'C02 é alimento vegetal': grupo australiano assina declaração internacional negando aquecimento global

Austrália
Compartilhe esta história!
De maneira típica para envergonhar o clima, o Guardian primeiro observa o que esse grupo fez, eles os ridicularizam por 'negarem a ciência do clima', quando na verdade eles estão negando o aquecimento global antropogênico (causado pelo homem).

Clique para baixar a lista completa de signatários 500

TN Editor

Um grupo de ex-empresários atuais e atuais da 75 na Austrália - incluindo engenheiros de minas e geólogos aposentados - assinou uma declaração internacional direcionada à ONU e à UE e alegando "não há emergência climática" e que "CO2 é alimento para plantas".

Vários dos signatários do grupo - que se descreveu como Clintel - ter vínculos de alto nível com políticas conservadoras, indústria e mineração.

Eles incluem Hugh Morgan, ex-presidente da O negócio Conselho da Austrália e Ian Plimer, diretor do projeto de minério de ferro Roy Hill Holdings de Gina Rinehart.

A medida foi projetada para coincidir com a cúpula de ação climática da ONU e a assembléia geral em Nova York.

Também assinou a declaração o Dr. Peter Ridd, o ex-cientista da James Cook University que afirma que os devastadores eventos de branqueamento no Grande Barreira de Corais não são movidos pelas mudanças climáticas.

Ridd foi apoiado pelas indústrias de carne bovina e de açúcar de Queensland para realizar uma turnê de palestras, na tentativa de minar a ciência que liga o escoamento de fazendas e a baixa qualidade da água ao declínio dos corais. Seus pontos de vista têm ajudou a forçar um inquérito do Senado apoiado pela Coalizão na ciência dos recifes.

O ex-cientista chefe Ian Chubb comparou os esforços de Ridd às campanhas de desinformação realizadas pela indústria do tabaco sobre os impactos dos cigarros na saúde pública.

O grupo Clintel se descreve como "uma nova rede global de alto nível de cientistas e profissionais proeminentes do clima da 500", mas possui semelhanças com pelo menos uma rede anterior.

Em uma carta aberta endereçada à secretária-geral da ONU, António Guterres, e à negociadora-chefe do clima da ONU, Patricia Espinosa Cantellano, o grupo descreve os benefícios de reduzir as emissões de gases de efeito estufa como "imaginados".

Um "embaixador" do grupo é uma veterana de minas de carvão de Queensland, Viv Forbes. Outro é o conhecido colega britânico Christopher Monckton, que uma vez comparou o economista e consultor climático australiano Prof Ross Garnaut a um nazista.

A carta repete pontos de discussão desgastados e desmembrados sobre as mudanças climáticas que são contraditos por instituições científicas e academias de todo o mundo, bem como as avaliações do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas.

A carta diz: “Os cientistas devem abordar abertamente as incertezas e exageros em suas previsões do aquecimento global, enquanto os políticos devem contar desapaixonadamente os benefícios reais, bem como os custos imaginados de adaptação ao aquecimento global, e os custos reais, bem como os benefícios imaginados. de mitigação. "

Leia a história completa aqui…

Subscrever
Receber por
convidado
1 Comentário
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários
Elle

Bem, como o quadro geral vai, estou feliz em ver outro grupo contratado contra a histeria climática contínua. No entanto, a maioria desses caras, assim como os histéricos do clima, são lados diferentes da mesma moeda - tudo sobre lucro. Eu tenho contado com um retrocesso significativo da agricultura para encontrar um sólido whack-a-doodle para os grupos histéricos do tipo Greta. Se esta é a cara da recusa, tudo bem, vá atrás dos conservadores confessos. O que quer que funcione para parar esse estúpido 'UN diz' bull mundial.