Expondo a idemia: o impulso para as identificações biométricas nacionais na América

Idemia: Identidade Aumentada
Compartilhe esta história!
image_pdfimage_print
Este é um relatório de leitura obrigatória sobre uma corporação que está ajudando a China a construir redes de espionagem e a Índia a criar um sistema de identificação nacional, mas também a criar carteiras de motorista nos EUA. A identificação pessoal é um requisito importante da Tecnocracia desde os 1930s: “Forneça um registro específico do consumo de cada indivíduo, além de um registro e uma descrição do indivíduo.” Editor Editor TN

Os riscos à privacidade e segurança aumentam a cada ano. O avanço da globalização e o crescimento da tecnologia da informação na maioria dos setores da economia, incluindo assistência médica, expuseram indivíduos, governos e empresas a hackers, ransomware, mineração de dados, violações de dados e muito mais.

Questões sérias emergem nesta era de rápido avanço tecnológico. O governo pode infringir os direitos de privacidade pessoal alegando fins de proteção? O governo pode reivindicar 'o bem comum' supera a garantia constitucional de liberdade do indivíduo?

Com essas perguntas em mente, como os americanos devem responder ao crescimento dos mandatos de identificação biométrica, como o requisito biométrico de varredura facial em REAL ID, o novo sistema de identificação nacional 'de fato' do país?

Benjamin Franklin, entendendo essa tensão, priorizou a liberdade: aqueles que desistiriam da liberdade essencial, para comprar um pouco de segurança temporária, não merecem liberdade nem segurança.

Embora o Sr. Franklin não pudesse prever nosso mundo tecnológico, incluindo computadores, Internet, smartphones e registros eletrônicos de saúde, seu sentimento ainda é verdadeiro. A segurança deve ser vista através das lentes americanas da liberdade individual, incluindo os direitos de privacidade. Ao contrário de outros países que impuseram sistemas de identificação nacional, o Congresso e o governo federal são limitados por disposições de proteção na Constituição dos Estados Unidos. O perigo dos esquemas de identificação biométrica é resumido de forma concisa em uma publicação da Electronic Frontier Foundation denominada "IDs obrigatórios e bancos de dados biométricos:"

Os cartões de identificação nacionais e os bancos de dados por trás deles constituem a pedra angular dos sistemas de vigilância do governo que criam riscos à privacidade e ao anonimato. A exigência de produzir carteiras de identidade sob demanda habitua os cidadãos a participar de sua própria vigilância e controle social.

A liberdade perdida não é facilmente recuperada. Os autores da Constituição dos EUA e sua Declaração de Direitos entenderam a importância da privacidade para a liberdade e a segurança. A Quarta Emenda consagra a segurança pessoal, protegendo a privacidade: "o direito do povo de ser seguro em suas pessoas, casas, papéis e efeitos, contra buscas e apreensões irracionais, não deve ser violado". A perda do direito individual de ser o livre seria a maior insegurança de todas.

A idemia, o foco deste relatório, não é um nome familiar, apesar de seu alcance nos assuntos privados e comerciais da maioria dos americanos. O avanço da empresa em estratégias de dados biométricos, bancos de dados e dispositivos de varredura para controle de acesso e entrada - “identificação aumentada” - também é provavelmente desconhecido. No entanto, esta empresa global está familiarizada com a maioria dos cidadãos americanos, cujas informações privadas fluem através de seus equipamentos, bancos de dados e produtos de software. Dito isto, não está claro se a Idemia realmente armazena esses dados a longo prazo. Um artigo no TSA PreCheck, o programa que acelera a liberação na segurança do aeroporto, diz que os dados e as impressões digitais dos candidatos ao programa não são armazenados pela Idemia. A empresa simplesmente os coleta para o programa e os envia ao FBI, que os destrói ou os envia de volta.

Este relatório procura familiarizar os americanos e seus representantes eleitos com Idemia e cartões de identificação biométricos - e chamar a atenção da nossa organização de que os requisitos atuais ou futuros de identificação aumentada possam impactar negativamente a liberdade individual e o acesso do paciente a serviços médicos.

Além disso, como costumamos dizer: “Quem detém os dados faz as regras.” Terceiros que coletam, armazenam ou têm o poder de acessar dados pessoais de americanos sem o seu consentimento também têm o poder de usar esses dados para interferir na vidas pessoais e escolhas particulares dos indivíduos. Este relatório adicionará peso a essa realidade

APRESENTANDO IDEMIA E BIOMETRIA

Imagine-se sentado em um banco solicitando um cartão de crédito e acenando com a mão através de um scanner, permitindo que o banco capture uma digitalização biométrica. Ou imagine ser solicitado a digitalizar sua impressão digital para usar esse cartão para pagamento. Imagine seus documentos de identificação sendo armazenados em seus dispositivos móveis ou digitais e desbloqueados com uma varredura biométrica da face, semelhante à maneira como o Face ID,

A nova tecnologia da Apple desbloqueia o iPhones.4 Visualize andando em um aeroporto e fazendo com que os scanners capturem sua biometria facial, íris e de impressões digitais à medida que você passa por cada fase da segurança ou chega ao seu portão. Escolha um carro alugado online e imagine usar seu ID biométrico para desbloquear e operar o carro em vez de uma chave.

A idemia, que se autodenomina "líder global em identidades confiáveis", já a imaginou. Esses sistemas de identificação aumentada que usam biometria individual para entrada, acesso e transações comerciais são retratados em um vídeo encontrado no site da Idemia e disponível no YouTube.5 A empresa se considera "o número um do mundo" no mercado de algoritmos biométricos e de tecnologia de sensores.

Leia a história completa aqui…

Junte-se à nossa lista de endereços!


avatar
Subscrever
Notificar a