Cientistas: pulverizar a estratosfera, escurecer o sol, resfriar o planeta

em branco
Compartilhe esta história!
image_pdfimage_print
Os planos do Tecnocrata para geoengenharia agora são oficiais e publicamente declarados: o objetivo é escurecer o sol com pulverização estratosférica, esfriando rapidamente a terra. Obviamente, todos esses cientistas são pagos direta ou indiretamente pelo dinheiro dos contribuintes. ⁃ Editor TN

Zhen Dai segura um pequeno tubo de vidro revestido com um pó branco: carbonato de cálcio, um composto onipresente usado em tudo, desde papel e cimento até pasta de dente e mistura de bolo. Coloque um comprimido na água e o resultado é um antiácido gasoso que acalma o estômago. A pergunta para Dai, candidata a doutorado na Universidade Harvard em Cambridge, Massachusetts, e seus colegas, é se essa substância inócua também poderia ajudar a humanidade a aliviar o caso final de indigestão: o aquecimento global causado pela poluição por gases de efeito estufa.

A idéia é simples: pulverize um monte de partículas na estratosfera, e elas esfriarão o planeta refletindo alguns dos raios do Sol de volta ao espaço. Os cientistas já testemunharam o princípio em ação. Quando o Monte Pinatubo entrou em erupção nas Filipinas em 1991, ele injetou uma estimativa de 20 milhão de toneladas de dióxido de enxofre na estratosfera - a camada atmosférica que se estende de cerca de 10 a 50 quilômetros acima da superfície da Terra. A erupção criou uma névoa de partículas de sulfato que esfriaram o planeta em torno de 0.5 ° C. Por cerca de 10 meses, a temperatura média da Terra voltou ao que era antes da chegada do motor a vapor.

A idéia de que os humanos podem desligar o termostato da Terra por meios artificiais semelhantes tem várias décadas. Ela se encaixa em uma classe mais ampla de esquemas de resfriamento do planeta, conhecidos como geoengenharia, que há muito tempo geram intenso debate e, em alguns casos, medo.

Os pesquisadores restringiram amplamente seu trabalho sobre essas táticas aos modelos de computador. Uma das preocupações é que o escurecimento do Sol pode sair pela culatra ou, pelo menos, prejudicar fortemente algumas áreas do mundo, por exemplo, roubando culturas da luz solar e alterando os padrões de chuva.

Mas, à medida que as emissões continuam aumentando e as projeções climáticas permanecem terríveis, as conversas sobre pesquisas em geoengenharia começam a ganhar mais força entre cientistas, formuladores de políticas e alguns ambientalistas. Isso ocorre porque muitos pesquisadores chegaram à conclusão alarmante de que a única maneira de evitar os graves impactos do aquecimento global será sugar grandes quantidades de dióxido de carbono da atmosfera ou resfriar artificialmente o planeta. Ou, talvez mais provável, ambos.

Se tudo correr como planejado, a equipe de Harvard será a primeira do mundo a mover a geoengenharia solar para fora do laboratório e para a estratosfera, com um projeto chamado Experimento de Perturbação Controlada pela Estratosfera (SCoPEx). A primeira fase - um teste de US $ 3 milhões envolvendo dois vôos de um balão dirigível 20 quilômetros acima do sudoeste dos Estados Unidos - poderia ser lançada já na primeira metade do 2019. Uma vez instalado, o experimento liberaria pequenas plumas de carbonato de cálcio, cada uma com cerca de 100 gramas, aproximadamente equivalente à quantidade encontrada em um frasco médio de antiácido de prateleira. O balão então se vira para observar como as partículas se dispersam.

O teste em si é extremamente modesto. Dai, cujo trabalho de doutorado nos últimos quatro anos envolveu a construção de um dispositivo de mesa para simular e medir reações químicas na estratosfera antes do experimento, não enfatiza as preocupações com essas pesquisas. "Estou estudando uma substância química", diz ela. "Não é como se fosse uma bomba nuclear."

No entanto, o experimento será o primeiro a voar sob a bandeira da geoengenharia solar. E, portanto, está sob intenso escrutínio, inclusive de alguns grupos ambientais, que afirmam que esses esforços são uma distração perigosa para abordar a única solução permanente para as mudanças climáticas: reduzir as emissões de gases de efeito estufa. O resultado científico do SCoPEx realmente não importa, diz Jim Thomas, co-diretor executivo do ETC Group, uma organização de defesa ambiental em Val-David, perto de Montreal, Canadá, que se opõe à geoengenharia: “Isso é um experimento tanto em mudando normas sociais e cruzando uma linha, pois é um experimento científico ".

Consciente dessa atenção, a equipe está se movendo lentamente e trabalhando para estabelecer uma supervisão clara do experimento, na forma de um comitê consultivo externo para revisar o projeto. Alguns dizem que essa estrutura, que poderia abrir o caminho para futuras experiências, é ainda mais importante do que os resultados desse único teste. "O SCoPEx é o primeiro a sair, e está desencadeando uma importante conversa sobre como devem ser as orientações, os conselhos e a supervisão independentes", diz Peter Frumhoff, cientista chefe de clima da Union of Concerned Scientists, em Cambridge, Massachusetts, e membro de um painel independente encarregado de selecionar o chefe do comitê consultivo. "Fazer o que é certo é muito mais importante do que fazê-lo rapidamente."

Unindo forças

De muitas maneiras, a estratosfera é um local ideal para tentar tornar a atmosfera mais reflexiva. Pequenas partículas injetadas podem se espalhar pelo mundo e permanecer no ar por dois anos ou mais. Se colocados estrategicamente e regularmente nos dois hemisférios, eles poderiam criar um cobertor relativamente uniforme que protegeria o planeta inteiro (consulte 'Intervenção global'). O processo não precisa ser muito caro; em um relatório no mês passado, o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas sugeriu que uma frota de aeronaves de alto vôo pudesse depositar enxofre suficiente para compensar aproximadamente o aquecimento do 1.5 ° C por cerca de US $ 1 a US $ 10 bilhões por ano1.

Até agora, a maior parte da pesquisa em geoengenharia solar se concentrou no dióxido de enxofre, a mesma substância liberada pelo Monte Pinatubo. Mas o enxofre pode não ser o melhor candidato. Além de resfriar o planeta, os aerossóis gerados nessa erupção aceleraram a taxa na qual os clorofluorcarbonetos empobrecem a camada de ozônio, que protege o planeta da radiação ultravioleta nociva do Sol. Os aerossóis de sulfato também são aquecidos pelo Sol, o suficiente para afetar potencialmente o movimento da umidade e até alterar a corrente de jato. "Existem todos esses efeitos a jusante que não entendemos completamente", diz Frank Keutsch, químico atmosférico de Harvard e principal pesquisador do SCoPEx.

Os experimentos estratosféricos iniciais da equipe do SCoPEx se concentrarão no carbonato de cálcio, que deve absorver menos calor que os sulfatos e ter menos impacto no ozônio. Mas as respostas dos livros didáticos - e até o dispositivo de mesa da Dai - não conseguem capturar a imagem completa. "Na verdade, não sabemos o que faria, porque não existe na estratosfera", diz Keutsch. "Isso cria uma bandeira vermelha."

O SCoPEx visa reunir dados do mundo real para resolver isso. O experimento começou como uma parceria entre o químico atmosférico James Anderson, de Harvard, e o físico experimental David Keith, que se mudou para a universidade em 2011. Keith vem investigando várias opções de geoengenharia por mais de um ano 25. Em 2009, na Universidade de Calgary, no Canadá, ele fundou a empresa Carbon Engineering, em Squamish, que trabalha para comercializar tecnologia para remover o dióxido de carbono da atmosfera. Depois de ingressar em Harvard, Keith usou o financiamento de pesquisa recebido da Fundação Bill & Melinda Gates, em Seattle, Washington, para começar a planejar o experimento.

Leia a história completa aqui…

Junte-se à nossa lista de endereços!


avatar
1 Comentar tópicos
0 Respostas do Tópico
0 Seguidores
Comentário Mostv¯ve
Tópico de comentário mais quente
0 Autores de comentários
Autores recentes de comentários
Subscrever
o mais novo mais velho mais votado
Receber por