Cuidado: Pesquisador diz que a maioria dos estudos científicos está errada

Os painelistas de Inspeção no Local discutem suas descobertas durante a conferência Estudos Científicos Internacionais 2009 no Hofburg em Viena. Wikimedia Commons
Compartilhe esta história!
image_pdfimage_print
A falácia flagrante na tecnocracia é que os dados são dobrados para justificar suas teorias. Isso surgiu quando os primeiros tecnocratas perceberam que sua 'Ciência da Engenharia Social' não podia ser suportada com dados legítimos. As notícias de hoje acontecem como o jogo de infância 'Simon Says', mas substituído por 'Science Says'. ⁃ Editor TN

Alguns anos atrás, dois pesquisadores levaram os ingredientes mais usados ​​do 50 em um livro de receitas e estudaram quantos haviam sido associados a um risco ou benefício ao câncer, com base em uma variedade de estudos publicados em revistas científicas.

O resultado? Quarenta dos 50, incluindo sal, farinha, salsa e açúcar. "Tudo o que comemos está associado ao câncer?", Questionaram os pesquisadores em um artigo do 2013, com base em suas descobertas.

A investigação deles abordou um problema conhecido, mas persistente, no mundo da pesquisa: poucos estudos têm amostras grandes o suficiente para apoiar conclusões generalizadas.

Mas a pressão sobre os pesquisadores, a competição entre os periódicos e o apetite insaciável da mídia por novos estudos anunciando avanços revolucionários fizeram com que esses artigos continuassem sendo publicados.

"A maioria dos artigos publicados, mesmo em periódicos sérios, é bastante desleixada", disse John Ioannidis, professor de medicina da Universidade de Stanford, especializado no estudo de estudos científicos.

Esse inimigo jurado de uma pesquisa ruim publicou um artigo amplamente citado na 2005 intitulado: "Por que a maioria das descobertas de pesquisa publicadas é falsa".

Desde então, ele diz, apenas progressos limitados foram feitos.

Agora, algumas revistas insistem que os autores pré-registram seu protocolo de pesquisa e fornecem seus dados brutos, o que torna mais difícil para os pesquisadores manipular descobertas para chegar a uma certa conclusão. Também permite que outros verifiquem ou repliquem seus estudos.

Porque quando os estudos são replicados, eles raramente apresentam os mesmos resultados. Apenas um terço dos estudos 100 publicados em três principais periódicos de psicologia pôde ser replicado com sucesso em um grande teste 2015.

Medicina, epidemiologia, ciências da população e estudos nutricionais não se saem melhor, disse Ioannidis, quando são feitas tentativas de replicá-las.

"Em toda a ciência biomédica e além, os cientistas não são treinados o suficiente em estatística e metodologia", disse Ioannidis.

Muitos estudos baseiam-se apenas em alguns indivíduos, dificultando tirar conclusões mais amplas porque as amostras têm pouca esperança de serem representativas.

"A dieta é uma das áreas mais horríveis da investigação biomédica", acrescentou o professor Ioannidis - e não apenas devido a conflitos de interesse com várias indústrias de alimentos.

"Medir a dieta é extremamente difícil", enfatizou. Como podemos quantificar com precisão o que as pessoas comem?

Nesse campo, os pesquisadores geralmente buscam correlações dentro de grandes bancos de dados, sem sequer uma hipótese inicial.

Mesmo quando a metodologia é boa, com o padrão-ouro sendo um estudo em que os participantes são escolhidos aleatoriamente, a execução pode ficar aquém.

Um famoso estudo 2013 sobre os benefícios da dieta mediterrânea contra doenças cardíacas teve que ser retirado em junho pelo mais prestigiado periódico médico, o New England Journal of Medicine, porque nem todos os participantes foram recrutados aleatoriamente; os resultados foram revisados ​​para baixo.

Então, o que devemos tirar da enxurrada de estudos publicados todos os dias?

Ioannidis recomenda fazer as seguintes perguntas: isso é algo que foi visto apenas uma vez ou em vários estudos? É um estudo pequeno ou grande? Este é um experimento aleatório? Quem o financiou? Os pesquisadores são transparentes?

Essas precauções são fundamentais na medicina, onde maus estudos têm contribuído para a adoção de tratamentos que, na melhor das hipóteses, são ineficazes e, na pior, prejudiciais.

Em seu livro "Ending Medical Reversal", Vinayak Prasad e Adam Cifu oferecem exemplos aterradores de práticas adotadas com base em estudos que foram invalidados, como abrir uma artéria cerebral com stents para reduzir o risco de um novo derrame.

Somente após os anos 10, um estudo randomizado e robusto mostrou que a prática realmente aumentou o risco de derrame.

A solução está no aperto coletivo de padrões de todos os participantes do mundo da pesquisa, não apenas periódicos, mas também universidades, agências públicas de financiamento. Mas todas essas instituições operam em ambientes competitivos.

Leia a história completa aqui…

Junte-se à nossa lista de endereços!


avatar
Subscrever
Notificar a