Ambientalistas europeus tornaram a independência energética impossível

Compartilhe esta história!
A energia é necessária para todas as atividades econômicas. Está sendo interrompido em todo o mundo industrializado por políticas que atacam fontes tradicionais de energia como petróleo, carvão e gás natural e substituindo o déficit por moinhos de vento e painéis solares. É impossível. O último é empurrado por ambientalistas radicais e a intenção clara é destruir o sistema econômico existente. ⁃ Editor TN

A Europa não vai conseguir uma transição energética competitiva com as atuais políticas intervencionistas. A Europa não depende do gás russo por coincidência, mas por uma cadeia de políticas equivocadas: banir a energia nuclear na Alemanha, proibir o desenvolvimento de recursos domésticos de gás natural em toda a União Européia, somar-se a uma massiva e cara implantação renovável sem construir um backup confiável.

A energia solar e eólica não reduz a dependência do gás natural russo. Eles são necessários, mas voláteis e intermitentes. Eles precisam de apoio de energia nuclear, hidrelétrica e gás natural para a segurança do fornecimento de energia. A dependência dessas fontes de backup aumenta em períodos de vento fraco e pouco sol, justamente quando os preços estão mais altos.

“A energia solar vai a zero durante doze horas por dia, e isso é garantido. O vento sopra às vezes, e às vezes não, também garantido. Ambos dependem do clima, que está 100% fora do controle humano. Eles estão em seu melhor dia como um suplemento”, escreveu um seguidor do piloto da Marinha.

As baterias também não são uma opção. É impossível construir uma rede de tamanho industrial de baterias enormes; o custo seria proibitivo e a dependência da China (para lítio, etc.) para construí-los seria um problema ainda maior. A preços atuais, um sistema de armazenamento de energia de bateria do tamanho da Europa custaria mais de US$ 2.5 trilhões, de acordo com um estudo MIT Technology Review papel, massivamente mais caro do que qualquer outra alternativa.

O custo adicional de uma rede de baterias mais a rede de distribuição e transmissão aumentaria ainda mais as contas domésticas.

A inflação já estava fora de controle na Europa antes mesmo da invasão da Ucrânia ser um risco. A inflação dos preços no consumidor em Espanha foi de 7.6 por cento, em Portugal foi de 4.2 por cento e na Alemanha foi de 5.1 por cento. A inflação dos preços ao consumidor da área do euro foi de 5.8%.

Diante do impacto nos preços e na energia da invasão da Ucrânia, devemos lembrar:

A Europa já estava em crise energética em 2020 e 2021, com o custo do CO2 permite preços de eletricidade crescentes e no atacado atingindo níveis recordes até dezembro de 2021.

A Europa não “depende do gás russo”. É codependência. A Rússia precisa da Europa para exportar, e a Europa não tem alternativa mais barata. Lembremos que o gás russo é muito mais barato do que qualquer outra alternativa realista.

Os contratos de longo prazo firmados com a Gazprom são fechados a preços que podem ser até dez vezes menores do que algumas das alternativas atuais. Os 150 bilhões de metros cúbicos que a Europa importa da Rússia podem ser substituídos por gás natural liquefeito da Noruega e do Mar do Norte, dos Estados Unidos, da Argélia, do Catar ou de Israel, mas será muito mais caro.

A única alternativa à Rússia é mostrar que os países europeus têm fontes de abastecimento diversificadas e baratas. Se a Rússia vê que os governos europeus proíbem a energia nuclear, proíbem o desenvolvimento de reservas indígenas de gás, intervêm nas importações e adicionam CO2 impostos, as autoridades russas saberão que não há alternativa competitiva e que a indústria e os consumidores europeus entrarão em colapso devido ao aumento do custo da energia

Os governos europeus devem pensar muito sobre políticas equivocadas quando o continente foi salvo neste inverno pelo gás natural importado dos Estados Unidos produzido com fracking, uma tecnologia que foi proibida na Europa.

A Europa quer energia barata e abundante, mas os políticos demonizam energia nuclear, gás e petróleo. Todas as propostas intervencionistas apresentadas pelos políticos europeus implicam um custo mais elevado para os consumidores sofredores.

O gás natural flui o tempo todo e é barato e abundante. Não pode ser substituído por renováveis ​​que são intermitentes, voláteis e imprevisíveis. O exemplo da Alemanha é claro. Depois de investir maciçamente em energias renováveis ​​e dobrar as contas para os consumidores, depende mais do carvão de lignite e do gás russo para garantir o abastecimento. A Alemanha teve que reativar usinas de carvão depois de gastar mais de US$ 200 bilhões em subsídios e energias renováveis!

Todas as tecnologias são necessárias e as energias renováveis ​​são fundamentais, mas não são a alternativa porque precisam de gás natural enquanto a tecnologia é desenvolvida, pois ainda está em sua infância. Não esqueçamos que a instalação de renováveis ​​envolve um enorme custo nas redes. Quem reduzirá as contas se o custo fixo das redes aumentar nos US$ 150 bilhões que estimamos serem necessários para fortalecer as redes de distribuição e transmissão?

Todas as alternativas “mágicas” que o intervencionismo vende significam passar da dependência da Rússia à dependência da China. Onde vamos conseguir o silício, o alumínio, as terras raras, o cobre, o lítio, etc. necessários para os investimentos mágicos massivos anunciados?

A demonização da energia nuclear deixou a Europa nas mãos de alternativas caras e voláteis. A transição energética deve ser considerada com a compreensão da importância da segurança do abastecimento e da competitividade. Precisamos de todas as tecnologias, sem viés ideológico. Precisamos de energia solar, eólica, gás natural, hidrelétrica, petróleo e nuclear, ou passaremos de crise em crise, e sempre pagando mais.

É absurdo manter o esquema fiscal oculto do CO2 emissões durante uma crise sem precedentes. Os governos devem usar essa receita para reduzir as contas dos cidadãos.

Os impostos fronteiriços sobre produtos petrolíferos e gás natural não estão a tributar os produtores; eles estão tributando os consumidores nos países europeus. Quem acredita que os impostos anunciados serão pagos pelo Catar, Nigéria ou Brasil tem um sério problema de entendimento econômico.

Uma verdadeira transição energética deve ser competitiva, confiável e barata, não uma máquina de cobrança de impostos e saques. Deve considerar todas as tecnologias. Mais indústria e menos política. Mais competição e menos ideologia.

Leia a história completa aqui…

Sobre o autor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado

2 Comentários
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários

[…] Clique neste link para a fonte original deste artigo. Autor: Daniel Lacalle, PhD, via Mises Institute […]

[…] Ambientalistas europeus tornaram a independência energética impossível […]