Assaltado: a democracia está morrendo enquanto os tecnocratas assistem

bandeira esfarrapada
Compartilhe esta história!
image_pdfimage_print

A Política Externa de elite revela que: a) a democracia está sendo atacada pelos tecnocratas eb) os tecnocratas estão assistindo como a democracia murcha. Isso confirma ainda mais a batalha entre a tecnocracia e os governos mundiais. Um segundo artigo é incluído no New York Times que ecoa a mesma história. Ele observa que “o apoio a alternativas autocráticas está aumentando.” Essa é a tendência mais perigosa que se pode imaginar, porque mostra que a tecnocracia está vencendo a guerra. TN Editor

Em novembro de 29, três semanas após a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais dos EUA, o gráfico a seguir, mostrando um declínio vertiginoso no apoio à democracia em todo o mundo, viralizou após aparecendo no New York Times:

Muitos argumentos públicos foram seguidos sobre a validade dos dados subjacentes. Mas quase não havia compreensão entre os especialistas sobre por que o apoio moral à democracia pode estar corroendo - em parte, porque há boas razões para pensar que os próprios especialistas são os culpados. sua campanha presidencial não apenas para atacar as normas democráticas, mas também para atacar os especialistas tecnocráticos que passaram a simbolizar a democracia nos Estados Unidos.

Não tenho simpatia pelo repulsivo repúdio de Trump por fatos, verdade e experiência legítima. No entanto, ele foi astuto ao identificar como a mentalidade tecnocrática de ambas as partes - abordando todos os problemas com um plano de cinco pontos projetado para produzir resultados baseados em evidências - deixara a democracia vulnerável. Trump sabia que se travasse uma guerra contra os valores democráticos, os tecnocratas que agora monopolizam a elite política do país seriam incapazes de reagir.

Os tecnocratas sempre demonstraram pouco interesse em brigas por valores fundamentais. Seu trabalho parte do pressuposto de que todos - ou pelo menos todas as pessoas que realmente importam - já compartilham o mesmo compromisso esclarecido com os valores democráticos. O único debate sobre o qual eles se preocupam são as evidências sobre "o que funciona" entre os insumos das políticas para produzir os resultados mensuráveis ​​desejados, como salários e PIB mais altos, menos pobreza, menos crimes e terrorismo ou menos guerra.

O problema ocorre quando algumas pessoas acabam não compartilhando esses valores esclarecidos e insistem em desafiá-los. Os tecnocratas, nessas situações, não sabem o que dizer, porque não podem confiar em evidências para defender sua causa. Portanto, quando os tecnocratas são tudo o que temos para defender a democracia, as brigas por valores fundamentais se tornam embaraçosamente unilaterais.

Hillary Clinton foi o exemplo perfeito, uma política tão tecnocrática que até envergonhou outros tecnocratas. O site de sua campanha listou planos para resolver diferentes problemas mensuráveis ​​do 41, cada um contendo vários subplanos para solucionar vários subproblemas. Havia até um plano para proteger os interesses de cães, gatos e cavalos. Ela quase atingiu o nível disso reductio ad absurdum da tecnocracia global, o amplamente ridicularizado Metas de Desenvolvimento das Nações Unidas Sustentável com suas metas e metas 17.

Leia a história completa aqui…

Quão estáveis ​​são as democracias? 'Sinais de alerta estão piscando em vermelho'

Amanda Taub, New York Times, novembro de 29, 2016

Yascha Mounk está acostumado a ser a pessoa mais pessimista da sala. Mounk, professor no governo de Harvard, passou os últimos anos desafiando uma das premissas fundamentais da política ocidental: que uma vez que um país se torne uma democracia liberal, permanecerá assim.

Sua pesquisa sugere algo bem diferente: que democracias liberais em todo o mundo possam estar em sério risco de declínio.

O interesse do Sr. Mounk no tópico começou de maneira incomum. Na 2014, ele publicou um livro, "Estranho em meu próprio país. ”Começou como um livro de memórias de suas experiências como judeu na Alemanha, mas tornou-se uma investigação mais ampla de como as nações européias contemporâneas estavam lutando para construir novas identidades nacionais multiculturais.

Ele concluiu que o esforço não estava indo muito bem. Uma reação populista estava aumentando. Mas isso era apenas um novo tipo de política ou sintoma de algo mais profundo?

Para responder a essa pergunta, Mounk se uniu a Roberto Stefan Foa, um cientista político da Universidade de Melbourne, na Austrália. Desde então, eles coletaram e analisaram dados sobre a força das democracias liberais.

Sua conclusão, a ser publicada na edição de janeiro do Journal of Democracy, é que as democracias não são tão seguras quanto as pessoas podem pensar. No momento, Mounk disse em uma entrevista: "os sinais de alerta estão piscando em vermelho".

Primeiros sinais de declínio

Os cientistas políticos têm uma teoria chamada "consolidação democrática", que sustenta que, uma vez que os países desenvolvem instituições democráticas, uma sociedade civil robusta e um certo nível de riqueza, sua democracia fica segura.

Durante décadas, eventos globais pareciam apoiar essa ideia. Dados da Freedom House, uma organização de vigilância que mede a democracia e a liberdade em todo o mundo, mostram que o número de países classificados como “livres” aumentou de maneira constante, desde os meados do 1970 até o início do 2000. Muitos países latino-americanos passaram do regime militar para a democracia; após o fim da Guerra Fria, grande parte da Europa Oriental seguiu o exemplo. E democracias liberais de longa data na América do Norte, Europa Ocidental e Austrália pareciam mais seguras do que nunca.

Mas desde o 2005, o índice da Freedom House mostra um declínio na liberdade global a cada ano. Isso é uma anomalia estatística, resultado de alguns eventos aleatórios em um período de tempo relativamente curto? Ou isso indica um padrão significativo?

Mounk e Foa desenvolveram uma fórmula de três fatores para responder a essa pergunta. Mounk pensa nisso como um sistema de alerta precoce, e funciona como um exame médico: uma maneira de detectar que uma democracia está doente antes de desenvolver sintomas completos.

Democracia em declínio

Leia a história completa aqui…

Junte-se à nossa lista de endereços!


avatar
Subscrever
Receber por