Facebook Busted: bate-papos de áudio transcritos por contratados pagos

em branco
Compartilhe esta história!
image_pdfimage_print

É inconcebível que Mark Zuckerberg possa ter impunidade no Congresso por não bisbilhotar as interações de áudio dos usuários, enquanto a empresa está fazendo exatamente isso. Nenhuma responsabilidade, nenhuma investigação e nenhuma acusação. ⁃ Editor TN

O Facebook está pagando centenas de empresas terceirizadas para transcrever clipes de áudio dos usuários de seus serviços, segundo pessoas com conhecimento do trabalho.

O trabalho abalou os funcionários do contrato, que não sabem onde o áudio foi gravado ou como foi obtido - apenas para transcrevê-lo, disseram as pessoas, que pediram anonimato por medo de perder o emprego. Eles estão ouvindo as conversas dos usuários do Facebook, às vezes com conteúdo vulgar, mas não sabem por que o Facebook precisa da transcrição, disseram as pessoas.

Na quarta-feira, a Comissão Irlandesa de Proteção de Dados, que lidera a supervisão do Facebook na Europa, disse estar examinando a atividade em busca de possíveis violações das rígidas regras de privacidade da UE.

As ações da gigante das mídias sociais caíram 1.3% na 7: 49 am em Nova York durante as negociações antes do mercado.

O Facebook confirmou que estava transcrevendo o áudio dos usuários e disse que não o fará mais, depois de investigar outras empresas. "Assim como a Apple e o Google, pausamos a revisão humana do áudio há mais de uma semana", disse a empresa na terça-feira. A empresa disse que os usuários afetados escolheram a opção no aplicativo Messenger do Facebook para transcrever suas conversas por voz. Os contratados estavam verificando se a inteligência artificial do Facebook interpretava corretamente as mensagens, que eram anônimas.

Grandes empresas de tecnologia, como Amazon.com Inc. e Apple Inc., foram criticadas por coletar trechos de áudio de dispositivos de computação de consumidores e submeter esses clipes a análises humanas, uma prática que os críticos dizem que invade a privacidade. A Bloomberg informou pela primeira vez em abril que a Amazon tinha uma equipe de milhares de trabalhadores em todo o mundo ouvindo as solicitações de áudio da Alexa com o objetivo de melhorar o software, e que análises humanas semelhantes foram usadas para o Siri, da Apple, e o Google Assistant, da Alphabet Inc., da Apple. Desde então, a Apple e o Google disseram que não se envolvem mais na prática, e a Amazon disse que permitirá que os usuários optem por não fazer uma revisão humana.

A gigante das redes sociais, que acabou de concluir um acordo de US $ 5 com a Federal Trade Commission dos EUA após uma investigação de suas práticas de privacidade, negou há muito tempo que coleta áudio de usuários para informar anúncios ou ajudar a determinar o que as pessoas veem em seus feeds de notícias. O CEO Mark Zuckerberg negou a ideia diretamente no testemunho do Congresso.

"Você está falando sobre essa teoria da conspiração que é ouvida e que ouvimos o que está acontecendo no seu microfone e usamos isso para anúncios", disse Zuckerberg ao senador norte-americano Gary Peters em abril do 2018. "Nós não fazemos isso."

Em respostas posteriores ao Congresso, a empresa disse que "acessa o microfone dos usuários apenas se o usuário der permissão ao nosso aplicativo e se estiver usando ativamente um recurso específico que requer áudio (como os recursos de mensagens de voz)." The Menlo Park, A empresa com sede na Califórnia não aborda o que acontece com o áudio posteriormente.

O Facebook não divulgou aos usuários que terceiros podem revisar seu áudio. Isso levou alguns contratados a sentir que seu trabalho não é ético, de acordo com as pessoas com conhecimento do assunto.

Leia a história completa aqui…

Junte-se à nossa lista de endereços!


avatar
Subscrever
Receber por