Rockefeller Foundation: a ascensão, queda e renascimento das cidades resilientes da 100

Fundação Rockefeller
Compartilhe esta história!
image_pdfimage_print
O termo da ONU “Resiliente” significa tudo o que você deseja: “melhorar a mobilidade”, “quebrar o racismo estrutural”, “qualquer falha social e de infra-estrutura”, “análise preditiva” e até previsão do tempo. Portanto, é um termo genérico para a implementação da Nova Agenda Urbana e da Agenda 2030, também conhecida como Tecnocracia. ⁃ Editor TN

No final de abril, em uma reunião na prefeitura de Nova York, Raj Shah, presidente da Fundação Rockefeller, falou aos funcionários das Cidades Resilientes da 100. A organização sem fins lucrativos, lançada pela filantropia na 2013, ajudou cidades do mundo a planejar desastres naturais e choques sociais, especialmente os estragos causados ​​pelas mudanças climáticas.

No início daquele mês, a fundação havia anunciado abruptamente planos de fechar o programa. Agora Shah estava explicando o porquê.

"Não se trata de o caso das Cidades Resilientes da 100", disse Shah. "É uma mudança no foco da fundação em fornecer resultados mensuráveis ​​para pessoas vulneráveis ​​... com uma estrutura de orçamento que funcione."

Em uma gravação de vídeo vista posteriormente pelo CityLab, algumas pessoas que discavam dos escritórios de satélite eram transmitidas na parte inferior da tela, com expressões sombrias. Em agosto do 1, os funcionários do 86 da organização estariam desempregados. Nas prefeituras de todo o mundo, as autoridades que passaram a contar com seu apoio se perguntaram como manteriam as iniciativas de preparação climática à tona, incluindo a contratação de centenas de "oficiais de resiliência".

Mas agora estão sendo elaborados planos para avançar parte do trabalho do 100RC além da data de vencimento. Na semana passada, o presidente da organização sem fins lucrativos, Michael Berkowitz, disse à equipe que ele e um grupo de futuros oficiais da 100RC estavam se preparando para iniciar uma nova organização sem fins lucrativos com a missão de ajudar as cidades a implementar projetos de resiliência.

Além disso, a Rockefeller Foundation confirmou que pode manter vivos alguns elementos do programa Cidades Resilientes da 100.

Essas são mudanças significativas de eventos de apenas algumas semanas atrás, quando o futuro do 100RC parecia sombrio, apesar de seu status bem considerado nos círculos de planejamento climático. Para os governos locais, o chicote pode ser um lembrete dos riscos de contar com dólares privados para criar políticas públicas.

Fundada em 2013 pela Fundação Rockefeller, na sequência do furacão Katrina e da super-tempestade Sandy, a 100 Resilient Cities nasceu da ideia de que os governos locais precisavam de ajuda para planejar desastres e combater doenças sociais persistentes. Em uma rede de mais de cidades-membro globais da 100 - de Nova York a Nova Orleans, Roma a Ramallah, Montevidéu a Montreal - o grupo subscreveu salários para diretores de resiliência, conduziu planos de resiliência e forneceu aos líderes locais idéias, financiamento e assistência técnica.

Embora a organização sem fins lucrativos fosse mais conhecida pelos planos de adaptação climática, seu trabalho abrangeu muito mais. Por exemplo, em Boston, os líderes definiram resiliência como o colapso do racismo estrutural. Na Cidade do Panamá, tratava-se de melhorar a mobilidade. Uma cidade se tornou "resiliente" ao identificar virtualmente qualquer linha de falha social e de infraestrutura que um choque pudesse expor. A mudança foi mensurada em longo prazo. Em contraste com outras organizações sem fins lucrativos que concedem subsídios para projetos específicos, o modelo 100RC era incomumente flexível.

Leia a história completa aqui…

Junte-se à nossa lista de endereços!


Technocracy.News é o apenas site na Internet que relata e critica a tecnocracia. Reserve um minuto para apoiar o nosso trabalho no Patreon!
avatar
Subscrever
Notificar a