Guerra na Ucrânia continua crise na cadeia de suprimentos após pandemia

Compartilhe esta história!
A destruição da cadeia de suprimentos global continua inabalável. Isso é essencial para reduzir a economia global a cinzas antes de “reconstruir melhor” após a Grande Reinicialização. A nova ordem mundial do WEF terá uma cadeia de suprimentos radicalmente redesenhada, bem como um sistema monetário redesenhado; tudo será digital e baseado em blockchain. ⁃ Editor TN

Resumo

A guerra na Ucrânia desencadeou outra crise na cadeia de suprimentos, assim como as interrupções relacionadas à pandemia começaram a diminuir.

  • A Europa depende da Rússia, Ucrânia e Bielorrússia para as suas importações de energia, mas também para alguns produtos químicos, oleaginosas, ferro e aço, fertilizantes, madeira, paládio e níquel, entre outros.
  • Especialmente a dependência energética é uma vulnerabilidade, agora que a Rússia está exigindo pagamentos em rublos por suas exportações. É improvável que a Europa seja capaz de substituir totalmente o gás russo no curto prazo, enquanto a maior parte do petróleo russo e dos combustíveis fósseis sólidos poderiam ser substituídos.
  • Além de bens energéticos, o fornecimento interrompido de ferro-gusa e vários outros produtos de ferro e aço, níquel e paládio provavelmente terão o maior impacto na indústria da UE.
  • As cadeias de abastecimento da UE também podem ser distorcidas devido a interrupções de produção relacionadas com a guerra em países terceiros. A UE poderá enfrentar desafios na importação, por exemplo, de circuitos eletrónicos de países terceiros, uma vez que estes requerem insumos como o níquel e o gás neon provenientes da zona de guerra.
  • A Alemanha e a Itália são relativamente vulneráveis ​​à crise por causa de seus setores industriais relativamente grandes, forte dependência da energia russa e, no caso da Itália, forte dependência da Rússia e da Ucrânia para certas importações de ferro e aço e gás em seu mix total de energia

Será que algum dia recuperaremos o fôlego?

Assim que os problemas da cadeia de suprimentos causados ​​pela pandemia começaram a diminuir (Figura 1), a próxima crise se apresentou. A guerra na Ucrânia está deixando claro que grandes partes do mundo dependem da Rússia, Ucrânia e Bielorrússia para necessidades básicas, como alimentos, energia e outras commodities.

O comércio com a Rússia, Bielorrússia e Ucrânia (referido como a zona de guerra no restante desta peça) chegou perto de um impasse devido a uma ampla gama de sanções, auto-sanção (principalmente por empresas ocidentais) e produção e transporte fortemente interrompidos. na Ucrânia. Embora a participação geral no comércio mundial seja limitada para esses países, as interrupções no comércio podem ter grandes implicações tanto para empresas e indústrias específicas quanto para economias inteiras. Interrupções (tanto reais quanto temidas) nas importações da zona de guerra prejudicarão mais a UE do que menos as exportações para a zona de guerra. Não apenas porque a zona de guerra representa uma parcela maior nas importações da UE do que nas exportações (Figura 2), mas principalmente porque menos importações de commodities e produtos intermediários podem ter efeitos indiretos em vários processos de produção na UE.

In Parte I desta nota de pesquisa, vamos dar um zoom na dependência direta e indireta da UE em commodities não alimentares e bens importados da zona de guerra. Avaliaremos quais subsetores da indústria da UE são mais vulneráveis ​​às perturbações causadas pela guerra. Dentro Parte II comparamos a vulnerabilidade dos maiores países da zona do euro.

O renascimento das interrupções na cadeia de suprimentos

Além de petróleo e gás, Rússia, Bielorrússia e Ucrânia são produtores de uma série de commodities importantes que são usadas em itens do dia a dia ou na produção deles – como ferro-gusa, paládio e neon. Além das commodities, certas indústrias também dependem desses países para produtos intermediários. Um exemplo notável é a dependência de várias fábricas de automóveis alemãs de certas peças de automóveis produzidas na Ucrânia. Isso já levou a encerramento de várias fábricas de automóveis alemãs.

Podemos dividir os efeitos nas cadeias de suprimentos em efeitos de primeira e segunda ordem. Os efeitos de primeira ordem são causados ​​por uma redução no comércio direto entre a zona de guerra e a União Europeia. Existem dois tipos de efeitos de segunda ordem. A primeira é a redução do comércio entre a zona de guerra e países terceiros, o que resulta em menor oferta de produtos para a UE desses países terceiros. A segunda é a menor produção de bens intermediários da UE devido a preços de energia mais altos - ou mesmo escassez - como resultado da guerra e, consequentemente, menor produção de bens a jusante para os quais esses intermediários servem como insumos (Figura 3).

Leia a história completa aqui…

Sobre o autor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado
1 Comentário
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários
Anne

Não basta que Klaus Schwab e seu tipo desejem que as pessoas morram de fome, fiquem sem teto e vivam na pobreza. Espera-se que percamos nossa humanidade e salvação ao nos tornarmos transumanos, e também percamos a boa saúde.