a venda de arrendamentos de exploração no Golfo do México e no Alasca; e atrasou a emissão de licenças para construção colateral, como estradas necessárias para usar arrendamentos de exploração existentes. Apesar de sua própria culpa por obstruções à perfuração, eles ameaçar cancelamento antecipado de arrendamentos “não utilizados”.

Para adicionar insulto à injúria, o presidente Joe Biden pediu energia às empresas para refinar mais e lucrar menos depois de desincentivar o investimento em combustíveis fósseis para alcançar “energia mais limpa”. Que tipo de desincentivo? Quem pode esquecer o enfático de Biden mensagem durante a campanha eleitoral sobre suas políticas energéticas se ele se tornar presidente: “Chega de subsídios para a indústria de combustíveis fósseis. Não há mais perfuração, incluindo offshore. Nenhuma capacidade para a indústria de petróleo continuar a perfurar, ponto final. Acaba.”

Os resultados são previsíveis: menos investimento em energia, resiliência diminuída contra interrupções no fornecimento e picos maciços nos preços dos combustíveis. E no início deste mês, o Proposta da EPA reverter uma regra da era Trump que limitava o poder dos estados e tribos nativas americanas de bloquear projetos de energia como gasodutos de gás natural, um certo caminho para aumentar custos e atrasos.

Tanto para a frase outrora muito elogiada, “independência energética americana”.

Os ativistas também estão engajados em uma implacável campanha de desinformação para esconder os desafios das fontes de energia renovável. A energia eólica e solar sem combustível fóssil suficiente ou bateria de backup produzirá apagões contínuos. O backup de bateria apenas para a região do oeste do Texas que perdeu energia por quatro dias em fevereiro de 2021 custaria cerca de US$ 20 bilhões (11,000 turbinas vezes 96 horas vezes dois megawatts por turbina-hora vezes US$ 100,000 por megawatt-hora para baterias).

Além disso, a construção de parques eólicos e solares consome milhões de toneladas de aço, concreto, plástico, etc., com alto custo de energia. Além disso, o gerenciamento de redes elétricas é extremamente complicado pela natureza variável da geração de energia a partir de fontes renováveis, incluindo a compra obrigatória de eletricidade excedente de consumidores com painéis solares em seus telhados.

Depois, há a fantasia de veículos elétricos (EVs) como uma panacéia. Subsídios caros continuam sendo necessários, e cada EV exige 250 toneladas de minerais a serem extraídos com um gasto energético de 86 milhões de BTUs, o que equivale a 1.5 pessoa-ano de total consumo de energia. Muitos dos elementos de terras raras e lítio necessários são escassos e vêm de partes hostis ou amplamente inacessíveis do mundo, como China, Congo e Rússia, e as demandas de baterias em escala industrial exacerbariam o problema. E embora o carregamento em residências unifamiliares pareça simples, os transformadores de energia da vizinhança geralmente se destinam a abastecer de oito a 10 residências sem EVs, pressagiando grandes renovações das redes locais. Além disso, estamos dispostos a rasgar nossas ruas para instalar carregadores para os moradores da cidade? E quem paga e gerencia uma infraestrutura de carregamento de garagem amplamente expandida? E tudo isso enquanto produzimos energia elétrica menos confiável e mais cara.

Paradoxalmente, a energia limpa ideal disponível – nuclear – continua sendo desfavorecida e há muito se dirige para a sucata da WOAE. Isso apesar da potencial de pequenos reatores modulares e até mesmo “baterias nucleares”, que pode ser usado para alimentar dispositivos e máquinas de qualquer tamanho, desde aeronaves e foguetes até carregamento veículos elétricos. Usinas nucleares perfeitamente seguras e funcionais estão sendo desativadas em um ritmo alarmante. A Alemanha agora lamenta profundamente a decisão da ex-chanceler Angela Merkel de eliminar a energia nuclear.

Leia a história completa aqui…

Sobre o autor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado

1 Comentário
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários

[…] Catastrófico: Guerra Tecnocrata Contra a Energia Americana […]