Dia 11: Tecnocracia e a ascensão do tecno-populismo

Compartilhe esta história!
image_pdfimage_print

Se você deseja iniciar uma discussão em uma sala cheia de cientistas políticos, pergunte o que eles pensam sobre o populismo. Este é um termo vago que significa algo para todos e nada para ninguém.

No sentido mais simples, o populismo é um movimento de cidadãos comuns contra a elite que eles percebem que estão dominando erroneamente sobre eles. O problema é que não importa se o movimento é esquerdo, direito ou centrista.

Diz-se que o presidente Donald Trump está enfrentando a onda do populismo porque ele é considerado contra o chamado "Estado Profundo" das elites que têm um domínio sobre o sistema político dos EUA.

O líder comunista da Bolívia, recentemente deposto, Evo Morales, teria liderado um movimento populista quando ele subiu ao poder. Infelizmente, as coisas mudaram quando um movimento populista novo e mais inclinado à direita surgiu para expulsá-lo.

A realidade preocupante de todos os movimentos populistas é que nenhum deles realmente sabe como administrar um país. Eles sabem do que não gostam, mas não têm políticas práticas que consertem as coisas. Freqüentemente, um grupo populista se concentrará em uma única questão ou em um grupo restrito de questões que se tornaram importantes por várias razões, mas quando lhes perguntam sobre políticas mais amplas para administrar todo o país, a discussão se desfaz.

O apelo do tecnocrata

Normalmente, os tecnocratas são vistos como opostos aos populistas, e por boas razões. Os tecnocratas geralmente não são eleitos e são responsáveis ​​por suas ações, e tomam decisões importantes sem nenhuma conexão com a vontade do povo.

No entanto, os tecnocratas sabem como fazer as coisas e fazê-las funcionar. Esse é o ponto exato em que populistas e tecnocratas encontram um terreno comum, dando origem a um novo termo chamado "tecno-populismo", ou uma mistura de populismo com tecnocracia.

O tecno-populismo tem um significado amplo, assim como o populismo. Até a Wikipedia observa que “[a] diversidade de movimentos ao longo do espectro político indica que o tecno-populismo pode ser usado como ferramenta por qualquer ideologia que se apresente como um partido para o povo”. O uso moderno do termo foi popularizado logo após o colapso financeiro de 2008.

Dobrando essa tendência, o tecno-populismo é muito preciso, porque descreve muito do que está acontecendo no mundo ocidental hoje. O presidente Trump foi eleito por uma onda populista, mas promove os tecnocratas para realmente fazer as coisas funcionarem. Os militares, por exemplo, estão cheios de tecnocratas que processam conflitos armados. A Internet das Coisas e o 5G estão sendo promovidos de cima para baixo. A influência do tecnocrata também é vista nos departamentos de Energia, Transporte, Segurança Interna, Proteção Ambiental e Educação. De fato, foram os tecnocratas preocupados com os dados que manipularam a mídia social e a tradicional para tornar a eleição possível em primeiro lugar.

Na Europa, três exemplos de tecno-populismo foram identificados por cientistas políticos: o Movimento Cinco Estrelas na Itália, Podemos na Espanha e o Partido Pirata na Islândia. O movimento BREXIT da Inglaterra está muito próximo de tal declaração.

Até o blog elitista da London School of Economics reconhece Tecnopopulismo:

O Movimento Cinco Estrelas e a indicação de Lega do professor de direito italiano Giuseppe Conte como o próximo primeiro ministro da Itália apresentam um enigma: por que um governo aparentemente "populista" nomeia um primeiro ministro que se encaixa no modelo de um tecnocrata? Chris Bickerton escreve que, dada a história do Movimento Cinco Estrelas, não devemos nos surpreender com a indicação de Conte. O partido representa uma curiosa mistura de tecnocracia e populismo e é representante de um novo tipo de partido 'tecno-populista' que está surgindo em outros lugares da Europa.

Quando Franklin Delano Roosevelt estava sentado como Presidente em 1933, ele foi desafiado pelos primeiros líderes tecnocratas a se declarar ditador para implementar a tecnocracia. Ele recusou a "oferta", mas não teve nenhum problema em admitir dezenas de tecnocratas em seu governo para administrar o país.

Na Alemanha nazista, Hitler proibiu o movimento Technocracy, Inc. porque ele não podia tolerar concorrência, mas depois se baseou fortemente nos tecnocratas para construir seu Quarto Reich.

No final da Segunda Guerra Mundial, o Presidente Truman autorizou a Operação Secreta Paperclip a trazer cerca de 1,600 cientistas e engenheiros tecnocratas da Alemanha nazista para a América e colocá-los nas primeiras posições dentro de nosso próprio governo. Destacam-se cientistas de foguetes e engenheiros aeroespaciais.

A única observação válida aqui é que os tecnocratas estão sempre em demanda pelos líderes políticos, que não têm reservas quanto ao seu uso para outros objetivos políticos. As administrações políticas vêm e vão, mas os tecnocratas subjacentes continuam ininterruptos.

No mundo de hoje, a curiosa atração entre populistas e tecnocratas é semelhante a uma mariposa sendo atraída pela chama: os populistas não podem impedir que sejam dominados e queimados por tecnocratas.

Junte-se à nossa lista de endereços!


avatar
Subscrever
Notificar a