Flashback: Transhumanismo é a nova religião para os tempos pós-modernos

Compartilhe esta história!
Biden's Iniciativa Nacional de Biotecnologia e Biofabricação gira todo o governo para apoiar, avançar e incorporar o Transumanismo na América. Se o Transumanismo é uma religião, então Biden acaba de instituir uma religião estatal, que viola diretamente a Primeira Emenda. Leia este artigo palavra por palavra. ⁃ Editor TN

Estamos testemunhando o nascimento de uma nova fé. Não é uma religião teísta. De fato, ao contrário do cristianismo, judaísmo e islamismo, ele substitui um relacionamento pessoal com um Deus transcendente no contexto de um corpo de crentes por um abraço fervoroso e radicalmente individualista de recreação pessoal materialista nua.

Além disso, em contraste com a certeza cristã ortodoxa, judaica e islâmica de que os seres humanos são compostos de corpo material e alma imaterial – e que ambos são importantes – os adeptos da nova fé entendem que temos um corpo, mas o que realmente importa é mente, que é, em última análise, redutível a meras trocas químicas e elétricas. De fato, ao contrário da visão do cristianismo de um céu existente ou, digamos, da concepção do mundo como ilusão do budismo, a nova fé insiste que o físico é tudo o que foi, é ou será.

Tal pensamento leva ao niilismo. É aí que a nova religião deixa para trás as filosofias materialistas do passado, oferecendo esperança aos adeptos. Onde o teísmo tradicional promete salvação pessoal, a nova fé oferece a perspectiva de resgatar via extensão de vida radical alcançada por aplicações tecnológicas – uma reviravolta pós-moderna, se você preferir, na promessa da fé de vida eterna. Essa nova religião é conhecida como “transumanismo” e está na moda no Vale do Silício novo rico, filósofos universitários e entre bioeticistas e futuristas que buscam os confortos e benefícios da fé sem as responsabilidades concomitantes de seguir dogmas, pedir perdão ou expiar o pecado – um conceito estranho aos transumanistas. Verdadeiramente, o transumanismo é uma religião para nossos tempos pós-modernos.

Os profetas transumanistas antecipam um próximo evento neo-salvífico conhecido como “Singularidade”

O transumanismo faz duas promessas centrais. Primeiro, os humanos logo adquirirão capacidades aumentadas, não por meio de oração profunda, meditação ou disciplina pessoal, mas simplesmente tomando uma pílula, manipulando nosso DNA ou aproveitando a ciência e a tecnologia médicas para transcender as limitações físicas normais. Mais convincentemente, o transumanismo promete que os adeptos em breve experimentarão, se não a vida eterna, pelo menos a existência indefinida – neste mundo, não no próximo – através das maravilhas da ciência aplicada.

É aqui que o transumanismo se torna verdadeiramente escatológico. Os profetas transumanistas antecipam um evento neo-salvífico vindouro conhecido como “Singularidade” – um ponto na história humana em que o crescendo dos avanços científicos se torna imparável, permitindo que os transumanistas se recriem à sua própria imagem. Quer ter a visão de um falcão? Edite em alguns genes. Quer aumentar seu QI? Experimente um implante cerebral. Quer parecer uma morsa? Bem, porque não? Traços diferentes para pessoas diferentes, você não sabe?

Mais importante ainda, no mundo pós-Singularidade, a própria morte será derrotada. Talvez renovemos repetidamente nossos corpos por meio de substituições de órgãos clonados ou tenhamos nossas cabeças congeladas criogenicamente para permitir uma eventual ligação cirúrgica a um corpo diferente. No entanto, a maior esperança dos transumanistas é salvar eternamente suas mentes (novamente, em oposição às almas) por meio de upload pessoal em programas de computador. Sim, os transumanistas esperam viver sem fim no ciberespaço, criando suas próprias realidades virtuais, ou talvez fundindo suas consciências com as dos outros para experimentar a multi-existência.

Os transumanistas costumavam repudiar qualquer sugestão de que seu movimento fosse uma forma ou substituto da religião. Mas nos últimos anos, essa negação tem se desgastado cada vez mais. Por exemplo, Yuval Harari, historiador e transumanista da Universidade Hebraica de Jerusalém, disse ao The Telegraph: “Acho que é provável que nos próximos 200 anos ou mais Homo sapiens irão se atualizar em alguma ideia de um ser divino, seja por meio de manipulação biológica ou engenharia genética pela criação de ciborgues, parte orgânicos, parte não orgânicos.”

De acordo com Harari, as invenções humanas da religião e do dinheiro nos permitiram subjugar a terra. Mas com a religião tradicional diminuindo no Ocidente – e quem pode negar isso? – ele acredita que precisamos de novas “ficções” para nos unir. É aí que entra o transumanismo:

A religião é a invenção mais importante dos humanos. Enquanto os humanos acreditassem que confiavam cada vez mais nesses deuses, eles eram controláveis. Com religião, é fácil de entender. Você não pode convencer um chimpanzé a lhe dar uma banana com a promessa de que ele ganhará mais 20 bananas no paraíso dos chimpanzés. Não vai fazer isso. Mas os humanos vão.

Mas o que vemos nos últimos séculos são os humanos se tornando mais poderosos e não precisam mais das muletas dos deuses. Agora estamos dizendo: “Não precisamos de Deus, apenas de tecnologia”.

Ah! O velho estereótipo do fanático cristão barbudo de túnica e sandálias carregando uma placa dizendo: “O fim está próximo!” foi substituído por proselitistas do transumanismo como o autor Ray Kurzweil (famoso no Google), cujo manifesto transumanista mais vendido é intitulado, A singularidade está perto.

Não posso terminar este ensaio sem destacar uma distinção absolutamente crucial que deve ser feita entre o transumanismo e as fés ortodoxas, particularmente o cristianismo. O maior ideal do cristianismo é o amor. São João Evangelista escreveu: “Deus é amor”. Cristo ordenou aos cristãos que “amem uns aos outros como eu os amei”. Assim, os crentes entendem que a vida cristã exige vestir os pobres, visitar os doentes e os presos, etc. Porque, como Jesus ensinou na parábola das ovelhas e dos cabritos, quando fazemos essas coisas “aos menores, você o fez a Mim.”

Em contraste, a maior virtude do transumanismo é a inteligência

Em contraste, a maior virtude do transumanismo é a inteligência, e é por isso que aumentar a capacidade do cérebro humano é o segundo aprimoramento mais desejado do movimento depois de derrotar a morte. Assim, o empresário transumanista Bryan Johnson foi relatado pelo New Scientist como investir US$ 100 milhões para desenvolver um implante para aumentar a inteligência. “Cheguei à inteligência”, a história citou Johnson dizendo, porque “acho que é o recurso mais precioso e poderoso que existe”.

Em toda a literatura transumanista que li, vi pouco interesse em aumentar a capacidade humana de amar, além da compreensão mais carnal desse termo. Talvez seja porque mesmo os materialistas crassos entendem que o amor transcende o disparo de neurônios, aproximando-nos o máximo que somos capazes de expressar o divino. De fato, não é coincidência que um antigo teísta nos deu nossa descrição mais profunda do amor:

Se falo em línguas humanas e angélicas, mas não tenho amor, sou um gongo que ressoa ou um címbalo que ressoa. E se eu tiver o dom da profecia e compreender todos os mistérios e todo o conhecimento; se eu tiver toda a fé para mover montanhas, mas não tiver amor, nada serei. Se eu doar tudo o que possuo, e se entregar meu corpo para me gloriar, mas não tiver amor, nada ganho.

O amor é paciente, o amor é gentil. Não é ciumento, não é pomposo, não é inflado, não é rude, não busca seus próprios interesses, não é irascível, não se preocupa com a injúria, não se regozija com o erro, mas se regozija com a verdade. Ele tudo suporta, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. Amor nunca falha.

Você não encontrará nada tão profundo, significativo e sim, inteligente quanto o discurso de amor de São Paulo em qualquer manifesto transumanista. De fato, mesmo que finalmente nos reengenhemos na pós-humanidade, até e a menos que expandamos exponencialmente nossa capacidade de amar – que é uma disciplina espiritual, não um esforço mecanicista – nunca nos tornaremos as criaturas que desejamos ser.

Leia a história completa aqui…

Sobre o autor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado

5 Comentários
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários
JReste é o formato

CS Lews sobre Transhumanismo, That Hideous Strength, 1945, escreve o malvado Filostrato (precursor de Klaus Schwab). “Em nós, a vida orgânica produziu a Mente. Tem feito o seu trabalho. Depois disso não queremos mais. Não queremos mais o mundo coberto de vida orgânica, como o que vocês chamam de mofo azul – tudo brotando e brotando e se reproduzindo e se decompondo. Devemos nos livrar dele. Aos poucos, claro. Lentamente aprendemos como. Aprenda a fazer nossos cérebros viverem com cada vez menos corpo: aprenda a construir nossos corpos diretamente com produtos químicos, não... Leia mais »

Der Kommisar

Se todos podem receber um grande talento, então o talento não significa nada. Se todos podem receber um QI de Gênio, então o QI não significa nada. Se todos podem se tornar bonitos, então a beleza não significa nada. Se todos podem viver para sempre, então a vida não significa nada. A raridade de certas qualidades humanas é o que torna nossa espécie especial. O fato de não vivermos para sempre é o que torna cada momento especial. Essas pessoas estão doentes. Eles estão matando o sentido da vida.

[…] Flashback: Transhumanismo é a nova religião para os tempos pós-modernos […]

[…] Leia mais: Flashback: o transumanismo é a nova religião para os tempos pós-modernos […]

[…] Leia mais: Flashback: o transumanismo é a nova religião para os tempos pós-modernos […]