Deutsche Bank: O Novo Acordo Verde Requer 'Certo Grau de Eco-Ditadura'

Compartilhe esta história!
image_pdfimage_print
A Grande Restauração, também conhecida como New Deal e Tecnocracia Verde, requer a transformação completa de todos os elementos da sociedade, desde as estruturas jurídicas até o comércio e o controle da população. O Deutsche Bank global revelou que será necessário um “certo grau de ecoditadura” para chegar lá. A ditadura científica é o principal resultado da Tecnocracia é uma armadilha civilizacional sem volta. ⁃ Editor TN

Uma análise publicada pela Deutsche Bank critica duramente o “debate desonesto” com que a UE está a vender o seu “Acordo Verde” ao povo da Europa. Os enormes riscos do projeto de prosperidade, do sistema econômico e da própria democracia não devem ser ocultados, mas devem ser tratados abertamente.

Eric Heymann, economista sênior da Pesquisa do Deutsche Bank, adverte que o Acordo Verde da Europa e seu objetivo de neutralidade climática até 2050 ameaçam uma megocrise europeia, levando a uma “perda perceptível de bem-estar e empregos”. E avisa: não vai funcionar sem “um certo grau de ecoditadura”.

O analista descreve como duvidoso que o Acordo Verde esteja sendo elogiado por todos como "uma nova estratégia de crescimento" que permitiria à UE se tornar uma "sociedade justa e próspera". Embora isso possa parecer bom no papel, escreve Heymann, para alcançar a neutralidade em carbono até 2050, a economia da Europa e todos os seus sistemas políticos e jurídicos terão que ser mudados fundamentalmente.

Por enquanto, as consequências revolucionárias da agenda climática da UE para a vida cotidiana são "ainda relativamente abstratas" e para a maioria das famílias "ainda aceitáveis". Em breve, porém, o caminho para a neutralidade climática exigirá intervenções drásticas na escolha do meio de transporte, no tamanho da moradia, nos meios de aquecimento, na posse de bens de consumo eletrônicos, bem como nas restrições ao consumo de carnes e frutas tropicais. .

E ele alerta que essas restrições e infrações irão inevitavelmente desencadear "resistência política massiva".

Algumas partes encontrarão argumentos contra políticas rígidas de proteção do clima, se as últimas levarem a um aumento significativo nos preços da energia ou a restrições à liberdade pessoal ou aos direitos de propriedade. E não nos iludamos: esses partidos vão encontrar o apoio do eleitor. No nível da UE, haverá grandes conflitos sobre a distribuição, o que pode contribuir para (mais) divisões dentro do bloco. Estamos prontos para lidar com essa polarização?

Abaixo estão trechos da análise de Eric Heymann (Deutsche Bank Research).

Um certo grau de eco-ditadura será necessário

O impacto da política climática atual na vida cotidiana das pessoas ainda é bastante abstrato e aceitável para muitas famílias. A política climática vem na forma de impostos e taxas mais elevados sobre a energia, o que torna o aquecimento e a mobilidade mais caros. Alguns países estabeleceram padrões mínimos de eficiência energética para edifícios ou regras semelhantes em outras áreas. No entanto, a política climática não determina nossas vidas. Tomamos decisões importantes de consumo, por exemplo, se viajamos, quanto viajamos e quais meios de transporte usamos, se vivemos em uma casa grande ou em um pequeno apartamento e como aquecemos nossas casas, quantos dispositivos eletrônicos temos e com que intensidade os usamos ou quanta carne e frutas exóticas comemos. Essas decisões tendem a ser tomadas com base em nossa receita, não em considerações climáticas.

Se realmente queremos alcançar a neutralidade climática, precisamos mudar nosso comportamento em todas essas áreas da vida. Isso ocorre simplesmente porque ainda não existem tecnologias adequadas e eficazes em termos de custos que nos permitam manter nossos padrões de vida de uma forma neutra em carbono. Isso significa que os preços do carbono terão que aumentar consideravelmente para incitar as pessoas a mudar seu comportamento. Outra opção (ou talvez complementar) é tornar a legislação regulatória consideravelmente mais rígida. Eu sei que “ecoditadura” é uma palavra desagradável. Mas podemos ter que nos perguntar se e em que medida podemos estar dispostos a aceitar algum tipo de eco-ditadura (na forma de lei reguladora) para avançar em direção à neutralidade climática. Aqui está um exemplo: O que devemos fazer se os proprietários não querem transformar suas casas em edifícios com emissão zero; caso não disponham de meios financeiros para tal; se isso não for possível por motivos técnicos ou se os investimentos relacionados não compensarem?

Leia o relatório completo do Deutsche Bank aqui.

Leia a história completa aqui…

Sobre o autor

Patrick Wood
Patrick Wood é um especialista líder e crítico em Desenvolvimento Sustentável, Economia Verde, Agenda 21, Agenda 2030 e Tecnocracia histórica. Ele é o autor de Technocracy Rising: The Trojan Horse of Global Transformation (2015) e co-autor de Trilaterals Over Washington, Volumes I e II (1978-1980) com o falecido Antony C. Sutton.
Subscrever
Receber por
convidado
5 Comentários
mais velho
Os mais novos Mais votados
Comentários em linha
Ver todos os comentários

[...] Fonte de Notícias e Tendências de Tecnocracia [...]

[...] Fonte de Notícias e Tendências de Tecnocracia [...]

Corona Coronata

Certo grau = 100 por cento

[...] (1) Notícias da Tecnocracia [...]

James Reinhart

Os bancos são bastiões de transparência e honestidade. Eles já foram processados ​​e por quanto?
Tenho certeza que eles estão empurrando vários trilhões de comportamento criminoso fora do livro, mas quem vai para a prisão? Mexer com dinheiro na Idade Média e isso lhes causou mais do que dificuldades.