Blackstone acumula US $ 50 bilhões para comprar casas durante o próximo acidente imobiliário

Compartilhe esta história!
Blackstone já possui quase US$ 300 bilhões em imóveis e despejará outros US$ 50 bilhões durante a próxima crise imobiliária, transformando faixas de bairros em gigantes comunidades de aluguel. Espere que os preços dos aluguéis subam à medida que a riqueza é drenada da classe média. O objetivo da Tecnocracia é colocar todos os ativos físicos nas mãos de alguns super-elitistas, criando um mundo neofeudal. ⁃ Editor TN

Os últimos dois meses viram uma enxurrada de cobertura de notícias negativas com foco no mercado imobiliário dos EUA…

… o que é previsível: afinal de contas, com as taxas de hipoteca subindo no ritmo mais rápido já registrado para as máximas da década, e levando a acessibilidade da habitação nos EUA ao menor nível da história…

… apenas um punhado do “1%” pode pagar o sonho americano.

Infelizmente, isso também significa que, assim como em 2007, uma crise imobiliária agora é apenas uma questão de tempo.

Isso se sabe. O que também se sabe é que, uma vez que abrigava crateras, o maior proprietário residencial e comercial dos EUA – gigante de private equity Blackstone – está prestes a ficar ainda maior. É quando ele implantará alguns (ou todos) os recorde de US$ 50 bilhões em pó seco ele levantou para se preparar apenas para o colapso da habitação que se aproxima.

De acordo com WSJ, a Blackstone está nos estágios finais da criação de um novo fundo imobiliário que estabeleceria um recorde como o maior veículo de seu tipo, desafiando a volatilidade do mercado e um cenário lotado para captação de recursos.

A gigante de private equity disse em um documento regulatório na quarta-feira que fechou compromissos totalizando US$ 24.1 bilhões para a Blackstone Real Estate Partners X, a mais recente iteração de seu principal fundo imobiliário.

De acordo com WSJ, a Blackstone está comprometendo cerca de US$ 300 milhões de seu próprio capital e alocou US$ 5.9 bilhões adicionais para investidores, que elevará o fundo para US$ 30.3 bilhões quando for finalizado. A empresa levantou o fundo, deverá ser o maior veículo tradicional de private equity da história, em apenas três meses. Foi também a Blackstone que estabeleceu o recorde anterior, com o fundo de aquisição de US$ 26 bilhões que levantou em 2019. O novo fundo imobiliário será 50% maior que seu antecessor, um fundo de US$ 20.5 bilhões levantado em 2019.

Juntamente com fundos dedicados ao setor imobiliário na Ásia e na Europa, a Blackstone terá um cofre de mais de US$ 50 bilhões para fazer os chamados investimentos oportunistas, que tendem a ser negócios de alto risco com o potencial de retornos mais altos.

Isso, de acordo com o WSJ, “poderia permitir que a empresa tirasse vantagem de uma desaceleração nos mercados públicos”. Tradução: em um momento em que os americanos estão liquidando suas casas em massa para reforçar a liquidez quando o fundo cair da economia, a Blackstone entrará em cena e comprará todas as propriedades em dificuldades por centavos de dólar, tornando-se uma presença ainda maior nos EUA e no mercado imobiliário global.

Não surpreendentemente, muitos dos negócios de melhor desempenho da Blackstone – como sua compra em 2014 do cassino e hotel Cosmopolitan em Las Vegas e seu acordo de 2016 para a BioMed Realty Trust, proprietário de edifícios de ciências da vida – foram atingidos durante períodos de turbulência no mercado.

Não será apenas a Blackstone que vai pescar fundo em alguns meses: uma enorme quantidade de fundos de private equity está no mercado este ano, com muitos tentando levantar grandes somas mesmo depois que as ações caíram e os acordos secaram. O aumento nos pedidos de dinheiro novo sobrecarregou as equipes de investimento em instituições como fundos de pensão e doações e fez com que muitos adiassem assumir compromissos com todos, exceto os principais gerentes.

O tamanho do novo fundo da Blackstone e a velocidade com que conseguiu levantar o dinheiro demonstram que os investidores institucionais ainda estão ansiosos para participar de veículos oferecidos por gestores estabelecidos com bons históricos. E embora as fileiras de fundos de aquisição de mais de US$ 20 bilhões estejam crescendo, ainda há relativamente poucos megafundos imobiliários comparáveis ​​aos da Blackstone.

Como acrescenta o WSJ, assim como a empresa como um todo, O negócio imobiliário de US$ 298 bilhões da Blackstone adotou uma estratégia de investimento temática com o objetivo de atingir áreas da economia onde o crescimento está superando a inflação. Isso o levou a se concentrar em quatro áreas principais: armazéns usados ​​para comércio eletrônico; edifícios de escritórios de ciências da vida; habitação para arrendamento; e hospitalidade ligada a viagens e lazer. Também se destacou em todas as quatro áreas, tornando-se há muito tempo o maior proprietário residencial dos EUA para grande desgosto de dezenas de milhões de americanos que pagam obedientemente a Steve Schwarzman pelo privilégio de ter um teto sobre suas cabeças.

Leia a história completa aqui…

Sobre o autor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado

4 Comentários
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários

[…] Leia mais: Blackstone acumula US $ 50 bilhões para comprar casas durante o próximo acidente imobiliário […]

[…] Leia mais: Blackstone acumula US $ 50 bilhões para comprar casas durante o próximo acidente imobiliário […]

[…] Blackstone acumula US $ 50 bilhões para comprar casas durante o próximo acidente imobiliário […]