Robert Reich: ex-membro da Comissão Trilateral torna-se totalmente anti-liberdade de expressão

Robert Reich
Compartilhe esta história!
O ícone jurídico Jonathan Turley critica Robert Reich por seu discurso anti-liberdade de expressão. Reich é um proeminente ex-membro da Comissão Trilateral. Acadêmico, ele entrou e saiu do governo por 45 anos e foi nomeado pela revista Time como um dos “Dez Melhores Membros do Gabinete” do século em 2008. ⁃ Editor da TN

We discutido recentemente a reunião de políticos democratas e figuras da mídia na Universidade de Chicago para discutir como moldar melhor as notícias, combater a “desinformação” e reeducar aqueles com visões conservadoras. A elite política e da mídia compartilhava ideias sobre como expandir a censura e controlar o que as pessoas liam ou viam nas notícias. Os mesmos números agora estão alarmados com o fato de Elon Musk poder ganhar maior influência sobre o Twitter e, pereça o pensamento, restaurar as proteções da liberdade de expressão ao site. O último é o ex-secretário do Trabalho do presidente Clinton, Robert Reich, que escreveu uma coluna perfeitamente orwelliana no jornal Guardião intitulado "A visão de Elon Musk para a internet é um absurdo perigoso.” No entanto, a coluna oferece uma visão sobre a mentalidade anti-liberdade de expressão que tomou conta do Partido Democrata e da grande mídia.

Musk é um defensor da liberdade de expressão na Internet. Como alguns de nós, ele é um originalista da Internet. Isso o torna uma ameaça existencial para aqueles que há muito usam a “desinformação” como desculpa para silenciar opiniões divergentes na mídia e nas mídias sociais.

O Twitter passou da negação de procurar moldar o discurso na Internet para abraçar essa função. Depois que o antigo CEO do Twitter, Jack Dorsey, foi criticado por seus enormes esforços de censura, o Twitter o substituiu pelo CEO Parag Agrawal, que expressou sentimentos anti-liberdade de expressão arrepiantes. Em entrevista com Technology Review editor-chefe Gideon Lichfield, ele foi perguntou como o Twitter equilibraria seus esforços para combater a desinformação com o desejo de “proteger a liberdade de expressão como um valor fundamental” e respeitar a Primeira Emenda. Agrawal respondeu;

“Nosso papel não é estar vinculado à Primeira Emenda, mas nosso papel é servir a uma conversa pública saudável e nossos movimentos refletem coisas que acreditamos levar a uma conversa pública mais saudável. O tipo de coisa que fazemos sobre isso é focar menos em pensar sobre a liberdade de expressão, mas pensar em como os tempos mudaram.

Uma das mudanças que vemos hoje é que a fala é fácil na internet. A maioria das pessoas pode falar. Onde nosso papel é particularmente enfatizado é quem pode ser ouvido. A mercadoria escassa hoje é a atenção. Tem muito conteúdo por aí. Muitos tweets por aí, nem todos chamam a atenção, alguns subconjuntos chamam a atenção.”

Ele acrescentou que o Twitter estaria “movendo-se para a forma como recomendamos o conteúdo e … como direcionamos a atenção das pessoas está levando a uma conversa pública saudável que é mais participativa”.

Reich expõe essa agenda em sua coluna enquanto condena os defensores da liberdade de expressão como pequenos tiranos que oprimem as pessoas por meio da liberdade.

Reich explica que não se trata de liberdade, mas de tirania. Mais liberdade de expressão significa menos liberdade. É o tipo de argumento comumente usado na China e em outras nações autoritárias – e em um número crescente de acadêmicos e escritores americanos. De fato, sua coluna lembra os professores que pediram a adoção do modelo chinês de censura de opiniões na Internet.

Em um artigo publicado no The Atlantic pelo professor de direito de Harvard Jack Goldsmith e pelo professor de direito da Universidade do Arizona Andrew Keane Woods pediu censura ao estilo chinês da internet, afirmando que “no grande debate das últimas duas décadas sobre liberdade versus controle da rede, a China estava amplamente certa e os Estados Unidos estavam amplamente errados”.

Reich diz às pessoas para não serem atraídas pela liberdade de expressão: “Musk diz que quer 'libertar' a internet. Mas o que ele realmente pretende fazer é torná-lo ainda menos responsável do que é agora.” O que Reich chama de “responsabilização” é prestar contas àqueles como ele que podem filtrar opiniões e escritos que são considerados prejudiciais para os leitores.

Reich então se torna totalmente orwelliano:

“Musk defende a liberdade de expressão, mas na realidade trata-se apenas de poder. O poder obrigou Musk a comprar US$ 2.64 bilhões em ações do Twitter, tornando-o o maior acionista individual”.

Reich insiste que a censura de pontos de vista como o do ex-presidente Donald Trump é “necessária para proteger a democracia americana”. Pegue? Menos liberdade é mais liberdade.

Leia a história completa aqui…

Sobre o autor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado

5 Comentários
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários
Prego

“Mais liberdade de expressão significa menos liberdade.” Esta frase foi plagiada diretamente do 1984 de Orwell? E pensar que, quando comecei a vagar por sites ativistas como 'Truth Out', costumava me deparar com artigos ocasionais de Reich. Eu soube imediatamente que ele era um daqueles esquerdistas do tipo 'eu sei o que é melhor para você', e eu vinha do movimento trabalhista. Chris Hedges era a atração naquela época, até que eu percebi seus pontos fracos de esquerda. Sua histeria antropogênica de aquecimento global. Fiz comentários para tais fins, sofrendo as fisgadas e flechas da minha primeira corrida em... Leia mais »

Elle

“… reunião de políticos democratas e figuras da mídia na Universidade de Chicago para discutir como moldar melhor as notícias, combater a “desinformação” e reeducar aqueles com visões conservadoras.” Na verdade, a afirmação acima é absolutamente tudo que você precisa saber. O Partido Democrata avançou a todo vapor para o totalitarismo nos últimos anos. Eles se opõem abertamente a todas as leis enquanto decretam a ilegalidade em todos os lugares que olhamos. Eles ignoram os direitos constitucionais e os direitos naturais de todo ser humano de ser livre. Como seu amigo Xi, eles abraçam abertamente um modelo tecnocrático/totalitário de controle e tirania. E eles afirmam esse fato novamente e... Leia mais »

Última edição há 5 meses por Elle

[…] Robert Reich: ex-membro da Comissão Trilateral torna-se totalmente anti-liberdade de expressão […]

Nigel Watson

Roberto 3º Reich. Apenas mais um fantoche satânico, possuído por demônios. A Igreja foi corrompida pelas mesmas pessoas que nomearam nossos líderes políticos corruptos (fantoches do FEM). O estado é seu inimigo https://www.youtube.com/watch?v=Jt4zvaTYd3c&t=64s