Estudo: Pfizer Lied, mRNA Shot pode mudar seu DNA depois de tudo

dnaWikipedia Commons
Compartilhe esta história!
O cartel biomédico continua a vender a narrativa de que as injeções de mRNA permanecem no local onde são injetadas, não se espalham para outras partes do seu corpo e não afetam seu DNA. De fato, estudos definitivos agora revelam que as injeções levam apenas seis horas para chegar ao fígado, onde ocorre a transcrição reversa para modificar seu DNA. Os cientistas da Big Pharma foram tão estúpidos para não perceber que isso aconteceria ou foi intencional começar a transformação do DNA da humanidade? ⁃ Editor TN

Um novo estudo sueco publicado em MDPI descobriram que a vacina da Pfizer entra nas células do fígado e se converte em DNA, desafiando as alegações até agora de que as vacinas de mRNA COVID-19 não mudam ou interagem com seu DNA de forma alguma.

É a primeira vez que os pesquisadores mostraram in vitro – ou dentro de uma placa de Petri – como uma vacina de mRNA é convertida em DNA em uma linhagem de células do fígado humano, informou o Epoch Times.

É precisamente o que especialistas em saúde e verificadores de fatos disseram que por mais de um ano não poderia ocorrer.

O Dr. Peter McCullough, internista, cardiologista e epidemiologista que é um dos principais críticos das vacinas contra a COVID, disse que as descobertas têm “enormes implicações de mudança cromossômica permanente” que pode levar a “todo um novo gênero de doença crônica”.

O CDC garante aos americanos que o mRNA e a proteína spike que produz nas vacinas COVID-19 para criar uma resposta imune “não duram muito no corpo”. Em seu site, a agência afirma: “Nossas células quebram o mRNA e se livram dele alguns dias após a vacinação. Os cientistas estimam que a proteína spike, como outras proteínas que nosso corpo cria, pode permanecer no corpo por algumas semanas”.

Além disso, o CDC diz em uma página da Web intitulada “Mitos e fatos sobre as vacinas COVID-19” que o “material genético entregue pelas vacinas de mRNA nunca entra no núcleo de suas células”.

No entanto, os pesquisadores da Universidade de Lund em Malmö, Suécia, descobriram que a vacina de mRNA entra nas células do fígado humano e aciona o DNA da célula no núcleo para aumentar a produção da expressão do gene LINE-1 para produzir mRNA.

Todo o processo ocorreu rapidamente, em seis horas, concluiu o estudo, publicado pelo Departamento de Ciências Clínicas da universidade.

A Pfizer não comentou as descobertas do estudo, informou o Epoch Times, afirmando apenas que sua vacina de mRNA não altera o genoma humano.

Sobre o autor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado

5 Comentários
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários
Kris

Os filhos da puta que criaram os venenos e o vírus gerado em laboratório para acompanhá-los precisam estar na fila em Haia pela forca. Isso vale para os médicos e enfermeiros e as pessoas que trabalham no CDC, FDA, NIAID, NIH e qualquer outra agência governamental de dois bits que SABIAM sem sombra de dúvida que os jabs são venenosos e mantiveram suas bocas fechadas de qualquer maneira para que pudessem fazer o seu caminho para a aposentadoria ou manter seus empregos. Eles são pedaços de merda inescrupulosos e egoístas que são tão culpados quanto os psicopatas... Leia mais »

Sammy Woo

E todos vocês pensam que os produtos químicos nos alimentos não são nada demais.

[…] Fonte Notícias da Tecnocracia Jul […]

[…] *** Estudo: Pfizer Lied, mRNA Shot pode mudar seu DNA depois de tudo […]