ONU pressiona para criminalizar a oposição à migração em massa

Compartilhe esta história!
image_pdfimage_print
A ONU defende o mantra de que o desenvolvimento sustentável só é possível em uma sociedade multicultural, o que garante a eliminação do Estado-nação. No entanto, a imigração é empurrada apenas para países do Primeiro Mundo, como Europa e Estados Unidos. ⁃ Editor TN

O político holandês e membro do Parlamento Europeu Marcel de Graaff emitiu um alerta terrível sobre o Nações Unidas'visão assustadora para criminalizar a oposição à migração em massa. A organização tirânica do bebê azul quer mesmo ser solicitando o policiamento da mídia sobre o assunto. Você provavelmente não ouviu muito sobre os comentários de De Graaff. Isso porque a mídia globalista de grandes caixas temos hoje já está no campo dos autoritários pró-migração.

Alavancas de poder

Em uma coletiva de imprensa, De Graaff deu o alarme durante uma conferência internacional em Marrakech, Marrocos, nos dias 10 e 10 de dezembro, onde será assinado o Pacto Global da ONU para Migração Segura, Ordenada e Regular. Embora se diga que o pacto não é vinculativo, ele pretende estabelecer as bases para uma campanha orwelliana para consolidar a migração em massa como um direito humano legalmente acima de toda e qualquer crítica.

"Um elemento básico deste novo acordo é a extensão da definição de discurso de ódio", de Graaff diz. “O acordo quer criminalizar o discurso da migração. As críticas à migração se tornarão uma ofensa criminal. Os meios de comunicação que dão espaço para críticas à migração podem ser desligados. ”

Essa última frase não é exagero. O Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos publicou em seu site o texto de um sinistro discurso do Secretário-Geral Adjunto de Direitos Humanos, Andrew Gilmour. Somente o título do discurso mostra que o sindicato não está tentando ocultar sua agenda: “Palavras importam: papel e responsabilidade da mídia na formação das percepções públicas sobre migrantes e refugiados e na promoção de sociedades inclusivas”.

Gilmour começa seu discurso com uma declaração abrangente, destacando o quão desenfreada a ONU se vê em suas maquinações pelo poder.

"Os crimes de ódio contra os migrantes são uma manifestação especialmente desagradável do que eu vejo como uma reação quase global contra os direitos humanos", afirma ele sem rodeios. Em uma frase, Gilmour conjuga a migração em massa de povos para nações soberanas com todo o conceito de direitos humanos. A partir daí, é fácil justificar uma abordagem autoritária severa para esmagar o “racismo” e a “xenofobia”. E Gilmour deixa claro que o comando da mídia deve ser uma parte essencial do esforço do pacto global para fazer exatamente isso:

“No Objetivo 17, o Pacto Global compromete os Estados e outras partes interessadas a promover relatórios de qualidade por meios de comunicação sobre questões e terminologia relacionadas à migração, a investir em padrões éticos de relatórios e publicidade e a interromper a alocação de financiamento público ou apoio material à mídia. estabelecimentos que sistematicamente promovam intolerância, xenofobia, racismo e outras formas de discriminação contra os migrantes. Esses são pontos cruciais em que todos precisamos construir. ”

Adeus, imprensa livre. Gilmour explica como seu escritório ajudará os estados "a distinguir a liberdade de expressão da expressão de ódio" que, é claro, não tem o direito de existir. Ele ressalta que as reportagens da mídia que não são suficientemente pró-migração não podem ser toleradas. "Está claro para todos nós que muitos meios de comunicação estão falhando deliberadamente em promover o conceito de humanidade comum", diz Gilmour, definindo novamente a migração em massa como um direito humano básico. “As palavras obviamente importam: a retórica racista desumanizante freqüentemente leva ao ódio, tensões, violência e conflito. Requer um esforço maior da comunidade internacional para confrontar os meios de comunicação que procuram incitar o ódio. ”

Morte das Nações

Este é o apelo à tirania sobre a qual De Graaff está alertando. Isso destruirá completamente as nações que cederem a isso. "Este acordo é um golpe de estado dos globalistas liberais pró-migração, que beneficiarão muito as multinacionais", diz Graaff. “Os países que importam o terceiro mundo se tornarão o terceiro mundo. E é absolutamente claro que em países do terceiro mundo as multinacionais ditam as regras. ”

A boa notícia é que nações de mente sã se recusam a assinar esse pacto transnacional de suicídio. Liderado pela rejeição desafiadora do presidente Trump do direito da ONU de impor sua vontade de qualquer maneira ao povo dos Estados Unidos, que ele eloquentemente reafirmou durante seu discurso de setembro diante do covil de víboras, Mais e Mais nações estão rejeitando essa tomada de poder.

Ao apoiar abertamente a invasão do Ocidente por hordas do Terceiro Mundo e exigir o controle de uma imprensa livre e objetiva, as Nações Unidas se declararam inimigas do povo americano. Já passou da hora de remover essa entidade hostil de seus aposentos confortáveis ​​em nosso solo. Os EUA devem sair das Nações Unidas e devem sair do nosso país.

Leia a história completa aqui…

Junte-se à nossa lista de endereços!


avatar
5 Comentar tópicos
0 Respostas do Tópico
0 Seguidores
Comentário Mostv¯ve
Tópico de comentário mais quente
3 Autores de comentários
RinHCalcosmoprimo Autores recentes de comentários
Subscrever
o mais novo mais velho mais votado
Notificar a
cosmoprimo
Convidado
cosmoprimo

Hora de tirar o pó das guilhotinas ...

Cal
Convidado
Cal

Quem se importa com o que a ONU quer fazer, pois não tem autoridade legal sobre nossa nação e nossas decisões. Se qualquer pessoa que sirva em nossos governos - estadual ou geral (federal) - apóie uma entidade estrangeira nos EUA, ela é TRAITORA e deve ser tratada adequadamente, acusada pelos crimes cometidos, trair alguns crimes e Perjúrio, em virtude de seu dia no tribunal, e se for considerado culpado, pendurado no pescoço até a morte, e deixado lá por meio dia ou mais, para que aqueles que estão dispostos a quebrar seus Juramentos ou trabalhar contra a nossa nação pensem duas vezes.

RinH
Convidado
RinH

A migração em massa é uma invasão de um país não controlado; você pode mudar um país inteiro se a imigração em massa for permitida ou forçada a qualquer nação. Pare com o absurdo, é óbvio que os idiotas degenerados que estão empurrando o globalismo e a Nova Ordem Mundial usando a ONU estão tentando forçar seus fantastues a todos os lugares. Adivinhe, isso não vai acontecer aqui nos EUA, sem uma guerra de proporção bíblica. Também é óbvio que os grupos financiados pela ONU e pela Siri estão organizando a migração em massa na América do Sul e enviando os EUA para os EUA.... Leia mais "