Greenwald: “Conselho de Desinformação” da Segurança Interna

Retrato oficial do governo de Nina Jankowicz, nomeada para atuar como Diretora Executiva do novo “Conselho de Desinformação” a ser alojado no Departamento de Segurança Interna dos EUA (publicado por Jankowicz no Twitter)
Compartilhe esta história!
O DHS está iluminando a nação quando diz que nos protegerá da desinformação: o oposto polar é verdadeiro. Biden orquestrou todo o Poder Executivo do governo para mentir e enganar intencionalmente, a fim de criar um monopólio de informações com base em sua própria narrativa artificial. Quem fornecerá ao DHS a “verdade”? A miríade de “verificadores de fatos” dissimulados e organizações de esquerda como o Southern Poverty Law Center. ⁃ Editor TN

O poder de decretar o que é “desinformação” agora determina o que pode e o que não pode ser discutido na internet. Está agora nas mãos de agentes de desinformação treinados do Estado de Segurança dos EUA.

O mais flagrante e descarado A campanha oficial de desinformação dos EUA em anos ocorreu três semanas antes das eleições presidenciais de 2020. Foi quando dezenas de ex-oficiais de inteligência pretendia, em uma carta aberta, acreditar que e-mails autênticos sobre as atividades de Joe Biden na China e na Ucrânia, relatado pela O New York Post, eram “desinformação russa”. Essa proclamação quase oficial permitiu que os meios de comunicação corporativos liberais zombassem acriticamente e depois ignorassem esses e-mails como falsificações criadas pelo Kremlin, e pressionou plataformas de Big Tech como Facebook e Twitter a censurar a reportagem exatamente no momento em que os americanos se preparavam para decidir quem seria o próximo presidente dos EUA.

A carta desses ex-oficiais de inteligência foi orquestrada por mentirosos de carreira treinados – agentes de desinformação – como o ex-diretor da CIA John Brennan e o ex-diretor de Inteligência Nacional James Clapper. No entanto, essa carta foi crucial para desacreditar e, finalmente, suprimir o New York Postestá incriminando a reportagem sobre Biden. Ele forneceu um imprimatur quase oficial – algo que poderia ser descrito como um decreto autoritário – de que esses e-mails autênticos eram, de fato, fraudulentos.

Afinal, se todos esses nobres e heróicos agentes de inteligência que passaram a vida estudando a desinformação russa estavam insistindo que os e-mails de Biden tinham todas as “marcas” da traição do Kremlin, quem possuía a credibilidade para contestar sua avaliação especializada? Este clipe do líder da mídia na divulgação dessa mentira pré-eleitoral da CIA – CNN – apresenta seu analista de segurança nacional James Clapper, e ilustra o quão vital era essa pretensão de oficialidade em sua campanha de desinformação enganosa:

Esse mesmo motivo estratégico – revestir acusações de “desinformação” com o verniz de especialização – é o que promoveu uma nova indústria muito bem financiada que se anuncia como composta por estudiosos “anti-desinformação”. Sabendo que os americanos são inculcados desde a infância a acreditar que a censura é nefasta – que é a marca da tirania – aqueles que desejam censurar precisam encontrar alguma razão enobrecedora para justificá-la e disfarçar o que é.

Eles criaram assim uma litania de grupos de som neutro com nomes benignos – The Atlantic Council, Institute for Strategic Dialogue, vários equipamentos de “verificação de fatos” controlados por meios de comunicação corporativos – que afirmam empregar “especialistas em anti-desinformação” para identificar e combater as notícias falsas. Assim como as corporações de mídia renomearam seus especialistas partidários como “verificadores de fatos” – para mascarar suas opiniões como autoridade elevada, apolítica, decretos de especialização – o termo “especialista em desinformação” é projetado para disfarçar visões ideológicas em nome do Estado e do poder corporativo. centros como Verdade Oficial.

No entanto, quando se submete esses grupos a mesmo mínimo escrutínio investigativo, descobre-se que eles são tudo menos apolíticos e neutros. Eles estão muitas vezes financiado pelo mesmo pequeno punhado de bilionários liberais (como George Soros e Pierre Omidyar), agências estatais de segurança reais dos EUA, Reino Unido ou UE, e/ou monopólios de Big Tech como Google e Facebook.

De fato, o próprio conceito de “especialista em anti-desinformação” é completamente fraudulento. Esta não é uma experiência real, mas sim um título inventado concedido aos propagandistas para fazê-los parecer mais acadêmicos e apolíticos do que são. Mas a função dessa indústria bem financiada é a mesma que serviu a carta pré-eleitoral de “dezenas de ex-funcionários de inteligência”: desacreditar a dissidência e justificar sua censura infundindo sua condenação com a pretensão de autoridade institucional. As visualizações direcionadas não são meramente Wrongs; eles foram julgados por oficial, credenciado especialistas para constituir “desinformação”.

Este golpe é o contexto crítico para entender por que a administração Biden casualmente anunciou na semana passada a criação do que está chamando de “Conselho de Desinformação” dentro do Departamento de Segurança Interna (DHS). Não há circunstância concebível em que uma agência de aplicação da lei doméstica como o DHS deva reivindicar o poder de decretar verdade e falsidade. Os agentes do Estado de Segurança dos EUA não se dedicam a combate desinformação. O oposto é verdadeiro: eles são treinados, mentirosos de carreira encarregados de inventar e espalhar desinformação. Como Politicode Jack Schafer escreveu:

Quem de nós acha que o governo deveria acrescentar à sua lista de trabalho o trabalho de determinar o que é verdade e o que é desinformação? E quem acha que o governo é capaz de dizer a verdade? Nosso governo produz mentiras e desinformação em escala industrial e sempre o fez. Isto superclassifica informações vitais impedir que seus próprios cidadãos se tornem mais sábios. Paga milhares de assessores de imprensa para brincar de esconder o salame com os fatos... Tornar o governo federal o guardião oficial da verdade seria como dar Brink a um arrombador de cofres para dirigir um carro blindado.

O objetivo dos agentes de Segurança Interna é propagandear e enganar, não esclarecer e informar. O nível de ignorância histórica e estupidez necessários para acreditar que os agentes do Estado de Segurança dos EUA estão seriamente dedicados a expor e decretar a verdade – como Brian Stelter da CNN evidentemente acredita, dado que ele elogiou este novo programa do governo como “senso comum” – está fora de questão. Como Jameel Jaffer, ex-ACLU e agora com o Knight First Amendment Institute da Columbia colocá-lo, o mais preocupante é “o fato de que o conselho está sediado no DHS, uma agência especialmente opaca que atropelou as liberdades civis no passado”.

Leia a história completa aqui…

Sobre o Editor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado

4 Comentários
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários
Elle

Ela é a Dolores Umbridge do Ministério da Verdade, anteriormente conhecido como DHS. Ela é uma alma muito má e feia. Basta olhar nos olhos dela. Os dela são mais parecidos com um serial killer do que com uma mulher humana de 33 anos. "NÃO! Não corra. Eu sou seu amigo!" enquanto ela segura a machadinha no alto. Não há outras palavras para sua linguagem odiosa e ideias fascistas. ELA DEVE IR! Conclusão: “Os agentes do Estado de Segurança dos EUA não se dedicam ao combate à desinformação. O oposto é verdadeiro: eles são treinados, mentirosos de carreira encarregados de inventar e espalhar desinformação. Como o político Jack Schafer escreveu…” Tudo dentro.... Leia mais »

Última edição há 8 meses por Elle
Pamino

Ou Grünewald ou Greenwood; meio não datur.

Obi wan Kenobi

Estranho toda essa comoção sobre essa nova agência.
Qualquer um sabe que hoje a desinformação significa apenas 'qualquer coisa que eles não gostem ou tolerem'.
Então eles montaram um escritório para policiar isso. Nada a ver com a verdade.
Isso é exatamente o que as pessoas corruptas podem fazer. Nenhuma surpresa.
Coração

[…] Greenwald: “Conselho de Desinformação” da Segurança Interna […]