Escondendo à vista: tirania tecnocrática por trás de uma máscara médica

Compartilhe esta história!
Um novo jornal chamado Propaganda em foco acaba de ser lançado e traz este artigo de leitura obrigatória sobre a Tirania Tecnocrática. Este artigo examina a criação, construção e papel da propaganda durante a pandemia: “a tecnocracia nos atrairá, da segurança dos pontos cegos em nosso estresse e trauma e medo, cada vez mais perto do precipício”. ⁃ Editor TN

Pode haver pouca dúvida de que a dominação global da big tech, que se formou nos últimos 250 anos, se deve em grande parte à propaganda que a sustenta, que integra a humanidade em um coletivo universal que captura, controla e manipula o mundo material, seus múltiplos recursos e processos naturais, de forma a beneficiar as pessoas no poder. À medida que a busca fervorosa do lucro monetário nos impulsiona cada vez mais para os desenvolvimentos tecnológicos, também nos abençoa com as inovações que buscamos, bem como com a nova consciência de caminhos mais eficientes para aumentar a inovação tecnológica. O resultado é o aumento dos lucros futuros. Esse ciclo de retroalimentação permanente de conceituação-produção-lucro-inovação, no entanto, tem uma fraqueza quase imperceptível, ao que parece, para aqueles totalmente investidos mental e monetariamente no sistema que desenvolveu o mundo até o estágio atual.

Nossa busca natural, como humanos, pelas melhores ferramentas para estender nossas limitações físicas e por tecnologias para estender nosso conhecimento limitado para fins aplicados, foi corrompida e prejudicada. A ideologia ordena que as pessoas possuidoras de desejos irracionais de lucro e poder manifestem em todas as esferas da vida os ditames do feudalismo tecnocrático. O domínio global da big-tech pode ser entendido como uma espécie de “tubo de sucção destrutivo demoníaco”, como observou Martin Luther King, sugando o mundo natural, os recursos materiais, o tempo, a energia, os corpos e o intelecto de homens enganados para abraçar e participar da construção de suas próprias prisões – mentais e físicas. Quando a aparência de lucro é percebida à espreita em alguma nova possibilidade tecnológica, o tubo de sucção se move para aspirar outra alma. No centro desse universo de big-tech está o buraco negro da moeda do banco central, desatado a qualquer commodity intrinsecamente valiosa.

Entramos no mundo nus e famintos apenas para enfrentar um vasto e implacável sistema de propaganda que nos atrai para o mito difundido de que todas as grandes atividades da vida se voltam para a aquisição dessa maior das fraudes. O dinheiro, no capitalismo avançado, is a tecnologia proeminente que agora ameaça se transformar em uma forma nova e mais eficiente de seu disfarce atual (moeda fiduciária). O meio material da moeda, usado por milênios, de propriedade e reproduzido hoje pelo sistema global de bancos centrais, em breve se transformará em uma nova tecnologia – a cunhagem em bits e bytes digitais. Se a tecnologia deve preencher lacunas no conhecimento de como aplicar nossos propósitos, o dinheiro se tornará a tecnologia-chave que (des)tranca todos os portões para a liberdade e a riqueza.

Este artigo traça a história dos principais desenvolvimentos tecnológicos à medida que são enquadrados pelos principais criadores de mitos na grande mídia encarregados de gerenciar a percepção do público e sustentar esse vasto sistema de engano. Nosso objetivo é dar uma visão geral da tecnologia como a alegada salvadora da humanidade e oferecer uma análise crítica da propaganda que busca integrar a humanidade nesse projeto global de desenvolvimento tecnológico perene. Vemos a tirania tecnocrática como um estado de existência mantido pelos capitães de “Grande Digital” - Como Michael Rectenwald observa,

“os serviços de mega-dados, mídia, cabo e serviços de internet, plataformas de mídia social, agentes de Inteligência Artificial (IA), aplicativos e os monopólios em desenvolvimento… [que] serão… incorporados pelo Estado ou se tornarão elementos do um novo poder estatal corporativo”.

Dividimos o artigo em oito seções, usando a propaganda da Covid-19 como exemplo ilustrativo. A primeira aborda a história moderna da propaganda como um sistema organizado de persuasão de massa informado por teorias em psicanálise e como esse sistema tem sido usado pelos centros de poder para vender guerras, políticas e produtos. A implantação da crise do Covid-19 serviu como meio para fabricar o consentimento para uma nova ordem social, econômica, política e religiosa, conhecida diversamente como a Ótimo reset, Quarta Revolução Industrial (ou Nova Ordem Mundial). A segunda aborda como governos e agências colaboram com grandes empresas de tecnologia para criar e gerenciar a percepção do público por meio da mídia. A terceira analisa como as emoções do público são manipuladas na fabricação de conformidade com políticas e planos estatais questionáveis. A quarta aborda como a propaganda da big tech permite que enormes burocracias globais não eleitas, financiadas em grande parte por gigantes corporativos transnacionais de tecnologia, minem a soberania nacional e a vontade do povo.

O quinto discute interconexões e interesses sobrepostos entre governos, agências de inteligência e grandes empresas de tecnologia que desenvolvem as arquiteturas tecnológicas há muito planejadas de uma nova economia digital biossegura: a operação de manutenção de portões mais sofisticada desde que os monarcas governaram. O sexto discute o desenvolvimento de armas e sua conexão com a medicina de grande tecnologia. A sétima reflete sobre campanhas de propaganda anteriores lançadas por empresas de relações públicas, que serviram para identificar um inimigo comum, provocar indignação e histeria e como, hoje em dia, os mesmos tipos de operações estão em ação normalizando o colapso das sociedades e a captura de instituições públicas. A seção final discute os padrões de engano em massa planejado e controle social, passado e presente, por meio de programas psicológicos e tecnológicos e o que esses programas oficiais prenunciam para o futuro.

1. O que a propaganda da Big Tech nos vendeu até agora?

É útil voltar nossa atenção, primeiro, para o século passado, quando as técnicas de propaganda foram informadas por pesquisas em psicanálise e, posteriormente, codificadas e aplicadas em uma indústria global conhecida hoje como Relações Públicas (relações públicas, comunicações estratégicas etc.). Em sua obra seminal, Propaganda (1928), Edward Bernays destaca que “a máquina a vapor, a imprensa múltipla e a escola pública – esse trio da revolução industrial – tiraram o poder dos reis e o entregaram ao povo. O povo realmente ganhou o poder que o rei perdeu. Pois o poder econômico tende a atrair o poder político; e a história da revolução industrial mostra como esse poder passou do rei e da aristocracia para a burguesia. O sufrágio universal e a escolarização universal reforçaram essa tendência e, por fim, até a burguesia ficou com medo das pessoas comuns. Pois a massa prometeu tornar-se rei”.

O que a aristocracia perdeu, no entanto, por um breve período de tempo nos últimos 250 anos, desde então recuperou sob a forma de poder global, consolidado nas mãos de corporações transnacionais”.Giants” como Peter Phillips descreve em seu livro. Aliados aos governos, os gigantes desta era atual trabalham para minar os processos eleitorais democráticos e mistificar as políticas e as relações de poder da elite que desapropriam as massas de sua capacidade de reproduzir suas vidas. Como membros da cultura de massa, somos presenteados com um espesso véu de mensagens de relações públicas fabricadas para escolas públicas e consumo de mídia, para entorpecer mentes e apagar os processos de raciocínio dos consumidores, desviando sua atenção de questões de importância pública vital. As tecnologias de comunicação de massa revelam e ocultam — expondo os cidadãos a ilusões necessárias pretendia fabricar o consentimento para o sistema de expropriação e ocultar da vista pública o mundo empírico.

Em uma exposição da relação entre as elites do poder e a propaganda contemporânea, o professor de Sociologia Política e Sociologia da Mídia, Peter Phillips e seus colegas, escreveram um capítulo em 2017 intitulado “Vendendo Império, Guerra e Capitalismo: Relações Públicas e Empresas de Propaganda a Serviço da Classe Capitalista Transnacional”. Os autores descreveram um aparato global de produção de notícias em que mais de 80% das “notícias” são fornecidas a organizações de “notícias” por empresas de relações públicas e propaganda (PRP) que representam corporações, governos, agências de inteligência militar e uma “superclasse” de elite transnacional. (também conhecido como Aristocracia Tecnocrática Gerencial). Essa superclasse transnacional é composta por “elites do mundo que atendem a Davos, voam em jatos particulares, interconectam-se a megacorporações e criam políticas – pessoas no pico absoluto da pirâmide de poder global”. No ápice da pirâmide de poder global estão “organizações como o Banco Mundial, Fundo Monetário Internacional, o Grupo dos Sete (G7) e o Grupo dos Vinte (G20), Fórum Social Mundial, Comissão Trilateral, Grupo Bilderberg, Banco de Compensações Internacionais , e outras associações transnacionais.”

A implicação, escreveu Phillips et al. em 2017 é que, “os jornalistas estão assumindo uma posição secundária cada vez mais dependente das empresas de PRP e comunicados de imprensa do governo na mídia corporativa ... O mundo hoje enfrenta um império PRP-militar-industrial-mídia tão poderoso e complexo que, na maioria dos locais de notícias, verdades básicas sobre eventos mundiais são ocultadas, distorcidas ou simplesmente não relatadas. tudo."

Um mecanismo crucial no poder de fogo da mídia militar-industrial complexo é o canal de informações para a mídia ocidental por meio de apenas três canais. A organização Swiss Policy Research observa que, “é um dos aspectos mais importantes do nosso sistema de mídia e, no entanto, pouco conhecido do público: a maior parte da cobertura internacional de notícias na mídia ocidental é fornecida por apenas três agências globais de notícias com sede em Nova York, Londres e Paris”. São eles Reuters, AFP e AP, que juntos atuam não apenas como gatekeepers, mas como “multiplicadores de propaganda”. Tal é o mundo de hoje nas garras de poderosas forças de consolidação corporativa e captura de instituições democráticas. “O papel-chave desempenhado por essas agências”, observou a análise da Swiss Policy, “significa que a mídia ocidental frequentemente relata nos mesmos tópicos, mesmo usando o mesma redação".

Como se para demonstrar o incrível poder da máquina global de propaganda de notícias, no início de 2020, as populações globais adormeceram durante um ciclo de notícias e acordaram no dia seguinte como se estivessem radiantes por Scotty de Jornada nas Estrelas fama em uma realidade social e política radicalmente nova. Com manchetes espalhando notícias em uníssono de um misterioso novo vírus assassino à solta, escapando dos campos de extermínio dos mercados úmidos de Wuhan, os cidadãos foram atacados por uma blitzkrieg de informações chovendo confusão, medo e caos, embalados como notícias. A mídia herdada e as plataformas de mídia social uniram forças para implantar rodadas intermináveis ​​de revelações explosivas fragmentárias na forma de histórias, atualizações, trechos, números, avisos, anúncios, análises e conselhos oficiais, repletos de imagens vívidas de animais em vários estágios de higiene e desumano abate, pessoal em trajes de proteção e pessoas caindo mortas. Essas simulações globais de caos e desordem fizeram com que os cidadãos lutassem pela segurança de suas casas e pela segurança das respostas. Respostas decisivas. Respostas coerentes. Quaisquer respostas. E rápido.

É um novo coronavírus mortal!

Você está desprotegido!

Todo mundo é perigoso!

Você é um risco biológico!

Fique em casa!

Siga as instruções!

Uma vez que as nuvens de histeria e confusão começaram a se estabelecer e os contornos de um “Novo Normal” começaram a tomar forma, a Big Tech emergiu das nuvens do caos envoltas em um manto do Admirável Novo, tendo sido coroado o principal guardião de uma disciplina do Admirável Novo: A Ciência™. Como The Science™ (também conhecido como Anthony Fauci) avançado, com a Big Tech patrulhando o margens de opinião aceitável, cidadãos atordoados e em estado de choque lutaram com os estilhaços de seu conhecimento anterior, tentando reunir uma compreensão razoável do que acabara de ocorrer, como se sua sobrevivência dependesse disso, o que o Google e o Facebook disseram que sim. No processo, eles se viram agarrados a suas notícias familiares e feeds de mídia social, agarrando-se cada vez mais firmemente aos seus canais preferidos, com o abraço congelado de uma criança assustada.

Onde mais eles poderiam buscar suas doses diárias de informações confiáveis ​​para combater o The Virus™ e, portanto, sobreviver? De que outra forma eles poderiam navegar no novo e confuso mundo microbiologicamente perigoso que de repente se viram habitando? Quem mais além da Big Tech e da Big Media para fornecer o fluxo caleidoscópico de conselhos médicos que eles ansiavam, para aliviar o trauma de ser perseguido em todos os lugares o tempo todo por um patógeno misterioso e mortal, à espreita na respiração e no toque de seu amigo mais querido, prometendo transformá-los em vetores de doenças mortais? E onde mais além da Big Tech e da World Wide Web, qualquer um de nós poderia ir para continuar conduzindo nossas vidas diárias? Tendo sido banido do mundo natural, o mundo online mediado era nosso único recurso.

E assim, com isso, a Big Tech implantou um ciclo de notícias em rápida rotação para penetrar profundamente no tecido de nossas vidas, para tornar as narrativas elementos integrantes da mente do público e da psique de cada pessoa. Enquanto uma vez a tecnologia foi uma conveniência e uma ajuda (se não às vezes uma distração), agora dificilmente poderíamos viver sem ela. UMA emergência de saúde global fabricada com a lei marcial pseudo-médica permitiu que a Big Tech construísse não apenas consentimento, mas simbiose social – conectando um cordão umbilical tecnológico do sistema social e econômico à humanidade e nossas vidas diárias. Um pequeno passo à frente para Facebook, Microsoft e Google, talvez, mas um salto gigante para as economias digitais e a próxima Era Virtual de um novo Metaverso.

À medida que “duas semanas para achatar a curva” se transformavam em meses e anos, Klaus Schwab, o fundador do Fórum Econômico Mundial, representando as elites de Davos que voavam em jatos particulares e formuladores de políticas do mundo, seguiu atrás da Big Tech como um Arauto de antigamente, soando a chegada do Ótimo reset e o Quarta Revolução Industrial. Nossos agentes de identidades digitais, físicas e biológicas logo se fundiriam, ele proclamou, como parte de um “better” e um mundo mais sustentável. A tecnologia guiada pelas mãos amorosas dos gigantes da tecnologia nos salvaria de nossos pestilento e eus esbanjadores, e nos livra de patógenos. Microsoft, Oráculo e o Gates aproveitou a oportunidade, juntamente com a inteligência militar empreiteiro de espionagem MITRE, para estabelecer a infraestrutura para certificação digital e identidades digitais, enquanto todos nos acostumamos a nos escanear dentro e fora de onde quer que vamos, deixando um rastro digital atrás de nós, rastreado, rastreado e anexado como nunca antes aos nossos telefones. A seguir na agenda tecnológica do Brave New, Schwab nos informa, é a imersão em uma realidade virtual que “contém ambientes onde ganharemos dinheiro [e] forjaremos relacionamentos … e o significado da própria realidade evoluirá” [1].

As finanças globais estão cantando a partir do mesmo hino e apostando em sua economia digital e mundo virtual há muito planejados, repletos de seres humanos tecnologicamente aprimorados. Em 2021, o Bank of America emitiu conselhos de investimento “Moonshot”, listando 14 “áreas de disrupção” lucrativas que prometem proporcionar um benefício financeiro, incluindo interfaces cérebro-computador, IA emocional, humanos biônicos, biologia sintética e um universo de “mundos virtuais que interoperam uns com os outros substituindo a internet/mundo físico.” Bloomberg escreveu sobre os lançamentos lunares do Bank of America, “as 14 tecnologias destacadas para o futuro representam atualmente apenas US$ 330 bilhões em tamanho de mercado. Combinados, eles podem aumentar 36% ao ano para US$ 6.4 trilhões até a década de 2030. Para contextualizar, os lucros das empresas do S&P 500 cresceram 6% ao ano historicamente.” Os três principais acionistas do Bank of America incluem a BlackRock, a maior gestora de ativos do mundo. Descrito como um “poder mundial secreto"E"o quarto ramo do governo”, na medida em que as “fronteiras entre o estado e a oligarquia financeira são praticamente inexistentes”, espera-se que a BlackRock desempenhe um papel central nos aspectos bancários e de moeda digital/criptográfica das próximas identidades e economias biométricas digitais, potencialmente com -controle social imposto.

Enquanto isso, a Microsoft apresentou um pedido de patente, curiosamente numerado 2020 060606, para tecnologia com a qual dados de atividade do corpo humano e do cérebro podem ser coletados, usados ​​para minerar e premiar criptomoedas e serem transmitidos para dispositivos conectados à web, sejam smartphones, computadores ou dispositivos sem tela no Internet das Coisas ea próxima Internet dos corpos. Os dados a serem coletados e transmitidos durante a execução de várias tarefas atribuídas incluem calor corporal, imagens internas, movimentos oculares, fluxo sanguíneo e atividade elétrica cerebral. Os sensores com os quais esses dados de atividade corporal interna e externa seriam coletados, de acordo com o pedido de patente, “incluem, por exemplo, mas não se limitam a, scanners ou sensores de ressonância magnética funcional (fMRI), sensores de eletroencefalografia (EEG), Sensores de espectroscopia de infravermelho próximo (NIRS), monitores de frequência cardíaca, sensores térmicos, sensores ópticos, sensores de radiofrequência (RF), sensores ultrassônicos, câmeras ou qualquer outro sensor ou scanner que possa medir ou detectar a atividade do corpo ou escanear o corpo humano . Por exemplo, a fMRI pode medir a atividade corporal detectando alterações associadas ao fluxo sanguíneo. A fMRI pode usar um campo magnético e ondas de rádio para criar imagens detalhadas do corpo (por exemplo, fluxo sanguíneo no cérebro para detectar áreas de atividade). Se os sensores que transmitem esses dados para dispositivos externos e o blockchain seriam macro, micro ou nano em escala é deixado em aberto, assim como o método de sua conexão e/ou implantação no host do produto humano-animal.

As implicações para a vigilância em massa em tempo real, autonomia corporal e integração com identidades digitais, moedas digitais e mundos virtuais são gritantes e alarmantes, principalmente devido aos pronunciamentos feitos pelos gigantes da Quarta Revolução Industrial de que nosso identidades digitais, físicas e biológicas em breve se fundirão. Elon Musk imediatamente nos adverte que o risco de “superinteligência digital” ser armada contra populações pelos poderosos é “muito mais perigoso do que armas nucleares.” Ao mesmo tempo, porém, ele vende simultaneamente a inevitabilidade da entregando nossa participação significativa na sociedade à superioridade da IA ​​e buscando refúgio em uma fusão entre inteligência biológica e inteligência de máquina digital, ou entre cérebro e tecnologia. Muito do glamour que aparece no discurso de propaganda da Big Tech encobre e oculta a força de tensão das cadeias digitais que prendem os seres humanos no metaverso de suas próprias cavernas digitais – um simulacro generalizado no qual os habitantes confundem o hiper-real mediado com o mundo empírico onde Os gigantes da tecnologia acumulam e usam o poder de julgar quem pode participar da Nova Economia Mundial. Mas como chegamos aqui? Onde está o clamor? Para onde a humanidade?

2. Conjurando ilusões com informações: encantamento como notícias

A Big Tech está no centro da comunicação dos alegados benefícios de tolerar a existência humana em um mundo global. simulacro. Oferecendo uma janela para as táticas pelas quais as elites mantêm a estrutura de poder e suas relações-chave por meio do engano e, assim, induzem as populações a cumprir involuntariamente agendas que de outra forma rejeitariam, em 2014 A Interceptação publicado um conjunto de materiais de treinamento vazados projetados para aqueles encarregados de enganar o mundo. Os materiais foram desenvolvidos pelo Grupo Conjunto de Inteligência de Pesquisa de Ameaças do Reino Unido (JTRIG daqui em diante) - uma unidade de operações cibernéticas da Agência de Inteligência de Sinais do Reino Unido, GCHQ, encarregada de visar questões de terrorismo. Desde sua publicação em 2014 e desde que o significado de “terrorismo” se expandiu recentemente para incluir qualquer um que questione a sabedoria política predominante, os materiais JTRIG são cruciais para entender como a manipulação e o controle de massa são alcançados. Os materiais de treinamento foram chamados de “A arte do engano: treinamento para uma nova geração de operações secretas” e foram apresentados no que a NBC News descreveu como Conferências de espionagem cibernética da NSA em 2010 e 2012.

Leia a história completa aqui…

Sobre o autor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado

9 Comentários
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários
Paul

Esse site parece bastante esquerdista? Vejo que estão usando, de maneira séria, o termo “capitalismo tardio”, que é basicamente um termo marxista. Outros artigos também parecem inclinados contra o capitalismo de livre mercado de maneira, francamente, propagandística.

Não estou dizendo para jogar fora o bebê com a água do banho, mas cuidado com os artigos que eles escrevem.

Daniel Broudy

Paulo, obrigado pelo excelente ponto. Você certamente está certo em olhar cuidadosamente para a linguagem como código para associações mais profundas além do significado explícito no nível da frase, mas parece-nos que os gigantes desta era tecnocrática atual não vêem diferença entre esquerda e direita. São, para ser mais precisos, duas faces da mesma moeda – ilusões necessárias propagadas pelos poderosos que deixam o povo dividido sobre a melhor forma de governar, enquanto os donos dos meios de produção saqueiam o mundo social e natural. Nosso próximo artigo explorará como a análise de Marx fica aquém do que é realmente... Leia mais »

kelly pappas

Artigo incrível. Cabe a nós salvar a humanidade! Eles não estão pegando minha alma!

Jim

As patentes são verificadas. As universidades vêm trabalhando nisso há décadas. A computação líquida e a sincronização com o cérebro humano e a impressão de DNA têm sido praticadas por muitos desde o final dos anos 80 e 90. Este é o quão longe ele chegou. Projeto “DARPA” VAZADO, prova que eles escondem isso há anos PS: isso não é brincadeira https://www.youtube.com/watch?v=4YUt60xp21s EM ou magnetismo sob demanda, computação quântica e modelagem de comportamento através de uma série do que é um mapa de atividades porém não é capaz das permutações de uma realidade analógica DARPA e Spintronics https://www.youtube.com/watch?v=kZwpfuRQweo Eu não vou... Leia mais »

Nigel Watson

Estamos no meio da batalha final entre o bem e o mal. E, é tempo de colheita! Deus está permitindo que Satanás separe o joio do trigo. Quem se lembra da Madonna no Eurovision, toda mascarada cantando: “nem todos nós vamos conseguir”? Ela estava certa, mas não pelas razões que ela imaginava. É hora de decidir; não mais sentado em cima do muro. E as apostas não poderiam ser maiores! https://www.youtube.com/watch?v=IJqBaTBNM9k&t=115s

[…] Escondendo à vista: tirania tecnocrática por trás de uma máscara médica […]

[…] Leia mais: Escondendo à vista: tirania tecnocrática por trás de uma máscara médica […]

[…] Leia mais: Escondendo à vista: tirania tecnocrática por trás de uma máscara médica […]

Emily

Mais preciso em termos do que é “Esconder-se à Vista” e o que constitui TODA a verdade sobre a “Tirania Tecnocrática” e a loucura do mundo são “Os 2 Elefantes Cor-de-Rosa Casados ​​na Sala Histórica” – veja Verdades épicas proibidas sobre a pandemia de coronavírus Covid-19

A menos que abordemos construtivamente TODA a verdade, não iremos a lugar nenhum…