Quarentena de Moscou rastreada por câmeras de reconhecimento facial

em brancoWikimedia Commons, Pavel Kazachkov
Compartilhe esta história!
image_pdfimage_print
O Papai Noel tem uma concorrência acirrada quando se trata de vigilância de babás: “Ele vê você quando você está dormindo; Ele sabe quando você está acordado; Ele sabe se você foi bom ou ruim; Então seja bom pelo amor de Deus. ⁃ Editor TN

Uma vasta e controversa rede de câmeras de reconhecimento facial que vigiam Moscou agora está desempenhando um papel fundamental na batalha contra a disseminação do coronavírus na Rússia.

A cidade lançou a tecnologia pouco antes da epidemia chegar à Rússia, ignorando protestos e reclamações legais por sofisticada vigilância estatal.

Desde o mês passado, milhares de moscovitas ficaram confinados em suas casas por 14 dias de quarentena obrigatória após retornar de países atingidos por vírus, estando em contato com pessoas infectadas ou diagnosticadas com sintomas leves.

A polícia registrou seus detalhes e avisou que esgueirar-se para a cidade de 16 milhões de habitantes e visitantes diários poderia levar a uma sentença de cinco anos de prisão ou deportação para estrangeiros.

"Estamos constantemente verificando se esse regulamento está sendo observado, inclusive através do uso de sistemas automatizados de reconhecimento facial", escreveu o prefeito Sergei Sobyanin em seu blog em fevereiro.

A capital russa já possuía uma rede estreita de 170,000 câmeras de segurança, instaladas nas ruas e estações de metrô em toda a cidade na última década.

Cerca de 100,000 já foram vinculados a sistemas de inteligência artificial que podem identificar pessoas sendo filmadas. As câmeras restantes deverão ser conectadas em breve.

A polícia de Moscou disse na semana passada que as câmeras conectadas permitiram identificar quase 200 pessoas que violaram as regras de quarentena.

Além das câmeras, a Rússia afirmou estar utilizando uma série de tecnologias para combater o vírus, incluindo consultas por telemedicina, monitoramento em tempo real das prateleiras dos supermercados e identificação e remoção de notícias falsas das mídias sociais.

O presidente Vladimir Putin visitou na semana passada um centro de alta tecnologia criado para monitorar a situação do vírus e a resposta da Rússia.

O país, na segunda-feira, havia relatado 438 infecções por coronavírus, a maioria delas em Moscou. Uma pessoa que foi infectada morreu, mas as autoridades não estão vinculando a morte ao vírus.

- 600 vizinhos -

A prefeitura de Moscou se gabou de que a rede de câmeras é uma ferramenta particularmente eficaz.

Sobyanin disse que as autoridades têm contatos e endereços de trabalho para 95% das pessoas em quarentena depois de voltarem de países de alto risco.

"Identificamos onde eles estão", disse o prefeito, que lidera um grupo de trabalho no combate ao vírus criado por Putin.

No mês passado, em seu blog, ele elogiou a eficiência do sistema de reconhecimento facial com a história de uma chinesa que teve um resultado positivo logo após a chegada e foi hospitalizada.

Sua colega de apartamento estava em quarentena, mas as câmeras de segurança a filmaram andando do lado de fora e encontrando um amigo.

O prefeito acrescentou que as autoridades rapidamente reuniram contatos de mais de 600 vizinhos da mulher e até de seu motorista de táxi no aeroporto.

A tecnologia de reconhecimento facial foi testada pela primeira vez durante a Copa do Mundo de 2018 na Rússia antes de entrar totalmente online em janeiro, pouco antes do pandemia.

"A probabilidade de um erro do nosso algoritmo de reconhecimento facial é de 1 em 15 milhões", disse Alexander Minin, CEO da NtechLab, empresa que venceu a licitação da cidade para fornecer a tecnologia.

Os dispositivos da empresa, que foram exportados para a China e a América Latina, podem identificar alguém de sua silhueta "80% do tempo", disse ele à AFP no início do ano.

A Rússia, juntamente com a China, lidera o campo globalmente com a tecnologia mais sofisticada, exportada para cerca de 100 países, escreveu Valentin Weber, pesquisador em segurança cibernética da Universidade de Oxford, em um artigo de 2019.

Leia a história completa aqui…

Junte-se à nossa lista de endereços!


avatar
2 Comentar tópicos
0 Respostas do Tópico
0 Seguidores
Comentário Mostv¯ve
Tópico de comentário mais quente
0 Autores de comentários
Autores recentes de comentários
Subscrever
o mais novo mais velho mais votado
Receber por
trackback

[…] Moscou - Quarentena rastreada por câmeras de reconhecimento facial https://www.technocracy.news/moscows-quarantined-tracked-by-facial-recognition-cameras/ [...]