A ONU quer trilhões de $$ por ano, mais uma 'transformação do sistema financeiro mundial'

Compartilhe esta história!
As Nações Unidas consistem em tecnocratas não eleitos e irresponsáveis, empenhados em estabelecer a tecnocracia como o sistema econômico e financeiro global. Transformar a energia em um mercado totalmente controlável, além de implementar um sistema de rastreamento financeiro centralizado e digitalizado baseado na tecnologia blockchain, fará exatamente isso. Depois de vê-lo, você não pode desvê-lo. ⁃ Editor TN

Tele seria Rei-Imperadores do mundo não querem apenas transformar energia e mudar o clima, eles também querem reconstruir todo o sistema financeiro, sem dúvida para colocar a ONU no centro dos rios de dinheiro.

Não se engane, o elogiado plano de fantasia “perdas e danos” era apenas uma bugiganga brilhante para distraí-lo. O objetivo maior é fazer com que o Ocidente pague para que o mundo inteiro se torne um paraíso solar e eólico e – “obviamente” isso significa que eles terão que reconstruir todo o sistema financeiro mundial. (Eles realmente dizem isso).

Considere os números: O pedido combinado de perdas e danos para 55 países ao longo de vinte anos somam apenas US$ 525 bilhões ou insignificantes US$ 26 bilhões por ano. Mas construir todas as fazendas renováveis ​​inúteis supostamente exigirá pelo menos USD 4-6 trilhão um ano em investimentos.

Investidores sensatos perceberão que é 200 vezes mais caro tentar controlar o clima com moinhos de vento do que pagar por todos os danos atuais (teóricos). Infelizmente, ninguém está falando sobre investimentos sensatos.

O anúncio da ONU vem revestido de uma manchete sobre os insignificantes pagamentos de fantasia de Natal para o terceiro mundo. Mas alguns parágrafos são os “outros detalhes” sobre pagamentos que são maiores do que a maioria do PIB nacional e o desejo nu de que a ONU seja o canal para o dinheiro.

COP27 da ONU chega a um acordo inovador sobre o novo fundo de “perdas e danos” para países vulneráveis

[blá blá blá]

A decisão de cobertura, conhecida como Plano de implementação de Sharm el-Sheikh, destaca que uma transformação global para uma economia de baixo carbono deverá exigir investimentos de pelo menos US$ 4-6 trilhões por ano. A entrega desse financiamento exigirá uma transformação rápida e abrangente do sistema financeiro e suas estruturas e processos, envolvendo governos, bancos centrais, bancos comerciais, investidores institucionais e outros atores financeiros.

Muito melhor para sifão do centro, hein? Deixe-me ser seu banqueiro...

Pense em quão obscenamente grande é essa afirmação no nome estranhamente apropriado Plano de implementação de Sharm el-Sheikh. Na página 6 descobrimos casualmente que existem camadas de trilhões e, apesar da enormidade dos valores, ninguém se preocupou em explicar se são trilhões aditivos diferentes ou trilhões sobrepostos. E como a primeira referência tem 54 menções à palavra “trilhão”, também não é fácil descobrir. O que importa, é só dinheiro?

Eles podem estar esperando dez trilhões por ano, com um bônus único de 6 trilhões nos próximos oito anos:

Destaca que sobre USD 4 trilhões por ano precisa ser investido em energia renovável até 2030 para poder atingir emissões líquidas zero até 2050,18 e que, além disso, espera-se que uma transformação global para uma economia de baixo carbono exija investimentos de pelo menos US$ 4 a 6 trilhões por anor;19

Regista com preocupação o fosso crescente entre as necessidades das Partes países em desenvolvimento, em particular as decorrentes dos impactos crescentes das alterações climáticas e do seu endividamento crescente, e o apoio prestado e mobilizado para os seus esforços de implementação das suas contribuições determinadas a nível nacional, salientando que tais necessidades atualmente são estimados em US$ 5.8–5.9 trilhões20 para o período pré-2030;

Eu desafio qualquer um a explicar a diferença entre um “custo de energia renovável” e ainda uma categoria de… “custo de transformação global de baixo carbono”.

Serão $ 4,000 de cada família ou $ 40,000?

Há apenas uma semana, a ONU pedia às “nações ricas” muito além de um trilhão de dólares por ano para ajudar o Sul Global. Mas, mesmo com esse preço de barganha, efetivamente a ONU está exigindo US$ 1000 por ano de cada homem, mulher, aposentado e bebê no Ocidente. construir fazendas solares em Mogadíscio é uma pergunta que ninguém quer fazer.

O ponto principal é que a oferta simbólica de “perdas e danos” aos pobres do mundo não é nada comparada à ambição sombria de ser a Polícia do Tesouro e da Energia do mundo.

A ONU é o inimigo. O Ocidente conquistou o comunismo e deu dinheiro a seus amigos e um escritório em Genebra.

REFERÊNCIAS

18 Vejo https://iea.blob.core.windows.net/assets/830fe099-5530-48f2-a7c1-11f35d510983/WorldEnergyOutlook2022.pdf.
19 Conforme nota de rodapé 5 acima. [Ver Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. 2022. Emissions Gap Report 2022: The Closing Window – A crise climática exige uma rápida transformação das sociedades. Nairóbi: Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. Disponível em https://www.unep.org/resources/emissions-gap-report-2022.] 20 Vejo https://unfccc.int/topics/climate-finance/workstreams/needs-report.

*Se os 39 principais países* no Índice de Desenvolvimento Humano pagar, o custo é dividido entre 1.1 bilhão de pessoas. Por que parar em 39 países? A 40ª nação foi a Arábia Saudita, e acho que eles não vão pagar um centavo.

Leia a história completa aqui…

Sobre o Editor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado

2 Comentários
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários
StevenC.

Eu estou supondo que eles pulariam a Arábia Saudita e adicionariam a Hungria, porque “razões”!